Opinião – Esqueceram-se do Brasil

”O Brasil tem sido preocupação de sociólogos, escritores, jornalistas, economistas, mas não dos políticos. A Lava Jato está mostrando como alguns usam a política…” Nesta semana, ouvi um professor chileno dizer: “Tenho pena do Brasil”. Essa frase me incomodou mais do que as matérias sobre as tragédias brasileiras destes tempos sombrios. Ainda mais quando imaginei …

03/07/2016 17:52



”O Brasil tem sido preocupação de sociólogos, escritores, jornalistas, economistas, mas não dos políticos. A Lava Jato está mostrando como alguns usam a política…”

Nesta semana, ouvi um professor chileno dizer: “Tenho pena do Brasil”. Essa frase me incomodou mais do que as matérias sobre as tragédias brasileiras destes tempos sombrios. Ainda mais quando imaginei a pergunta que ele não fez: “Como vocês deixaram o Brasil chegar a esta situação?” Como senador, senti constrangimento por essa pergunta não feita, e pela resposta que daria: “Há décadas, os políticos não colocam o Brasil como o personagem central de suas decisões”.

O Brasil tem sido preocupação de sociólogos, escritores, jornalistas, economistas, mas não dos políticos. A Lava Jato está mostrando que alguns usam a política para enriquecimento pessoal; outros, para financiar campanhas e continuar com seus mandatos; os melhores fazem política servindo a desejos imediatos de grupos específicos dos eleitores que os apoiam; as leis são feitas para beneficiar trabalhadores, empresários, aposentados, servidores públicos, consumidores, mas raramente o Brasil como um todo, no longo prazo.

Há parlamentares dos professores, não da educação; dos aposentados, não da aposentadoria; dos universitários, não da ciência e tecnologia; da assistência social, não da emancipação do povo; do apoio à indústria, não do desenvolvimento industrial; dos médicos, não da saúde. Ao longo da história, querendo atender cada grupo no imediato, sem considerar o Brasil no longo prazo, relegamos a opção por prioridades: o resultado tem sido o aumento nos gastos públicos acima da disponibilidade de recursos e, em consequência, o endividamento e a inflação.

A ausência do Brasil nas decisões políticas provoca um esquecimento da perspectiva de nação ao longo das décadas e séculos no futuro. Para beneficiar cada grupo, sacrificamos todos e o país. O debate sobre o impeachment é um exemplo de que “esqueceram-se do Brasil”. Com opção já tomada, defende-se a cassação ou a continuidade do mandato da presidente, sem aprofundar o debate sobre o que será melhor para o país.

A disputa se dá entre os que desejam a continuidade do governo do PT, depois de 13 anos, mesmo sabendo dos riscos de a volta da irresponsabilidade fiscal desestruturar ainda mais as finanças públicas e de o corporativismo vir a desarticular ainda mais o tecido social e o futuro do Brasil; os outros não querem a continuidade do governo Dilma, sem refletir sobre as consequências da interrupção do mandato do segundo presidente entre quatro eleitos.

Não há consideração sobre qual dessas duas alternativas será capaz de consolidar nossa democracia, assegurar estabilidade fiscal e monetária, induzir o país na direção de uma economia produtiva, uma sociedade justa, um setor científico e tecnológico sólido, cidades eficientes, educação de qualidade igual para todos; não há consideração sobre qual será capaz de conduzir as reformas de que o Brasil necessita.

Esqueceram-se do Brasil, essa é a causa de o país dar pena em quem observa sua tragédia atual.

 

cristovam buarque

Por Cristóvão Buarque