Análise – Bolsonaro supera os limites de 2018 e mantém tropa unida nas redes sociais

”Presidente continua com interações altas. Apoiadores montaram trincheiras virtuais. Conseguiram conter avanço de adversários” A pandemia do coronavírus está permitindo ao presidente Jair Bolsonaro extrapolar a sua capacidade histórica, considerando os dados da campanha de 2018 e do início do governo, em angariar interações nos seus posts nas redes sociais. Mesmo sob ataque de várias …

02/06/2020 13:04



”Presidente continua com interações altas. Apoiadores montaram trincheiras virtuais. Conseguiram conter avanço de adversários”

A pandemia do coronavírus está permitindo ao presidente Jair Bolsonaro extrapolar a sua capacidade histórica, considerando os dados da campanha de 2018 e do início do governo, em angariar interações nos seus posts nas redes sociais.

Mesmo sob ataque de várias frentes, os seguidores do presidente montaram várias trincheiras virtuais capazes de conter até aqui o avanço dos adversários sem perder a capacidade de amplificar as mensagens de Bolsonaro.

De 1º de junho a 31 de dezembro de 2018, Jair Bolsonaro fez 8.739 posts nos seus perfis oficiais no Twitter, Facebook e Instagram e alcançou 1.084.412.178 interações (curtidas, comentários, compartilhamentos e retuítes).

De 1º de janeiro de 2019 até esta 2ª feira (1º.jun) às 20h, o presidente da República havia produzido 8.325 posts e registrado 1.049.980.636 interações.

Nos 2 intervalos, milhões de brasileiros com acesso à internet foram impactados pelo conteúdo compartilhado, comentado ou curtido das contas do presidente sem o entendimento por parte da oposição desse fenômeno.

Na campanha foram os eleitores e agora a atenção está nos seguidores e aliados nas redes sociais. Bolsonaro precisa manter a base unida e energizada. A polarização é o oxigênio bolsonarista.

Na pandemia do Coronavírus, modelo entrou em uma nova escala. Na trajetória de candidato a presidente do Brasil, Bolsonaro obteve um recorde em interações em um único em dia em 15 de março passado quando chegou ao patamar de de 13,9 milhões de interações em seus posts.

Nos 100 posts com melhor taxa de envolvimento da base e propagação desde a campanha eleitoral, 13 ocorreram durante a crise do Covid-19.

Há mais de dois anos, a rede bolsonarista está treinando, aprendendo com os erros, tentando descobrir os seus limites e o presidente da República tem trabalhado intensamente nos seus posts para manter a tropa unida.

 

 

 

Por Manoel Fernandes, 50 anos, é diretor da Bites (www.bites.com.br). A empresa fornece há 13 anos informações e análises de dados para a tomada de decisões estratégicas dos seus clientes. Com experiência de 31 anos como jornalista, Manoel fundou a empresa após trabalhar na Veja, Forbes Brasil e Istoé Dinheiro. Também dirigiu a Revista Nacional de Telecomunicações (RNT). É especialista em Relações Governamentais pelo Insper, integrante do Conselho de Turismo da Fecomércio São Paulo, do Grupo de Pesquisas de Redes Sociais (GVRedes) da Escola de Administração de Empresas de São Paulo (FGV-Eaesp), do Conselho do Instituto de Relações Governamentais (IrelGov) e sócio efetivo do movimento Todos Pela Educação.