Alta da inflação é a maior em 20 anos

Com aceleração parcial no mês de maio de 0,86%, alta da inflação é a maior em 20 anos. Reajuste de medicamentos e alta de alimentos explicam aumento nos preços A inflação parcial de maio, medida pelo IPCA-15 (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15), mostrou aceleração de 0,51% em abril para 0,86% neste mês, segundo o IBGE (Instituto …

20/05/2016 12:26



Com aceleração parcial no mês de maio de 0,86%, alta da inflação é a maior em 20 anos. Reajuste de medicamentos e alta de alimentos explicam aumento nos preços

A inflação parcial de maio, medida pelo IPCA-15 (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15), mostrou aceleração de 0,51% em abril para 0,86% neste mês, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

O resultado é o maior para o mês de maio de 1996, quando atingiu 1,32%. O mercado esperava aceleração para 0,77%, segundo a Bloomberg News.

Com o resultado, o IPCA acumula alta de 4,21% neste ano e de 9,62% em 12 meses ante expectativa de 9,51%.

Responsável por um quarto do indicador, a inflação do grupo alimentos e bebidas passou de 1,35% em abril para 1,03% em maio. Apesar da desaceleração, o grupo teve o maior impacto no resultado parcial de maio, de 0,27 ponto percentual.

Entre os alimentos que continuam mostrando alta de preços, destaque para batata-inglesa (29,65%), o feijão-carioca (5,04%), a farinha de mandioca (4,45%) e o leite (2,82%).

Outro item que contribuiu para a aceleração da inflação foram os medicamentos, que subiram 6,50% devido ao reajuste anual de 12,50% que entrou em vigor em 1º de abril e foi aprovado pela Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos.

Com o reajuste, a inflação do grupo saúde e cuidados pessoais saltou de 1,32% em abril para 2,54% em maio.

Nos outros grupos, houve aceleração nos preços de artigos de residência (0,28% para 0,55%), vestuário (0,49% para 0,72%), despesas pessoais (0,36% para 0,81%) e educação (0,15% para 0,29%).

Os grupos comunicação (-0,96% para 1,26%) e habitação (-0,41% para 0,99%) passaram de deflação para inflação.

O IPCA-15 foi calculado entre 14 de abril para 13 de maio nas regiões metropolitanas do Rio de Janeiro, Porto Alegre, Belo Horizonte, Recife, São Paulo, Belém, Fortaleza, Salvador e Curitiba, além de Brasília e Goiânia.

 

Por Weruska Goeking, jornalista especialista em mercado com informações da Bloomberg News