Opinião – A queda de braço de um braço só

”Cuiabá está sendo alvo de uma queda de braço entre o executivo municipal e estadual nesse período onde o epicentro de toda e qualquer consequência danosa, é o povo” O governador Mauro Mendes está insistindo na flexibilidade da quarentena em Mato Grosso, especialmente na capital onde, o prefeito Emanuel Pinheiro, tem mantido o tom contrário, …

21/04/2020 00:38



”Cuiabá está sendo alvo de uma queda de braço entre o executivo municipal e estadual nesse período onde o epicentro de toda e qualquer consequência danosa, é o povo”

O governador Mauro Mendes está insistindo na flexibilidade da quarentena em Mato Grosso, especialmente na capital onde, o prefeito Emanuel Pinheiro, tem mantido o tom contrário, endurecendo com rigor o isolamento social e fechamento do comércio.

Mendes está alinhado com o discurso Federal do presidente Jair Bolsonaro, cogitando perdas muito maiores para a população mediante uma recessão econômica que se avizinha.

Já o prefeito, prevalece com uma visão humanitária, baseada em orientações de organismos internacionais e experiências de outros países, sobre manter o isolamento e quarentena para evitar um possível colapso no sistema de Saúde.

Ocorre que, ambos chefes dos executivos precisam entrar em um denominador comum. Afinal, ambos estariam respaldados em estudos científicos, onde uma posição unilateral seria tão catastrófico ou mais que uma bilateral aliada a uma junção de ações preventivas.

É sabido que o caos econômico – leia-se desemprego e fome, respectivamente – matam ou matarão muito mais que o vírus, considerando que esses mesmos fatores desencadeiam outros tão mortais ou mais que um vírus pandêmico – a violência (assaltos, saques, etc).

A necessidade de um diálogo entre os poderes Executivos estaduais e municipais para um entendimento sensato e amplo, tem como base vários fatores científicos ao nosso favor para não preocuparmos com os possíveis “picos europeus” no nosso estado, tomando providências exegetas, ocasionando perdas irreparáveis não só na Saúde, como também no Social.

Se não houver interesses políticos entre os nossos lideres municipal e estadual, como os já explícitos interesses na esfera federal, entre a Câmara e Congresso para com o Executivo, alguém precisa intermediar esse diálogo entre Mauro Mendes e Emanuel Pinheiro e assim, ambos agirem imediatamente em total favor da população de Cuiabá e Mato Grosso.

 

 

 

 

Da Redação, por KaduRachid, diretor do site Correio da Semana , publicitário, crítico, analítico & opinativo.