Entrevista – Luiz Cezar Fernandes, executivo do BTG Pactual

Para Luiz Cezar Fernandes, é preciso evitar que otimismo deixe as reformas pela metade. “Não se pode deixar os políticos muito confortáveis”, dispara ele. Luiz Cezar Fernandes, fundador do antigo Pactual, embrião do atual BTG Pactual, acha que o mercado não pode se contentar com a sinalização positiva do governo. A pressão sobre os políticos deve …

27/06/2016 08:26



Para Luiz Cezar Fernandes, é preciso evitar que otimismo deixe as reformas pela metade. “Não se pode deixar os políticos muito confortáveis”, dispara ele.

Luiz Cezar Fernandes, fundador do antigo Pactual, embrião do atual BTG Pactual, acha que o mercado não pode se contentar com a sinalização positiva do governo. A pressão sobre os políticos deve continuar, a fim de que as reformas estruturais sejam feitas. Fernandes também vê com preocupação a capacidade de o governo atrair investidores, a situação dos produtores rurais e a oferta de crédito no país.

A seguir, a entrevista concedida por ele:

Como o senhor avalia as primeiras medidas do governo Temer? Elas são mesmo suficientes para mudar o humor do mercado?
 
Luiz Cezar Fernandes: A sinalização positiva do governo apenas começou. Devemos aprovar o teto para os gastos públicos, passar a reforma da Previdência — e, se der, também aprovar a reforma trabalhista. Acho que é um pouco prematuro para o mercado comemorar. Meu medo é que esse otimismo passe um sinal errado aos políticos: o de que, como todo mundo está gostando, já está bom o que se fez até aqui.

Falta muito caminho para ficarmos bem. Quando os economistas começam a dizer que as medidas são ótimas e a confiança está voltando, o político relaxa e não faz o que é necessário. É preciso um pouco mais de “terrorismo”. Não se pode deixar os políticos muito confortáveis. Eles precisam de mais pressão.

Até agora, qual foi a decisão mais acertada do governo?

Fernandes: Reduzir os riscos da dívida pública. Neste momento, é o mais essencial. Se o governo conseguir mesmo limitar os gastos públicos já será muito bom. O segundo passo é a reforma da Previdência, que está 50 anos atrasada. O governo poderia ter tratado disso há dez anos, quando havia popularidade e força política, mas não quis. Além disso, havia o bônus demográfico. Agora, estamos perdendo o bônus e está mais difícil, politicamente, fazer a reforma.

Há uma preocupação com o impacto da dívida de grandes empresas sobre os bancos: Oi, Sete Brasil, Odebrecht etc. Quanto essas dívidas corporativas atrapalham, efetivamente, a oferta de crédito?

Fernandes: O crédito já estava pressionado. A Oi foi apenas a gota d’água. Se você olhar as recuperações judiciais que vieram antes, formam um volume expressivo de dívidas. E elas já vinham acelerando. Os bancos só podem oferecer crédito para pessoas, governo ou empresas. As pessoas físicas já estavam muito endividadas e pressionadas com a queda da renda e com o desemprego. Agora, discretamente, os bancos estão passando os títulos públicos para os fundos de pensão. Se você pegar o volume desses títulos em poder dos fundos, é bem grande.

Então, só resta para os bancos o crédito consignado ou o corporativo. O crédito consignado é para pessoa física. Não adianta nada concedê-lo a funcionários públicos ou pensionistas que não recebem o seu salário ou benefício do Estado. Sem falar dos governos que descontam a parcela de consignado do funcionário, mas não repassam para o banco. O crédito privado enfrenta o problema das recuperações judiciais. Acho que os bancos estão numa situação bem difícil. Eles não têm muito para onde correr. Acredito que a contração de crédito vai continuar.

Tudo isso afasta os investidores que poderiam disputar as concessões públicas?

Fernandes: Eu converso com muitos investidores e operadores estrangeiros. Eles não estão entusiasmados em vir para o Brasil. Não estão felizes com o cenário local. Os aeroportos, por exemplo, que eram vistos como um bom negócio, apresentam sérios problemas. Quem poderia assumir esses projetos não quer vir. Quase todos os espanhóis quebraram. Franceses, americanos… Eu não sei quem viria. Talvez isso anime investidores asiáticos, como Cingapura, mas os chineses também enfrentam problemas. A China está com problema de crédito, liquidez… O banco central do país está ajudando os bancos para não quebrarem.

Então as concessões, que são a principal bandeira do governo, podem não decolar?

Fernandes: Se o governo não determinar a taxa interna de retorno, eu acho que os fundos e investidores mais agressivos talvez venham. Empresas como a BlackRock e a Elliot, quero dizer. Então, eu diria que o mercado de capitais pode vir, mas os operadores estratégicos são mais difíceis. Agora, é aquilo: esses fundos estão dispostos a correr mais riscos, mas também querem taxas de retorno melhores.

Há algum setor ou empresa que o preocupe? Que possa representar um grande risco nos próximos meses?

Fernandes: Eu acho que um setor com problemas gravíssimos é o agropecuário, principalmente os produtores de grãos. Eles acumulam dívidas altíssimas. Na faixa entre R$ 1 bilhão e R$ 2 bilhões de dívida, há uns dez produtores. E isso é preocupante, porque a agropecuária é o setor que puxa a economia. Ninguém olha para essas dívidas, porque há essa impressão de que a agricultura vai bem. Mas olhe a quebra de 60% da safra na região do Mapitoba (Maranhão, Piauí, Tocantins e Bahia). Ninguém aguenta uma quebra como essa. Você compra sementes e fertilizantes contando com a colheita de 100% da safra. Aí, precisa bancar tudo com apenas 40%, porque o resto foi perdido. Quando essa situação estourar, vai vir tudo de uma vez.

Isso vai pressionar ainda mais o Banco do Brasil, que é o maior em crédito rural?

Fernandes: Os grandes produtores não pegam tanto crédito no Banco do Brasil. Eles pegam muito dinheiro de bancos estrangeiros que têm operações por aqui. E também de bancos no exterior. Agora, pense: o dólar subiu muito, mas, mesmo que o preço dos grãos suba com a quebra da safra, não será suficiente para cobrir o buraco.

 

Por Mácio Juliboni, jornalista e especialista no mercado para O Financista