Impeachment é anulado mas pode ser ignorado por Renan Calheiros

Impeachment sofre anulação e o Presidente interino da Câmara Valdir Maranhão atendendo pedido da AGU, e mais uma vez o mal é necessário – Renan Calheiros. O presidente interino da Câmara do Deputados, agiu com arbitrariedade e anulou o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff sem consultar a mesa. Agora, poderá haver uma nova votação ou simplesmente o …

09/05/2016 13:50



Impeachment sofre anulação e o Presidente interino da Câmara Valdir Maranhão atendendo pedido da AGU, e mais uma vez o mal é necessário – Renan Calheiros.

O presidente interino da Câmara do Deputados, agiu com arbitrariedade e anulou o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff sem consultar a mesa. Agora, poderá haver uma nova votação ou simplesmente o processo ser encerrado e o Brasil afundar de vez. Depende apenas da boa vontade do homem forte da situação, o senador, presidente do Senado, Renan Calheiros.

O estupefato ”vira casacas” Valdir Maranhão (PP-MA) acolheu parcialmente um pedido da AGU (Advocacia-Geral da União). O presidente interino da Câmara entendeu que ocorreram vícios que tornaram as sessões dos dias 15, 16,17 de abril nulas.

“Não poderiam os partidos políticos ter fechado questão ou firmado orientação para que os parlamentares votassem de um modo ou de outro, uma vez que, no caso deveriam vota de acordo com suas convicções pessoais e livremente”, diz Maranhão em nota.

Ele também afirma que os deputados não poderiam, antes da conclusão da votação, terem anunciado publicamente seus votos, “na medida em que isso caracteriza prejulgamento e clara ofensa ao amplo direito de defesa que está consagrado na Constituição”.

Presidente interino da Câmara não acolheu o argumento da AGU de que as sessões deveriam ser anuladas por causa dos motivos apresentados pelos deputados no momento da votação, por entender que não ocorreram vícios nas declarações de votos.

Maranhão determinou que o Senado devolva o processo para a Câmara, que deve deliberar sobre o assunto no prazo de cinco sessões contadas da data em que o processo voltar para a Casa.

Na nota, Maranhão explica que tomou conhecimento do recurso apresentado pela AGU quando o presidente da Comissão Especial do Impeachment no Senado, Raimundo Lira (PMDB-PB ), encaminhou à Câmara ofício em que indagava sobre andamento do recurso contra a decisão que instaurou o processo de impeachment contra Dilma.

Mais uma vez um mau necessário (Ranan) para andar o processo contra o que a de pior na política atualmente.

Da Redação com informações de Giovanna Sutto