Prisão para Renan, Sarney e Jucá que queriam parar a Lava Jato

Certo de que senadores teriam agido para parar a Lava Jato, Rodrigo Janot pede a prisão de Renan, Sarney e Romero Jucá. Eduardo Cunha entrou no ‘pacote’. O ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), examina o pedido de prisão do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), do ex-presidente da República José Sarney (PMDB-AP) …

07/06/2016 08:44



Certo de que senadores teriam agido para parar a Lava Jato, Rodrigo Janot pede a prisão de Renan, Sarney e Romero Jucá. Eduardo Cunha entrou no ‘pacote’.

O ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), examina o pedido de prisão do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), do ex-presidente da República José Sarney (PMDB-AP) e do senador Romero Jucá (PMDB-RR), formulados pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, com base nas gravações do ex-senador e ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado. Janot foi além, pedindo também a prisão do ex-presidente da Cãmara, Eduardo Cunha, considerando que mesmo com o afastamento pelo STF, Cunha ainda mantinha fortes articulações.

Janot considerou que nas conversas em que falam mal da Operação Lava Jato, os políticos estavam “tramando” obstruir a Justiça. A informação, atribuída a ministros do STF, foi publicada nesta terça-feira (7) pelo jornal O Globo.

Zavascki examina o pedido há cerca de dez dias. A partir do seu recebimento, o ministro iniciou uma série de consultas informais, sobre o assunto, aos demais integrantes da Corte e o assunto acabou vazando.

Janot também pediu o afastamento de Renan da presidência do Senado, usando argumentos similares àqueles que usou contra Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que acabaria afastado da presidência do Senado e do mandato de deputado federal.

A PGR considerou os “indícios de conspiração” mais graves do que aqueles que levaram à prisão o então senador Delcídio do Amaral (ex-PT/MS), em novembro de 2015, porque os três senadores planejariam derrubar toda a Operação Lava Jato.

Para essa pessoa com acesso às investigações, não há dúvida de que, se a trama não fosse documentada pelas gravações de Sérgio Machado, a legislação seria modificada de acordo com o interesse dos investigados. Os procuradores acham até que Sarney, mesmo sem mandato, “controla bancadas” na Câmara e no Senado.

 

Da Redação