Análise Artigos Brasil Destaque Economia Eleição Eleições Municipais Eleições/Campanhas Opinião Oposição Política

Análise – Entenda o jogo de pôquer entre Jair Bolsonaro, João Doria e Wilson Witzel

Presidente só vê vitória na economia; Governadores adotam linha da empatia; Fator imponderável: os caixões dos mortos; Outro imponderável: desemprego maciço

O discurso do presidente da República poderia ter sido mais bem calibrado na noite de 3ª  feira (24.mar.2020)? Poderia ter começado dando condolências para as famílias dos mais de 40 mortos por coronavírus no Brasil? Sim, claro, poderia.

Mas é tudo parte de uma estratégia. É 1 jogo. Bolsonaro está numa mesa de pôquer em frente aos seus 2 principais opositores –os governadores João Doria (São Paulo) e Wilson Witzel (Rio de Janeiro).
A seguir, as estratégias dos 2 lados.

O CENÁRIO DE PLANALTO

O presidente aposta que até 6ª feira (27.mar.2020) comecem as demissões em massa. Aliás, já começaram os sinais.

Na Azul Linhas Aéreas (que reduziu seus voos em 90% por falta de demanda) houve 1 acordo entre a empresa e 7.500 de seus 14.000 funcionários. Os 7.500 pediram licença não remunerada. Passarão 1 período portanto sem receber salário.

A Renner (varejista) colocará cerca de 3.000 na rua.

Os empresários estão desesperados. Querem uma ação “incisiva/prática/rápida” do governo para conseguirem pagar os salários no início de abril, segundo resumo de live entre CEOs organizada pela XP.

Há temor grande a respeito dos pequenos negócios, que respondem por 72% dos empregos no Brasil.
Há uma relação direta entre medidas mais severas e restritivas com efeitos ainda mais devastadores na economia. Como se sabe, a política empreendida por João Doria e Wilson Witzel praticamente  tentando replicar o confinamento horizontal que a ditadura chinesa aplicou, manu militari, em Wuhan. Parte majoritária da mídia, com o Grupo Globo puxando a fila, enxerga vantagens nessa estratégia, pois há uma crença de que assim serão poupadas mais vidas.

Ocorre no algoritmo da estratégia de Bolsonaro o presidente também adiciona o componente econômico. Diferentemente dos Estados Unidos, que são 1 país emissor da moeda universal (o dólar) e vão torrar 9% do PIB em mediadas anticíclicas, o Brasil não chega nem perto disso. OS EUA darão US$ 50 bilhões para as companhias aéreas. Ou seja, perto de R$ 250 bilhões. O Brasil deverá conceder, se tanto, R$ 10 bilhões. 

Os grandes varejistas já fecharam as portas por aqui. Magazine Luiza, Casas Bahia, Renner, Riachuelo, Ponto Frio e Centauro. Quase 4.000 lojas sem operar.

Nesse cenário pensado por Bolsonaro, a responsabilidade pelo aniquilamento da economia –e da vida financeira de milhões de brasileiros– começará a cair no colo de Doria e Witzel antes de os hospitais lotarem.

Bolsonaro está trucando os governadores adversários. É 1 jogo arriscadíssimo. O presidente depende do tempo, que é escasso, para haver essa virada de percepção. Quer ser visto como o salvador da economia e dos empregos das pessoas. Na 3ª feira à noite, após o discurso presidencial, os grupos bolsonaristas no WhatsApp difundiam esta mensagem:

– O remédio não pode ser mais letal que a própria doença.
– O governo Bolsonaro já aportou bilhões na saúde para proteger os mais vulneráveis, anunciou pacote de medidas para evitar demissões em massa e impedir o colapso sem volta do Brasil!
– #OBrasilNaoPodeParar
[*mensagens de grupos bolsonaristas depois do pronunciamento do presidente em 24.mar.2020]

O CENÁRIO DE DORIA E WITZEL

Os 2 governadores têm uma estratégia também claríssima. Acham que o Brasil será palco de uma nova mortandade em série, vista apenas nas epidemias de gripe espanhola e tifo, no século passado.

Doria e Witzel apostam na empatia da população, que estaria propensa a identificá-los como “gestores que se preocupam com o povo” e que não são “frios, insensíveis e ineptos” como Bolsonaro.

Para que isso funcione, será necessário que nas próximas duas semanas o número de infectados dispare e os mortos passem logo de 1.000, para que os caixões sejam exibidos “ad nauseam” nas imagens dos telejornais e nos grupos de mensagens dos brasileiros no celular. 

Esse tipo de notícia –os mortos– pode ser devastador para o presidente da República. E não importa que proporcionalmente ainda sejam menores do que países como a Itália (aliás, onde ninguém com menos de 30 anos havia morrido até o início desta semana).

Esse caos sanitário “a la italiana” poderá produzir, portanto, uma grande rejeição a Bolsonaro. Mas a devastação de vidas e seu efeito midiático terá de vir antes da dilapidação completa das finanças pessoais de milhões de brasileiros pobres, que só têm comida da mão para a boca e nenhuma folga para passar 2 a 3 meses confinados em cômodos lotados nas suas residências.

A ORDEM DAS COISAS

O que virá primeiro? O “cenário italiano” de caixões sendo enviados às centenas para os crematórios? Ou a sensação de falência pessoal das pessoas mais humildes, que literalmente podem morrer de fome?

Não há resposta certeira e cartesiana para essas duas perguntas do parágrafo anterior. Mas é disso que depende a vitória dos jogadores que estão nos 2 lados da mesa nessa disputa instalada no país.
Uma coisa é certa: em até 15 dias será possível conhecer quem está vencendo essa disputa cheia de blefes.

POST SCRIPTUM

Pouco antes do meio-dia desta 4ª feira (25.mar.2020), o governador João Doria foi ao Twitter relatar como havia sido sua reunião por teleconferência com Bolsonaro e outros governadores do Sudeste.

“Decepcionante a postura do Presidente @jairbolsonaro na reunião que tivemos há pouco com Governadores do Sudeste para tratar sobre o combate ao coronavírus. Levamos as solicitações do Governo de SP e nosso posicionamento sobre a forma como a crise deve ser enfrentada.

“Recebi como resposta um ataque descontrolado do Presidente. Ao invés de discutir medidas para salvar vidas, preferiu falar sobre política e eleições. Lamentável e preocupante. Mais do que nunca precisamos de união, serenidade e equilíbrio para proteger vidas e preservar empregos.

“Presidente, no nosso Estado temos 40 mortos por COVID-19 dos 46 em todo o Brasil. São pessoas que tinham RG, CPF, e familiares que continuarão sentindo sua falta. Não são mortos de mentirinha, presidente. E essa não é apenas uma gripezinha”.

Como se observa, tanto Bolsonaro como Doria seguem à risca as estratégias descritas na parte de cima desta análise.

O presidente insistirá numa política pública que leve em conta a saúde da população, mas com muita ênfase na sobrevivência econômica do país. Doria se escora no discurso sobre o drama humano apresentado pela pandemia e na atitude que ele considera “lamentável e preocupante” de Bolsonaro.

O jogo de pôquer continua.

 

 

 

Por Fernando Rodrigues é o criador do Poder360. Repórter, cobriu todas as eleições presidenciais diretas pós-democratização. Acha que o bom jornalismo é essencial e não morre nunca.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *