Opinião – Espécie em extinção

”Há 300 anos, porém, persiste a disputa entre máquinas, cada vez mais inteligentes, e homens e mulheres em busca de ocupação digna e remunerada” Profissões e ofícios surgem e desaparecem como resultado de avanços tecnológicos e científicos. Tentar proteger empregos arcaicos, contra a força do conhecimento, é tolice, mas figura no rol dos direitos e …

04/06/2019 13:18



”Há 300 anos, porém, persiste a disputa entre máquinas, cada vez mais inteligentes, e homens e mulheres em busca de ocupação digna e remunerada”

Profissões e ofícios surgem e desaparecem como resultado de avanços tecnológicos e científicos. Tentar proteger empregos arcaicos, contra a força do conhecimento, é tolice, mas figura no rol dos direitos e garantias fundamentais, como se lê no art. 7º, XXVII, da Constituição.

Ao folhearmos jornais e revistas das décadas de 1950, 1960 e 1970, encontraremos ofertas de cursos de datilografia, arquivista, torneiro mecânico, desenhista industrial, linotipista. Quem os concluísse capacitava-se a preencher emprego bem remunerado.

A indústria automobilística, que conheci quando advogava para sindicatos de metalúrgicos, oferecia oportunidades de empregos a milhares de candidatos vindos das mais diferentes regiões do País. Muitos eram semianalfabetos, cuja aprendizagem se daria na linha de montagem. Entre funcionários ligados à administração, e operários com macacões sujos de óleo e graxa, as diferenças faziam-se sentir dos sanitários aos refeitórios.

A moderna montadora de veículos não guarda semelhança com os velhos barracões de fábricas. Milhares de trabalhadores deram lugar a robôs incansáveis e precisos, e a reduzido grupo de técnicos qualificados. O chão da fábrica tornou-se limpo, quase não há ruído, o ar é respirável. O lado ruim da informatização consiste no desemprego, catástrofe que faz mais de 150 milhões de vítimas no mundo e algo em torno de 13,5 milhões no Brasil. São os redundantes ou desalentados que, após meses de inúteis tentativas de recolocação, perderam as esperanças e passaram a sobreviver de bicos, se pejotizaram (palavra não dicionarizada), ou foram para o uber, como derradeiro esforço de readaptação.

O trabalho braçal quase desapareceu. Trata-se de espécie em extinção

Tal qual sucede no setor industrial, a agricultura e o agronegócio alcançaram expressivos índices de produtividade com a mecanização e exclusão de trabalhadores. Fazendas de café e engenhos de açúcar mantinham colônias de moradores que davam conta de muitos alqueires de terra, plantando, cultivando e colhendo café e cana de açúcar, com enxadas, foices, arados, sulcadeiras, grades de tração animal e a força de braços. Era conhecida a figura do trabalhador volante ou boia-fria, contratado às centenas por ocasião das safras anuais. Prestavam serviços quatro ou cinco meses, e retornavam aos locais de origem com dinheiro no bolso.

Hoje, o que se observa na zona rural, são tratores, carregadeiras, plantadoras, fertilizadoras, colheitadeiras, carretas e aviões destinados à pulverização de defensivos. Há experiências com drones, para controle de pragas ou contagem do gado. O trabalho braçal quase desapareceu. Trata-se de espécie em extinção. Os custos da mão de obra e os riscos de acidentes incentivam a mecanização. A informatização integrou-se à vida rural com eficiência idêntica à demonstrada na empresa privada e no serviço público. O computador marca presença nas fábricas de etanol e açúcar, de óleo, de algodão, torrefações de café e produtoras de papel, da mesma maneira como se fez indispensável em agências bancárias, escritórios e órgãos públicos.

Somos privilegiadas testemunhas de acontecimentos que modificarão a história da humanidade. Alguns sociólogos sonham com utópica sociedade dominada pelo ócio. Para a falta de ocupação o remédio consistiria em colocar homens e mulheres numa espécie de vadiagem forçada, subsidiada com recursos públicos. As horas de trabalho diário seriam limitadas a duas ou três, sem prejuízo do salário.  É ilusão acreditar que seremos vítimas dessa utopia social e econômica. O ser humano adquire dignidade quando trabalha e produz. “O valor moral de um ser não depende dos dons naturais que recebeu de início, e sim do que ele faz deles: não da natureza, e sim da liberdade”, ou “da valorização do trabalho”, escreveu Luc Ferry, filósofo e Ministro da Educação da França (A Tentação do Cristianismo, Ed. Objetiva, RJ, 2011).

Não consigo imaginar a existência consagrada à inutilidade. A primeira Revolução Industrial, deflagrada com a invenção da caldeira a vapor no século XVIII, causou pânico ao proletariado miserável. Imaginava-se que as primeiras máquinas de fiar e de tecer seriam exterminadoras do emprego. Não foi o que aconteceu. Há 300 anos, porém, persiste a disputa entre máquinas, cada vez mais inteligentes, e homens e mulheres em busca de ocupação digna e remunerada.

O presidente Jair Bolsonaro e o ministro Paulo Guedes estão empenhados na reforma da Previdência Social. A tarefa relevante e urgente consiste, porém, na eliminação de vergonhosa fila de 13,5 milhões de desempregados. A qualquer momento poderá se converter em manifestações de rua, engrossadas por estudantes sob o comando da oposição.

 

 

 

Por Almir Pazzianotto Pinto, advogado, foi Ministro do Trabalho e presidente do Tribunal Superior do Trabalho. Autor do livro 30 Anos de Crise 1988-2018.