Opinião – Pré-candidatos aos montes

”Essa é a dúvida que nos aflige quando verificamos que já dobra o quarteirão a fila de interessados no emprego mais espinhoso do Brasil: o de Presidente da República” Sinal de vitalidade política, ou apenas uma expressão colorida e ruidosa dessa democracia muito particular que praticamos aqui nos trópicos? Essa é a dúvida que nos …

08/03/2018 15:03



”Essa é a dúvida que nos aflige quando verificamos que já dobra o quarteirão a fila de interessados no emprego mais espinhoso do Brasil: o de Presidente da República”

Sinal de vitalidade política, ou apenas uma expressão colorida e ruidosa dessa democracia muito particular que praticamos aqui nos trópicos?

Essa é a dúvida que nos aflige quando verificamos que já dobra o quarteirão a fila de interessados no emprego mais espinhoso do Brasil: o de Presidente da República.

Obviamente o cenário ainda é fluido, pois estabelece a lei que as convenções para a escolha dos candidatos deverão ocorrer entre 20 de julho e 5 de agosto. E a Justiça Eleitoral terá até o dia 17 de setembro para julgar os pedidos de registro de candidatos.

De um lado, comove-me o ardor, a autoconfiança e a coragem desses tantos pré-candidatos e pré-candidatas. Supostamente trata-se de gente abnegada, disposta a trocar a penumbra do relativo anonimato em que vivem, pela permanente exposição aos holofotes da opinião pública. Suas vidas serão escancaradas em padrão HD para uma sociedade viciada em telenovelas e reality-shows.

Preocupa-me, de outro lado, o conteúdo ralo dos discursos de tantos, a falta de projetos e de mensagens consistentes, que tracem o caminho para nos levar a destino digno no limiar da terceira década do século 21. Propostas existem, aqui e ali, mas impressiona o fato de não se definir como alcançar objetivos pretendidos.

Vamos começar a acompanhar o desempenho desses pré-candidatos, abrindo espaço numa série da artigos,  para especificar as agendas e prioridades de cada um deles (ou delas).

Alinhados para o Páreo

Em primeiro lugar, vamos ver quem começa a se alinhar para a disputa. Em outros artigos abordaremos cada nome em separado.

Álvaro Dias, senador pelo PV do Paraná. No Senado desde 1983 (exceção ao período 1987-1991, quando foi governador de seu Estado). Partidos: PMDB, PST, PP, PSDB e (desde janeiro de 2016) PV. Anunciou sua pré-candidatura à Presidência da República em novembro do ano passado, em evento do Podemos.

Arthur Virgílio Neto, prefeito de Manaus. É diplomata de carreira e foi por diversas vezes deputado federal e uma vez senador. Trajetória partidária: PSB e PSDB (foi um de seus fundadores). Foi ministro-Chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República no governo FHC. Em outubro do ano passado enviou carta ao PSDB anunciando sua disposição de disputar a indicação do partido como candidato à Presidência da República.

Ciro Gomes, atual vice-presidente do PDT. Foi ministro da Fazenda no governo de Itamar Franco e ministro da Integração Nacional no primeiro governo do presidente Lula. Foi governador do Ceará, prefeito de Fortaleza, deputado estadual e deputado federal. Foi derrotado nas duas vezes em que disputou a Presidência da República (1998 e 2002). Antes de integrar-se ao PDT já foi do PDS, PMDB, PSDB, PPS, PSB e PROS.

Cristovam Buarque é senador (PPS-DF), ex-governador de Brasília, ex-reitor da Universidade de Brasília e ex-ministro da Educação de Lula (primeido mandato). Anteriormente ao PPS, foi filiado ao PT e PDT.

Fernando Collor de Mello – senador, ex-Presidente da República, ex-governador de Alagoas, ex-deputado federal. Foi o primeiro presidente da República eleito pelo voto direto, após o regime militar. Sofreu processo de impeachment em 1992. Anunciou sua pré-canddiatura em janeiro passado, durante discurso em Arapiraca.

Geraldo Alckmin, atual governador de São Paulo e presidente nacional do PSDB. Começou sua carreira política em 1973, como vereador em Pindamonhagaba, cidade da qual foi também prefeito. Elegeu-se governador estadual e federal. Em 1988 deixou o PMDB, passando ao PSDB, do qual foi um dos fundadores. Foi eleito por três vezes governador de São Paulo. Em 2006 foi candidato à Presidência da República, tendo sido derrotado por Lula.

Jair Bolsonaro, é deputado-federal (sétimo mandato consecutivo). Natural de Campinas (SP). Em 5 de janeiro de 2018 anunciou sua filiação ao PSL e pré-candidatura à Presidência da República . É oficial da reserva e professor de educação física. Filiações partidárias: PDC, PP (duas vezes), PPR, PPB, PTB, PFL, PSC).

João Amoêdo, é um dos fundados do Partido Novo, partido que presidiu até julho de 2017. Nascido no Rio de Janeiro. Engenheiro, economista e administrador de empresas. Ex-membro do Conselho de Administração do Itaú-Unibanco. Propõe uma ampla reforma do sistema político, simplificar tributos e melhorar qualidade dos serviços públicos, valorizando a meritocracia.

José Maria Eymael é o atual presidente do PSDC  e calejado candidato à Presidência da República (derrotado nas quatro vezes em que disputou, em 1998, 2006,2010 e 2014). Foi deputado federal (inclusive constituinte). Em 2012 disputou a Prefeitura de São Paulo (ficou em 11º lugar, com pouco mais de cinco mil votos).

Levy Fidélix – Foi jornalista (tendo sido adjunto do setor de imprensa do Ministério da Agricultura no período do ministro Alysson Paulinelli). Natural de Mutum (Minas Gerais). Fundador do PRTB. Empresário e Publicitário.  Foi candidato a Presidente da República em 1994, 2010 e 2014, não tendo nunca chegado ao segundo turno.

Luís Inácio Lula da Silva –  Ex-Presidente da República, ex-deputado federal, ex-líder sindical. Embora se apresente como pré-candidato pelo PT, Lula poderá ter essa pretensão derrubada pela Justiça, por ter sido condenado em segunda instância por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Manuel d’Ávila é deputada estadual (PCdoB-RS). Foi deputada federal (dois mandatos). Foi vice-presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE). Seu partido lançou-a como pré-candiata em novembro de 2017.

Marina Silva é pré-candidata à Presidência da República pelo Rede (partido que ajudou a fundar). Foi deputada estadual e senadora pelo Acre.  Foi ministra do Meio Ambiente no primeiro governo de Luís Inácio Lula da Silva. Deixou o PT em 2009, passando para o Partido Verde. Concorreu à Presidência da República em 2010(derrotada no primeiro turno). Disputou novamente em 2014 (pelo PSB), ficando em terceiro lugar.

Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados. Deputado federal  em quinto mandato. Em 2017 presidiu o DEM, partido que ajudou a fundar. É filho do ex-prefeito do Rio de Janeiro, César Maia.

Valéria Monteiro – Jornalista, ex-apresentadora do Jornal Nacional.  Filiou-se ao PMN em 12 de janeiro de 2018. Anunciou em setembro de 2017 que pretendia disputar a Presidência da República.

 

Por Pedro Luiz Rodrigues