Análise – Toffoli repete discurso de Pelé

Pelé em seu último jogo como profissional no New York Cosmos: ”ministro intercedeu pelo equilíbrio; pediu união de forças”, observa Torres No dia 1º de outubro de 1977, Pelé, para muitos o maior atleta de todos os tempos, não só do futebol, despedia-se, definitivamente, do esporte que o consagrou. Antes, no mesmo mês de 1974, …

11/06/2020 11:53



Pelé em seu último jogo como profissional no New York Cosmos: ”ministro intercedeu pelo equilíbrio; pediu união de forças”, observa Torres

No dia 1º de outubro de 1977, Pelé, para muitos o maior atleta de todos os tempos, não só do futebol, despedia-se, definitivamente, do esporte que o consagrou. Antes, no mesmo mês de 1974, despediu-se do torcedor brasileiro e imaginou que se aposentaria.

Bastou receber seu contador, no final do ano, e notou que estava literalmente “quebrado”. Preocupara-se apenas com o esporte, fez uma série de negócios ruinosos; imaginou que estivesse rico, mas, ao contrário, afundou-se em grossas dívidas.

Desde 1971, vinha sendo procurado pelo britânico Clive Toye, que era vice-presidente e gerente geral da equipe norte-americana New York Cosmos, criada em 1970.

O 1º encontro foi em 31 de janeiro. O Santos estava na Jamaica para fazer alguns amistosos. Toye se aproximou de Pelé e fez uma oferta para que ele fosse jogar em seu time e ajudasse a espalhar a febre do futebol pelos EUA. A proposta para defender uma equipe que nem sequer tinha 1 ano e de um país sem tradição no futebol não empolgou nem um pouco o camisa 10, acostumado a rejeitar clubes dos quilates de Real Madrid, Barcelona e Juventus.

PRESIDENTE DO STF DISSE: “LOVE, LOVE AND LOVE”

Agora era diferente. O britânico, que de 1971 a 1975 assediou Pelé, diante da condição de penúria do “Rei”, o convenceu, oferecendo-lhe o maior salário até então pago a um jogador de “soccer”. O resto da história todos sabem: Pelé, secundado por Beckenbauer, Carlos Alberto Torres e muitos outros astros, encantou Tio Sam e despertou milhões de norte-americanos para aquela “esquisita” competição.

Agora estava no Giant Stadium, em New Jersey, diante de mais de 75.000 súditos entristecidos, pondo fim à sua longa carreira de precisos 1.283 gols, até então (faria outros em jogos espetáculos mundo afora). Na plateia, assistindo ao amistoso Cosmos X Santos, nomes como Muhammad Ali, Telly Savallas (famoso por interpretar “Kojak”), a cantora Roberta Flack (do hit “Killing Me Softly”), o rolling stone Mick Jagger, Robert Redford (que havia concorrido ao Oscar de Melhor Ator em 1974, por “Um Golpe de Mestre”, Henry Kissinger (ex-secretário de Estado dos EUA) e Jeff Carter (filho do presidente norte-americano Jimmy Carter).

Pelé fez um discurso contundente pelo fim das desigualdades e, em favor da concórdia, disse: “Estou muito feliz de estar aqui com vocês em um grande momento da minha vida. Agradeço a todos pelo que fazem por mim e quero aproveitar esta oportunidade, em que todos no mundo olham para mim, para pedir atenção e cuidados aos jovens e para as crianças ao redor do mundo. Creio e acredito que o amor é o mais importante que podemos oferecer. Tudo passa. Por isso peço que digam comigo 3 vezes: amor, amor e amor. Muito obrigado”. Essas palavras levaram milhares às lágrimas, incluindo Ali e John Lennon, que não se encontrava presente.

Anteontem, tudo isso me veio à mente quando o presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Dias Toffoli, deu um murro na mesa e conclamou todos à moderação. Foi ele o Estadista a interceder pelo equilíbrio, enquanto puxava as orelhas crescidas do chefe do Executivo de maneira categórica: “Ações do presidente Jair Bolsonaro e de seu governo têm trazido dubiedades que impressionam e assustam não só a sociedade brasileira, mas também a comunidade internacional”.

Advertiu a Bolsonaro que não é mais possível atitudes dúbias contra a democracia e chamou às falas os demais chefes de poderes ao exigir o que chamou de trégua. Disse inadmitir censura quanto à compilação de dados sobre o novo coronavírus no Brasil.

Na parte amorosa, lembrou que Bolsonaro foi parceiro do Judiciário quando alguns tresloucados recém-eleitos queriam, imotivadamente, abrir uma CPI, que alcunhavam de “Lava Toga”, apenas para constranger juízes. Melhor ainda, elogiou publicamente Aras, a quem chamou de parcimonioso, firme, líder prudente e altivo, “mas sem cair na vaidade e sem fazer holofotes, como ‘infelizmente’ ocorria num passado recente”.

Na realidade, o Ministério Público ataca Aras com o único objetivo de tentar emplacar uma lista tríplice para escolha de seu procurador-geral da República e eleição direta para procurador-geral de Justiça nos Estados. Verdadeiro absurdo que redundou na criação de facções na classe e transformou promotores em verdadeiras vedetes do teatro rebolado, já não sabem mais o que fazem para aparecer. Em algumas partes, vejo que o Judiciário caminha na mesma direção. Vão se arrepender. O sistema atual é mais saudável, premia o mérito e a sensatez.

Novamente, Toffoli enfiou o dedo na ferida para, em seguida, buscar a cicatrização: “Os Poderes da República em todas as esferas da Federação, as instituições públicas e privadas e a sociedade civil devem unir forças para, com diálogo, transparência e ciência, preservar vidas, vencer a pandemia e superar suas consequências nefastas nos âmbitos sociais e econômicos”. ​

Bolsonaro deveria seguir o exemplo, pois, como lembrou Clésio Andrade, “ele não foi eleito pelo seu ‘jeito’, nem para ser mal educado, isso não é do nosso povo”. É preciso desarmar os espíritos, o confronto em torno de opiniões é útil, sem pedras, tacos de baseball, agressões. Ouçam bem o que diz Toffoli: “Love, Love and Love”.

 

 

 

Por Demóstenes Torres, 59 anos, é ex-presidente da Comissão de Constituição e Justiça do Senado Federal, procurador de Justiça aposentado e advogado.