Editorial – Otaviano Pivetta desiste do senado para não deixar o ”rei nú”

”Mais que ontem e menos que amanhã, Pivetta está seguro de que tem feito os sinais certos, no momento certo e recebendo na mesma proporção ou mais que tem dado” O tabuleiro político de Mato Grosso para as eleições, especialmente a suplementar para vaga dos nobres senadores da República, está mais confuso para os leigos …

02/09/2020 17:50



”Mais que ontem e menos que amanhã, Pivetta está seguro de que tem feito os sinais certos, no momento certo e recebendo na mesma proporção ou mais que tem dado”

O tabuleiro político de Mato Grosso para as eleições, especialmente a suplementar para vaga dos nobres senadores da República, está mais confuso para os leigos e mais sensato para os antenados.

Os Democratas são, ou deveriam ser, as ”noivas”. Porém, ”uma delas” está fazendo pirraça na gestão. Uma outra anda dando xilique em inauguração de praça. Ou seja, estão mal faladas nas bocas dos ”maridos” de plantões. Com isso, o vice-governador, Otaviano Pivetta (PDT) ficaria livre para seguir rumo à Brasília. Porém, mais uma vez, posterga seus passos na vida pública. Quem o conhece ou acompanha sua trilha, diria que Pivetta deu um passo para trás para dar dois para frente. Quem duvida?

Mauro Mendes (DEM) um fardo de chumbo (negativo) para qualquer nome que se arrisque estar ao seu lado, piorou se for para apoio político, resolve ”cantar” o vice, para não correr de risco de ouvir ”o rei está nú” politicamente falando. Oras, Pivetta bem cotado para a vaga no Congresso, com alianças fortes e independente, sólido financeiramente, discreto como gestor, o qual não recebeu nenhum ‘estilhaço’ do titular até o momento. Isso sem considerar o sorriso cativante, a simpatia ímpar e ao mesmo tempo, um semblante que passa seriedade e compromisso com as palavras proferidas.

O governador agiu rápido em convencer o então, independente e promissor vice, a desistir da disputa na eleição ao senado, vaga esta que possivelmente poderia ser conquistada nas urnas. Ciente de suas rusgas com a classe que detém 1/3 ou mais dos votos do Estado – servidores estaduais – Mendes precisa de um interlocutor com credibilidade, sério e com referências positivas para manter os pilares da gestão ainda de pé.

Otaviano Pivetta por sua vez, um homem que além dos adjetivos já citados acima, vai além e se mostra misericordioso com o titular e, solidariamente atende o seu pedido.

Misericórdia e solidariedade essas que, sem dúvida nenhuma serão cobradas em 2022, seja pelo próprio Pivetta para com Mendes, seja da classe dos servidores públicos de Mato Grosso.

Será que o vice duvida dessa cobrança? E você, leitor? Duvida dessa cobrança do Pivetta com o Mendes?

O jogo segue sendo jogado. Uns mais pacientes. Outros ainda mais ansiosos e nervosos. Mas algo ambos tem em comum: O prazo de validade já está carimbado na sola do sapato, uns com mais, outros com menos dias na política.