Opinião – Incêndio é sinônimo de tragédia para o agricultor

”O Ministério do Desenvolvimento Regional reconheceu a situação de emergência em Mato Grosso em decorrência dos incêndios que atingem o Pantanal: criminosos não são agricultores” A descrição, retirada de uma matéria publicada no Estadão, se refere à Califórnia (EUA). Poderia igualmente servir ao Pantanal brasileiro. Ambas as regiões ardem em chamas jamais vistas. A terrível situação …

22/09/2020 12:47



”O Ministério do Desenvolvimento Regional reconheceu a situação de emergência em Mato Grosso em decorrência dos incêndios que atingem o Pantanal: criminosos não são agricultores”

A descrição, retirada de uma matéria publicada no Estadão, se refere à Califórnia (EUA). Poderia igualmente servir ao Pantanal brasileiro. Ambas as regiões ardem em chamas jamais vistas.

A terrível situação pode, desgraçadamente, ser generalizada para todo o interior do país. De São Paulo à Goiás, do Paraná ao Mato Grosso, de Minas Gerais à Bahia, a longa estiagem e a baixa umidade relativa do ar, misturadas ao elevado calor, deixaram a vegetação seca e inflamável.

Um verão escaldante gerou condições de seca nunca vistas. A aridez ajudou a fazer dos incêndios os maiores já registrados

Pastagens e lavouras estão sendo destruídas juntamente com as áreas de preservação permanente, nas beiradas de brejos e córregos. Os produtores rurais se angustiam vendo as labaredas se aproximar de sua fazenda. Incêndios são sinônimos de tragédia para o agricultor.

Mas, de onde vem o fogo?

A circunstância mais comum se relaciona com as rodovias. Pobres andarilhos descuidados, bitucas de cigarro atiradas por motoristas, um fósforo proposital para limpar a beirada do mato, casos variados fazem, a partir das estradas, o fogaréu lamber os campos.

Noutras vezes, sitiantes varrem um lixo, fazem uma limpeza no terreno, e ao queimar os detritos perdem o controle do fogo, que se espalha pela redondeza. Existem, ainda, pendengas trabalhistas, ou rusgas políticas, levando pessoas raivosas, por retaliação, a tocar fogo em canaviais ou pastagens. Involuntários ou intencionais, criminosos ou inocentes, a grande maioria dos incêndios não tem sua origem relacionada com a produção agropecuária.

Sim, há pecuaristas que, ainda, deliberadamente queimam as pastagens durante o período seco, visando limpá-las da infestação de mato ou de pragas, como carrapatos e cigarrinhas. A prática tradicional tenta assim regenerar a gramínea na chegada das chuvas. Comum no passado, a moderna pecuária não mais aceita a queimada de pastagens. Salvo como exceção.

O problema não reside, propriamente, no fogo. Todos sabem que os índios são contumazes na prática da coivara, ou seja, derrubada da mata seguida de queima para preparar o plantio. Bem manejado, controlado, o fogo não se torna prejudicial.

Na Califórnia, a técnica do fogo controlado vem sendo proposta, paradoxalmente, no combate de incêndios florestais. É muito interessante. Eu conheci essa ideia ao visitar o magnífico Parque de Yosemite. As pesquisas mostram que, a cada período de tempo, entre 5 a 10 anos, quando queimado um talhão, reduz-se a quantidade de serapilheira (galhos e folhas), caída entre as árvores. Ao rebaixar a massa de vegetação morta, no chamado sub-bosque, elimina-se o “combustível” dos grandes incêndios.

Os pesquisadores se basearam no conhecimento ecológico das florestas originais. Na natureza, por milhares de anos, os incêndios, embora recorrentes, não impediram a formação dos ricos ecossistemas que abrigam sequoias e outras lindezas da Sierra Nevada e alhures. O fogo ainda beneficia por escarificar certas sementes, facilitando a germinação de espécies florestais. Para entender melhor esse assunto veja o artigo de Valerie Trouet, professora de dendrocronologia na Universidade do Arizona.

É um mito achar que o fogo é antiecológico. Errado está em realizar queimadas fora de época, ou as tornar constantes ou, pior ainda, permitir seu alastramento, gerando incontroláveis incêndios. É o que se verifica agora no Pantanal. Rebanhos de gado e animais silvestres, onças inclusive, estão morrendo nas labaredas que não cessam. Só a chuva abundante as apagará.

A Polícia Federal investiga acusação contra fazendeiros na região de Corumbá, que teriam queimado suas pastagens, em uma área de 25 mil hectares, sem tomar os devidos cuidados, como abrir aceiros, para delimitar o perímetro a ser controlado. Resultado: o fogo saltou e já devastou 805 mil hectares, destruindo quase todo o Pantanal. Se for comprovado, é crime indiscutível.

Criminosos, porém, não podem ser confundidos com pecuaristas nem com agricultores. Nem os bandidos que roubam toras na Amazônia, nem aqueles que incendiam o Pantanal, são produtores rurais.

No máximo, são gigolôs da terra.

 

 

 

 

Por Xico Graziano, 67, é engenheiro agrônomo e doutor em Administração. Foi deputado federal pelo PSDB e integrou o governo de São Paulo. É professor de MBA da FGV e sócio-diretor da e-PoliticsGraziano.