Análise Artigos Brasil Comportamento Cultura Destaque Opinião Racismo Sociedade

Opinião – Antirracismo Inc. e o sabão autossujante

”Assim como Michael Corleone se vê preso à máfia, autora repisa tema do antirracismo que alimenta a própria intolerância”, aponta Schmitt

Hoje eu to que nem o Michael Corleone quando se deu conta que não iria conseguir deixar a máfia e entrar pra legitimidade: “Bem quando eu achava que tava fora, eles me puxam de volta pra dentro”. Foi essa frase me veio à cabeça quando eu fiz uma busca e confirmei que os maiores jornais brasileiros ignoraram o escândalo que colocou o Smithsonian Institution em manchetes no mundo inteiro -menos no Brasil. Em outras palavras, vou ter que voltar ao tema, porque esse caso não pode passar em branco.

O Smithsonian, um dos mais renomados centros de excelência científica do mundo, publicou no seu portal um gráfico entitulado “Falando sobre Raças,” parte do material do Museu Nacional de História e Cultura Afro-Americana, da mesma instituição. Nele são listadas características da “branquitude” e da “cultura dominante branca”. Qualquer pessoa racional e com o mínimo de boa-vontade sentiria constrangimento ao ler aquilo –e não pela maneira como a lista insulta os brancos, ou qualquer um que se considere mais indivíduo do que membro de um bando, mais idiossincrasia infinita do que um amontoado de carne com psicologia pré-determinada. Mas quem é realmente diminuído por aquela lista-do-bem são os negros.

Segundo o gráfico, o apreço pela ciência é “coisa de branco”. Pensamento objetivo e linear também. Brancos são pontuais (fala isso pro meu editor), e acreditam que “o trabalho duro é a chave do sucesso”. Preferir comunicação escrita também é coisa de branco, e agir com polidez é outra característica dessa etnia. Os brancos também possuem uma qualidade crucial para as conquistas profissionais: a capacidade de adiar a gratificação (a tese que associa sucesso à gratificação postergada foi explicada no famoso experimento do marshmallow). Pra resumir, o material faria inveja em Hans Gunther, o eugenista nazista, mas esse tipo de estereótipo está sendo espalhado exatamente pelas pessoas que alegam querer inserir o negro no mercado de trabalho e melhorar suas chances de contratação. Será? Depois de reações de ultraje no mundo todo, o gráfico foi retirado do site, e o Smithsonian fez um pedido público de desculpas.  Mas a lógica racista do gráfico continua aqui.

Se você, branco como eu, não se reconheceu no que parecem ser elogios à sua etnia, espere até ver as características menos lisonjeiras da sua raça: “A mulher é do-lar e subordinada ao marido;” o valor de um indivíduo é determinado pelo seu dinheiro; seu emprego determina quem você é; brancos “respeitam autoridade;” comida sem sabor é melhor; beleza feminina é baseada em “loira, magra, tipo Barbie.” A lista continua, enumerando características que são mais norte-americanas do que “da raça branca”: ser número 1; vencer a qualquer custo; dicotomia vencedor/perdedor.

É de se perguntar quem está por trás desses estereótipos tão danosos que se oficializaram em material de referência de um museu tão relevante, mas a melhor pergunta é “o que” está por trás disso tudo. E parte da resposta é: uma indústria bilionária. E essa indústria só cresce, e propaga preconceitos que acorrentam negros em uma nova escravidão.

Em um longo artigo no New York Times cujo título pergunta se o “treinamento antirracismo funciona”, o autor cita especialistas de consultorias diferentes que defendem exatamente as mesmas ideias do gráfico do Smithsonian, ainda que o museu não faça parte do artigo.

Às vezes, as ideias são defendidas com as mesmas palavras e expressões. Um dos entrevistados é o consultor e coach racial Glenn Singleton, fundador do Corageous Conversation, uma consultoria antirracista. Glenn critica a cultura branca por dar mais valor à “comunicação escrita do que outras formas,” o que prejudicaria negros na escola. Mas ele, o próprio Glenn, não foi prejudicado pela escrita, e deve na verdade dominar o método desenvolvido pelos fenícios há milênios, já que tem diplomas da University of Pennsylvania e Stanford.

Outra característica branca, segundo Glenn, é “o pensamento científico e linear, causa e efeito”. Em outras palavras, Newton. “Tem um grupo de pessoas que são chamadas de os cientistas. É aí que você entra nessa ideia de que, se não estiver codificado em pensamento científico, não é válido”, lamenta Glenn.

Marcus Moore, que trabalha para a mesma consultoria, fez uma lista de características (indesejáveis) da raça branca quase idêntica à do Smithsonian. Para Moore, “a cultura branca é obcecada com o ‘tempo mecânico’ –tempo do relógio– e pune alunos que chegam atrasados”. Isso, diz ele, “é apenas mais um exemplo de como a branquitude prejudica as crianças negras”. Ele também condena a regra que diz que crianças negras e adultos tem que “se dobrar à branquitude em substância, estilo e formato”.

É interessante notar que essa consultoria é de propriedade de um homem que posa para fotos com o que pode ser considerado o símbolo mais branco já inventado pelo capitalismo de cabresto: o terno e a gravata. Eu não falo isso pra dar uma lacrada no Singleton, mas apenas para mostrar que o que ele prega sobre “os pretos” não vale para si mesmo. Ou alguém aqui acha que uma consultoria que existe desde os anos 1990 consegue funcionar sem cumprir horário, ou sem “aquela coisa da cultura branca” conhecida como a palavra escrita?

Outra consultora racial mencionada no NYTimes é Darnisa Amante-Jackson, fundadora do Disruptive Equity Education Project, contratada por redes de escolas públicas em 15 Estados norte-americanos. Ela também criticou o que chamou de “obsessão branca” com a palavra escrita. Mas não são apenas os “negros diferenciados” que estão pregando que negros não conseguem chegar lá. Brancos estão faturando bastante com o Antirracismo Inc. Para Robin DeAngelo, autora do obsceno White Fragility, “racionalismo” é um “critério branco” de contratação e deveria ser reconsiderado. Questionada sobre a lógica dessa teoria, “ela respondeu que se um critério ‘consistentemente resulta’ na exclusão de certas pessoas, então temos que ‘desafiar’ esse critério. ‘É o resultado,’ ela enfatiza; o resultado comprovou o racismo.” Ou seja, Newton estava mesmo errado: a ordem correta das coisas é reação e ação.

Se você acha que tudo isso é muito terra-plana pra ser adotado como norma, prepare-se para se surpreender. Em junho, DeAngelo fez uma palestra remota para 184 deputados democratas norte-americanos. Seu livro Fragilidade Branca chegou ao topo de vendas da Amazon e à lista de best-sellers do New York Times, com mais de 1,6 milhão de cópias vendidas. Seus clientes são empresas como Microsoft, Google, Facebook, Netflix, American Express, Nike –a mesma Nike que agora está sendo alvo de protestos sob acusações de usar trabalho escravo de uighurs na China.

As palestras de DeAngelo são na maioria cobradas – U$ 15 mil por palestra, com tickets que passam de US$ 100 por pessoa. Até a pandemia começar, a autora ministrava de 8 a 10 palestras por mês.

Não existe nada errado em cobrar pelo que se faz ou vende, ao contrário. Mas quem conhece um pouco da lei da oferta e da demanda sabe que, quando a solução é lucrativa, o problema tende a aumentar. Um homem que vende guarda-chuva durante um temporal está sendo apenas oportuno. Ele não cria a chuva repentina que molha os trabalhadores na parada do ônibus, ainda que se beneficie dela. O mesmo não pode ser dito do Antiracismo Inc. De fato, está acontecendo uma versão do que se passou em Constantinopla quando o combate a incêndio foi privatizado e bombeiros eram pagos por fogo combatido: os incêndios aumentaram, alguns deles iniciados pelas mesmas pessoas que os apagavam. (Esse caso é mencionado brevemente no excelente livro The Shadow World, do Andrew Feinstein, sobre o mercado internacional de armas.)

A indústria da diversidade racial já é estimada em mais de US$ 8 bilhões, mas não existe até agora nenhuma estatística sugerindo que ela esteja diminuindo o racismo, ao contrário. Mas essa indústria está sim conseguindo um resultado: espalhar o medo do outro, principalmente o medo de ofender, e o medo de ser acusado de racista. O que será que, no longo prazo, isso vai fazer com as chances de inserção do negro num mercado que já não lhe dá as mesmas oportunidades que concede a brancos?

Se você tem dúvida que esse medo está se espalhando e tornando relações interraciais cada vez mais –e não menos– impossíveis, aqui vai outra coisa que não vi comentada na imprensa brasileira, mas que também deve chegar junto com a nuvem de gafanhoto: o teste racial de associação implícita, desenvolvido pela Universidade Harvard e obrigatório para a contratação de novos empregados em várias empresas norte-americanas.

O teste é aplicado de forma tão frequente nos EUA que sites foram criados para ensinar como burlá-lo. Mas nem precisaria do teste pra saber se somos ou não racistas: a resposta é sim, e não poderia ser diferente, porque essa é uma teoria circular em que a pergunta responde a si mesma. E enquanto o Antirracismo Inc. continuar a existir, seremos todos racistas.

Esse gráfico abaixo, feito como brincadeira por alguém que eu infelizmente não consegui identificar, é um retrato triste e acurado da realidade que está sendo criada: qualquer coisa que você faça pode acabar sendo qualificada como racismo. Se uma pessoa branca se muda do seu bairro, é medo de negros; se ela vem para um bairro novo, é gentrificação. Se uma pessoa branca “vê cor”, ela é racista. Se ela não vê cor, ela ignora o racismo. Se o branco não participa de cultura diversa, ele é excludente; mas se ele participa, ele está fazendo apropriação cultural. É fácil adivinhar qual será o provável resultado de tudo isso. Harmonia e amor entre as etnias? Improvável. O mais provável: desconfiança e segregação.

 

 

 

 

Por Paula Schmitt é jornalista, escritora e tem mestrado em ciências políticas e estudos do Oriente Médio pela Universidade Americana de Beirute. É autora do livro de ficção “Eudemonia” e do de não-ficção “Spies”. Venceu o Prêmio Bandeirantes de Radiojornalismo, foi correspondente no Oriente Médio para o SBT e Radio France e foi colunista de política dos jornais Folha de S.Paulo e Estado de S.Paulo. Publicou reportagens e artigos na Rolling Stone, Vogue Homem e 971mag, entre outros veículos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *