Análise Artigos Brasil Comportamento Destaque Opinião Política STF

Opinião – Os antibolsonaristas são a favor do que?

”O presidente Jair Bolsonaro tem com o que se preocupar em 3 inquéritos no STF. Não basta concordar com impeachment, oposições devem concordar mais”, diz Traumann

As várias oposições ao governo Jair Bolsonaro discordam em muita coisa, mas devagar vão formando um consenso de que a única forma de parar a escalada autoritária do presidente é interromper o seu governo. Essa concordância foi causada menos pelos esforços dos oposicionistas do que pela ação do próprio presidente.

As ameaças domingueiras ao Supremo Tribunal Federal e Congresso Nacional, a leniência com as ameaças dos bolsonaristas aos adversários e a interdição do trabalho da mídia teria ficado por isso mesmo não fosse a quase inacreditável combinação de incompetência e má fé com que o presidente e seu ministro da Saúde, general Eduardo Pazzuelo, lidam com a pandemia da covid-19. Da minimização dos efeitos do vírus, passando pelo boicote ao trabalho técnico do Ministério da Saúde até a recente suspeita de manipulação de dados, Bolsonaro entregou para seus adversários o que os políticos chamam de “narrativa”, uma história com começo, meio e fim.

Por esse roteiro, Bolsonaro é um político egocêntrico, incapaz de demonstrar qualquer afeto com as milhares de famílias de mortos e vive num mundo de paranóias. Esse quadro do presidente foi reforçado pelas demissões dos ministros Luiz Mandetta e Sergio Moro e a exibição na TV da reunião ministerial que lembrava os vilões do Asilo Arkham, da série Batman.

Todas as pesquisas depois da divulgação do vídeo mostram a aprovação de Bolsonaro oscilou para baixo (foi de 30% para 28%, segundo o último levantamento DataPoder360), enquanto a rejeição se aproxima da metade dos brasileiros (aumentou de 39% para 44%). Encerrou-se, portanto, o cenário que durava havia 1 ano pelo qual aprovação, reprovação e regular repartiam igualmente a fatia do eleitorado. A curva agora parece ser a de um Bolsonaro francamente minoritário, mas com um núcleo estável, e uma rejeição crescente. A polarização incentivada pelo governo está forçando os eleitores a ter uma opinião. E a tendência é contrária ao presidente.

Com um carimbo na testa do adversário, um apoio sólido na sociedade, as oposições pararam de escrever notas de repúdio e subiram o tom para manifestos genéricos a favor da democracia. Neste domingo, 3 desses líderes –o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e os 2 ex-presidenciáveis Ciro Gomes e Marina Silva– participaram do programa da jornalista Miriam Leitão, da Globonews. Concordaram que tinham muito para falar, mas avançaram pouco. No mesmo horário do programa, algumas milhares de pessoas faziam as primeiras passeatas anti-Bolsonaro, tímidas ainda pelo medo da contaminação do coronavírus.

Mas qual o próximo passo? Se as oposições acreditam ter força para derrubar o presidente eleito há menos de 2 anos, é preciso um plano. As experiências com Collor e Dilma mostram que o processo de impeachment é tenso e só deve ser usado com algum grau de certeza, impossível quando o bloco de deputados do Centrão tem 230 votos. Além do mais há a incógnita do vice, Hamilton Mourão, um general linha dura com poucas diferenças reais com Bolsonaro sobre os limites de atuação do Poder Executivo.

Resta o STF, onde correm 3 inquéritos que podem atingir o presidente. O mais palpitante, presidido por Celso de Mello, investiga a suposta interferência presidencial na Polícia Federal. Depende de uma altamente improvável denuncia do procurador-geral, Augusto Aras, candidato à vaga de Celso de Mello no STF. Os outros 2 (sobre a rede de difamações das fake news e o financiamento de atos pela volta da ditadura) estão com o ministro Alexandre Moraes. É factível supor que as investigações alcancem o filho Carlos Bolsonaro e uma rede de empresários bolsonaristas e sejam apensadas a um processo de cassação da chapa Bolsonaro-Mourão no Tribunal Superior Eleitoral. Mas as oposições realmente confiam que é possível cassar os quase 58 milhões de sufrágios em Bolsonaro pelo voto de 4 ministros do TSE? Porque se a resposta for sim, vão precisar de uma narrativa muito consistente.

As oposições a Bolsonaro são movidas a ódios tão eternos que ninguém sabe quem começou. Estavam aí 40 minutos antes do nada, como o Fla x Flu divisor de águas de Nelson Rodrigues. Mas se (por ordem alfabética) Fernando Haddad, Flavio Dino, Guilherme Boulos, Janaina Paschoal, João Amoêdo, João Doria, Luciano Huck, Rodrigo Maia e Sergio Moro pudessem concordar em 4 ou 5 pontos básicos já seria um início. O respeito às instituições, eleições livres em 2022 e uma coordenação sanitária entre Estados para substituir as maluquices do ministro da saúde já seriam um início. Depois de tanta briga, muitos brasileiros se cansaram de apenas ser contra alguém ou um partido. Querem ser também a ser a favor de algo.

 

 

 

Por Thomas Traumann, 52 anos, é jornalista, consultor de comunicação e autor do livro “O Pior Emprego do Mundo”, sobre ministros da Fazenda e crises econômicas. Trabalhou nas redações da Folha de S. Paulo, Veja e Época, foi diretor das empresas de comunicação corporativa Llorente&Cuenca e FSB, porta-voz e ministro de Comunicação Social do governo Dilma Rousseff e pesquisador de políticas públicas da Fundação Getúlio Vargas (FGV-Dapp).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *