Ibovespa mantém exterior favorável. Dólar fecha em queda

Ibovespa fecha estabilidade mantendo o exterior favorável. Dólar cai sobre o real, a R$ 3,50, com investidores à espera de novidades da equipe econômica. Ações A Bovespa fechou quase estável nesta segunda-feira, conforme o efeito positivo do apetite a risco no exterior foi contrabalançado principalmente pelo declínio das ações de bancos e da Gerdau, com …

16/05/2016 17:54



Ibovespa fecha estabilidade mantendo o exterior favorável. Dólar cai sobre o real, a R$ 3,50, com investidores à espera de novidades da equipe econômica.

Ações

A Bovespa fechou quase estável nesta segunda-feira, conforme o efeito positivo do apetite a risco no exterior foi contrabalançado principalmente pelo declínio das ações de bancos e da Gerdau, com investidores à espera do anúncio de medidas pelo governo interino de Michel Temer.

De acordo com dados preliminares, o Ibovespa teve variação positiva de 0,08%, a 51.844 pontos. O volume financeiro somava R$ 7,17 bilhões.

 

Câmbio – Investidores à espera de novidades da equipe econômica

O dólar fechou em queda nesta segunda-feira, mas ainda permaneceu no patamar de R$ 3,50, com investidores à espera de novidades sobre a equipe econômica, especialmente o nome de quem presidirá o Banco Central no governo de Michel Temer, num mercado com liquidez reduzida.

Com a moeda norte-americana próxima ao patamar de R$ 3,50, o BC não anunciou intervenção no mercado de câmbio nesta sessão, a segunda seguida.

O dólar recuou 0,55%, a R$ 3,5042 na venda. O dólar futuro recuava cerca de 1% no fim da tarde.

“Enquanto não tiver o anúncio do presidente do BC e na ausência de notícias, o dólar deve se manter perto dos 3,50 reais”, disse o operador da B&T Corretora de Câmbio Marcos Trabbold.

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, chegou a dizer que faria nesta segunda-feira o anúncio de sua equipe econômica, incluindo o comandante do Banco Central, mas sua assessoria de imprensa informou pela manhã que foi adiado para terça-feira. Entre os nomes que têm circulado para presidir a autoridade monetária, o que encabeça as apostas é o do o economista-chefe do banco Itaú, Ilan Goldfajn.

“Esse adiamento não é boa notícia mas, de forma geral, o investidor ainda está dando um voto de confiança (ao novo governo)”, disse o gerente de câmbio da corretora Treviso, Reginaldo Galhardo.

Operadores alertaram que o volume de negócios seguiu reduzido, em linha com os pregões anteriores.

Até o momento, O BC não anunciou nenhuma intervenção no mercado, como leilão de swap cambial reverso, equivalente a compra futura de dólares.

Para muitos operadores, a autoridade monetária não tem interesse que o dólar fique abaixo de R$ 3,50 para não prejudicar as exportações e, consequentemente, as contas externas do país.

Nesta sessão, o governo interino de Michel Temer começou a tratar de um dos temas mais espinhosos, a reforma da Previdência, com uma reunião com as centrais sindicais em que pretende demonstrar a necessidade das alterações.

Lá fora, o dólar operava com leve baixa frente a uma cesta de moedas, enquanto subia em relação a moedas de países emergentes, como os pesos mexicano e chileno.

Dados divulgados no fim de semana mostraram que os investimentos, a produção industrial e as vendas no varejo da China cresceram menos que o esperado em abril, aumentando as dúvidas sobre a estabilidade da segunda maior economia do mundo.

A moeda norte-americana subiu ante o iene, após o Japão sinalizar sua disposição em intervir no mercado de câmbio.

 

Por Flavia Bohone e Paula Arend Laier na Agência Reuters