Editorial – Má fé ou incompetência?

”Subir o tom com a imprensa e servidores estaduais que estariam denunciando a atual gestão por possível ma fé ou incompetência, só piora o já desgastado cenário” Ocorreu na manhã desta quinta-feira (25) uma confusão extremamente desnecessária, onde colocou em ‘’telhados de vidro’’ a credibilidade de um Secretário de Estado, de um deputado estadual da …

25/06/2020 16:05



”Subir o tom com a imprensa e servidores estaduais que estariam denunciando a atual gestão por possível ma fé ou incompetência, só piora o já desgastado cenário”

Ocorreu na manhã desta quinta-feira (25) uma confusão extremamente desnecessária, onde colocou em ‘’telhados de vidro’’ a credibilidade de um Secretário de Estado, de um deputado estadual da base governista, e claro, do governador Mauro Mendes, o chefe maior dos citados, ordenador de ações em combate a pandemia que vem assolando inacreditavelmente essa terra que era para estar mais do que segura, pela quantia extraordinária de recursos federais destinados.

Por volta das 08h30, o deputado Paulo Araújo fez uma live na sua rede social, exibindo (apenas partes) dos equipamentos e dizendo categoricamente que, dos equipamentos ali estocados pela Secretaria de Saúde do Estado, ‘’não haviam respiradores’’, mas sim, ‘’como vocês podem ver, camas, colchões e pequenos insumos que seriam destinados a municípios do interior’’, disse Araújo.

Em seguida, o deputado Elizeu Nascimento, também presente naquela manhã no ginásio, fez uma live no mesmo momento em que o colega governista o fazia. A diferença seria que esse segundo mostrara muito além de apenas camas e colchões. Nascimento mostrou inúmeras caixas, dizendo que seriam, possivelmente, os respiradores. Em dado momento do seu vídeo, chegou a ler rótulos de uma das caixas, citando serem ali os possíveis respiradores.

Pois bem, o deputado governista pareceu omitir a existência de tais cobiçados aparelhos. O deputado da oposição pareceu expor uma verdade, sem de fato provar.

A ORIGEM

Há duas semanas atrás, profissionais da área de Saúde, atuando na linha de frente no Hospital Estadual Santa Casa de Misericórdia (esses sem revelar seus nomes por medo de retaliações), rechaçaram e declararam recusarem os equipamentos adquiridos pelo Governo do Estado, alegando que os mesmos não servem para o atendimento específico ao Covid-19.

Tais aparelhos que, outrora o Secretário de Saúde e o governador Mauro Mendes, se gabaram pelo baixo valor pago nos equipamentos, oriundos de uma empresa chinesa, atenderiam, segundos os médicos, apenas pacientes de emergência e transporte, porém não Covid-19.

Os profissionais alegaram que, além da ineficiência do modelo Amoul T7 no tratamento do Novo Corona Vírus, poderiam por em riscos a saúde dos profissionais e pacientes devido a sua inadequação.

Daí, pode-se tirar a seguinte conclusão da confusão matinal desta quinta-feira: o secretário Gilberto Figueiredo, levou bronca do governador Mauro Mendes que mandou o mesmo tomar a frente da confusão e se virar em blindar a imagem do Governo; o secretário foi visivelmente irritado dar explicações ‘’sem pé nem cabeça’’ em uma coletiva e chamando a imprensa de ‘’vagabundos que disseminam fake news”.

Paulo Araújo que também usou da referência ”fake news”, ficou em ‘saia justa’ com as exibições in loco do seu colega parlamentar Elizeu Nascimento diante das imagens dos possíveis equipamentos.

Os ‘baratos’ e possíveis respiradores chineses que estariam estocados no ginásio, esses sim, doutor Figueiredo e deputado Paulo, seriam fake news, pois segundo os médicos, não servem para o Covid-19. Seriam então mandados para distantes e longínquas unidades de Saúde do Estado?

Ao menos o dinheiro do povo não será jogado fora. Mas, quanto a pandemia, segue o pandemônio político mato-grossense.

 

 

 

Por Kadu Rachid, diretor do Correio da Semana, publicitário, crítico, analítico & opinativo