Opinião – Capitalismo Mad Max

Uma análise sobre ‘Capitalism, Alone’, livro escrito por Branko Milanovic onde ele sustenta que o sistema capitalista funciona hoje sem rivais Não, eles não entendem. Terminei de ler, há pouco tempo, o bom “Capitalism, Alone”, livro publicado pelo ex-economista-chefe do Banco Mundial, Branko Milanovic. A obra discute os diferentes modelos de capitalismo, representados, de forma típica, por …

17/08/2020 00:28



Uma análise sobre ‘Capitalism, Alone’, livro escrito por Branko Milanovic onde ele sustenta que o sistema capitalista funciona hoje sem rivais

Não, eles não entendem.

Terminei de ler, há pouco tempo, o bom “Capitalism, Alone”, livro publicado pelo ex-economista-chefe do Banco Mundial, Branko Milanovic. A obra discute os diferentes modelos de capitalismo, representados, de forma típica, por Estados Unidos e China e não se exime de discutir os mecanismos intrínsecos de concentração de renda do modelo americano e a corrupção no país asiático.

Milanovic transpira uma visão relativamente otimista, que assume uma possível convergência de renda entre países pobres e ricos, na medida em que os primeiros vão se incorporando no novo jogo da globalização. Um futuro glorioso.

O único risco existencial à humanidade enxergado pelo autor é o de uma guerra nuclear entre países bullies. Mas, mesmo assim, o capitalismo teria chance de se salvar, pois hoje o conhecimento e o capital estão disseminados em cadeias de produção globais. Em outras palavras, sempre haveria um backup em regiões mais atrasadas, como a nossa América Latina.

Limites planetários ao crescimento? Dois parágrafos são suficientes para mostrar que isso seria uma bobagem, pois a tecnologia sempre foi capaz de desafiar essas restrições com sucesso e, em rigor, nós não estamos presos em um planeta finito, mas em um universo praticamente ilimitado (bora buscar lítio em Marte…).

O livro infelizmente reflete uma visão bastante comum e equivocada que existe no modelo mental de muitos influenciadores de políticas públicas e papagaios de ideologias.

Primeiro, porque incorre em non sequitur –a falácia na qual a conclusão não decorre das premissas. Se a premissa é verdadeira (sim, até hoje sempre conseguimos vencer as restrições com o uso da tecnologia), a conclusão de que isso vai continuar para sempre e de que não há, na prática, limites planetários é bastante descabida.

É um ponto de vista que se mantém desde as críticas ao famoso “Limits to Growth”, de 1972, um livro muito malhado por quem nunca o leu.

O modelo do Limits incorporava, sim, o papel dos avanços tecnológicos para superar as restrições que a atividade humana vai enfrentando conforme a economia mundial cresce. Críticos, porém, se aferraram no parâmetro que refletia o estoque disponível de certos materiais no planeta, como o ferro, que poderia acabar em pouco tempo. Daí foi um triplo mortal carpado para a conclusão de que o modelo estaria errado.

Mas os próprios autores do Limits consideraram outros cenários com muito mais abundância de materiais e até com a possibilidade de reciclagem total das matérias-primas que a nossa civilização requer. E nada disso muda a trajetória do sistema planetário. Acompanhe.
Quanto desaforo o planeta aguenta?

O comportamento de qualquer sistema complexo (como uma economia nacional) depende dos objetivos que esse sistema busca, dos longos atrasos temporais na manifestação dos fenômenos e da natureza não linear das relações entre as partes. Parece abstrato, mas a ideia já vai ficar clara.

A análise do nosso sistema planetário mostra um perfil bem definido: ele está estruturado para buscar crescimento exponencial no consumo dos recursos (como oceanos, florestas e a terra agriculturável) sem se preocupar com sua capacidade de regeneração e sem mecanismos robustos para captar os sinais de problemas e responder a eles a tempo.

A questão é que todo sistema com esse perfil inevitavelmente colapsa, geralmente de forma dolorida, porque os sinais de ultrapassagem dos limites (o chamado overshoot) chegam com muito ruído (em boa parte, proposital) e atraso, enquanto os próprios limites vão sendo erodidos.
Sem dúvida, a tecnologia ajuda a vencer muitas das restrições, mas não é mágica e tem suas próprias limitações, como o longo tempo de maturação. Além disso, em se tratando de sociedades humanas, cria-se um enorme problema de ação coletiva, dificílimo de ser contornado. Essa é a essência da conta que estamos sendo chamados a pagar com a emergência climática.

Assim, pouco importa quando ferro existe no planeta ou, para considerar o novo petróleo (o lítio), quantas Bolívias há disponíveis para fornecer a alma de carros elétricos e smartphones.

Ironicamente, reconhecemos fenômenos como overshoot e limites ao crescimento quando se trata de bolhas imobiliárias, câncer ou coronavírus (em que o limite é o estoque de pessoas suscetíveis), mas, quando se trata da macroeconomia ou de grandes discussões econômicas, parece que tudo paira em um vácuo abstrato.

O problema maior com a visão requentada por Milanovic é, na sua essência, a tremenda ignorância em relação à entropia. Críticos concentram-se em uma falsa polêmica sobre a origem dos recursos e esquecem-se de que existem ralos e tapetes para debaixo de onde varremos os resíduos do que consumimos – plástico, metais pesados, agrotóxicos e, em especial, gases do efeito-estufa. E que isso realimenta o sistema de forma não linear, criando círculos viciosos difíceis de quebrar.

Abstrato? Há 3 anos chegamos a 1°C de aquecimento global. O perigoso aumento de 1,5° C já está ali na esquina. Quanto desaforo você acredita que oceanos, florestas, plantações de alimentos e o corpo humano ainda aguentam?

Em resumo, não é racional promover uma narrativa que ignora as lições básicas da complexidade. Nisso, Milanovic errou feio. Não se trata de ser contra o capitalismo (eu certamente não sou), mas de reconhecer seus limites verdadeiros para fugir de um cada vez mais provável cenário Mad Max nas próximas décadas.

 

 

 

 

Por Hamilton Carvalho, 48 anos, estuda problemas sociais complexos. É doutor em Administração pela FEA-USP, mestre em Administração pela mesma instituição, membro da System Dynamics Society e da Behavioral Science & Policy Association