Opinião – Brasil precisa se conectar com agenda da bioeconomia

”Celebra-se hoje o Dia da Amazônia. Data deve relembrar dever coletivo. Amazônia enfrenta queimadas, garimpos ilegais e desmatamento”, apontam autores Hoje o Brasil celebra o Dia da Amazônia. Mas os motivos para comemorar, que são muitos, ofuscam-se em meio à fumaça e à poeira das ilegalidades praticadas na maior floresta tropical do mundo. Seja por sua …

24/09/2020 00:28



”Celebra-se hoje o Dia da Amazônia. Data deve relembrar dever coletivo. Amazônia enfrenta queimadas, garimpos ilegais e desmatamento”, apontam autores

Hoje o Brasil celebra o Dia da Amazônia. Mas os motivos para comemorar, que são muitos, ofuscam-se em meio à fumaça e à poeira das ilegalidades praticadas na maior floresta tropical do mundo. Seja por sua importância ambiental, seja por seu potencial para o desenvolvimento verde em nosso país, seja, infelizmente, por causa da tragédia que nela se registra, a Amazônia tem de ocupar o nosso dia a dia.

Aproveitemos esta data especial para refletir um pouco mais sobre este patrimônio cujos destinos tanto têm afligido aqueles que se ocupam e se preocupam com a sustentabilidade.

Neste bioma, que cobre 60% do seu território, o Brasil vem registrando uma das maiores taxas de desmatamento do mundo. Esse cenário nacional está na contraposição a uma situação global de ampliação de foco na questão ambiental. Movimento que não é moda nem tendência, mas simplesmente a nova dinâmica dos negócios internacionais. O consumidor e cidadão quer saber a origem do produto, busca rastreabilidade e responsabilidades sociais e ambientais na hora de escolher o que comprar.

Cada vez mais, a repercussão das ilegalidades que afetam a Amazônia arranha a imagem do Brasil internacionalmente. Em Davos, no começo do ano, o meio ambiente foi um dos eixos do Fórum Econômico Mundial. A Amazônia colocou-se como uma das preocupações do encontro, quando ficaram explícitos os ruídos do país junto ao mercado financeiro internacional exatamente por essa questão.

E isso é um fato bastante relevante, pois há dinheiro no mundo para investimentos, mas os gestores ampliaram o foco nas preocupações em compromissos socioambientais de onde pretendem colocar seus recursos. Quem não se conecta à nova agenda ambiental global perde mercados no exterior e acesso a crédito.

No último ano, tivemos um fato positivo, a recriação do Conselho Nacional da Amazônia Legal, que passou a ser coordenado pelo vice-presidente da República, Hamilton Mourão, mas as ações ainda estão muito lentas e nem sempre encontram convergência dentro do próprio governo.

Temos a urgência de combater eficazmente o aumento de desmatamento, queimadas, garimpos e grilagem ilegais. E a sociedade civil está se mobilizando por esse propósito. Como exemplo, participamos da criação do Movimento Empresarial, ação inédita por meio da qual CEOs das mais importantes empresas com atuação no Brasil expuseram suas preocupações com a questão da Amazônia e se dispuseram a estabelecer de maneira colaborativa diálogo pela busca de soluções.

Esse movimento já está com mais de 70 CEOs envolvidos e esteve com as principais autoridades institucionais do país. Além disso, vimos a manifestação de 29 fundos de investimento que administram mais de US$ 4 trilhões ao enviarem carta aberta a 8 embaixadas brasileiras na Europa, no Japão e nos Estados Unidos, pedindo uma reunião para discutir o desmatamento na Amazônia.

Está claro que o Brasil precisa ser atuante nessa nova agenda mundial de mudanças climáticas e preservação da biodiversidade. E o setor produtivo acredita que é possível produzir com sustentabilidade e que os danos de imagem sofridos pelo Brasil até o momento podem ser revertidos. Mas isso passa por respostas rápidas com relação ao combate das ilegalidades, em prol da preservação da floresta e da melhoria de vida da população local.

Além de não ter concorrentes em tamanho e biodiversidade no mundo, a Amazônia é o lar de cerca de 25 milhões de brasileiros, que suportam toda sorte de indignidades e abandonos, com uma parte vivendo abaixo da linha da pobreza. Um olhar atento à região precisa contemplar preservação de recursos naturais, geração de renda, meta de desenvolvimento de IDH e busca pelo equilíbrio entre a cultura regional e os avanços tecnológicos e científicos. Importante registrar que no contexto dessa população estão também os povos tradicionais, entre eles, os povos indígenas, que são a origem do nosso país.

Cuidar das populações locais e bem manejar os ativos econômicos e naturais é do interesse dos brasileiros. A floresta já tem inúmeros benefícios para a economia nacional, entre eles os serviços ambientais que ajudam na competitividade da agricultura com os regimes de chuvas, o equilíbrio térmico e a fertilidade do solo, permitindo em muitas culturas até 3 safras por ano.

Outra riqueza potencial da floresta em pé pode vir junto com os mecanismos de crédito de carbono, que já são realidade fora do Brasil. Vários países e estados subnacionais estão implementando alguma forma de precificação de carbono, incluindo China, México, Colômbia e a Califórnia (EUA). Estima-se que essas iniciativas movimentaram US$ 82 bilhões em 2018. O Cebds (Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável) calcula que os “créditos de carbono” oriundos da preservação da Amazônia poderiam gerar US$ 10 bilhões ao ano para o Brasil.

A regulação desse mercado, em caráter global, é uma das premissas do Acordo de Paris, do qual o Brasil é signatário. A expectativa é que na COP26, em Glasgow, sejam discutidos pontos fundamentais para esse acordo, inclusive o artigo 6 de definição de mercados de carbono. Já no país, a estruturação desse mercado é discutida pelo Ministério da Economia e Banco Mundial, em um estudo em andamento, chamado PMR (Partnership for Market Readiness).

Precisamos atuar para acelerar esse projeto, nacional e globalmente, tendo em vista o potencial que ele tem para a transformação do país. Para o agro brasileiro, esta poderia ser a oportunidade da mais uma safra –além das colheitas da produção, uma nova colheita de créditos de carbono. É interesse ambiental, agrícola, industrial e social. É interesse do Brasil, é interesse dos brasileiros.

Até agora, com benefícios para poucos e a um inominável custo, um ativo ambiental extremamente valioso está sendo transformado em cenário de destruição e, consequentemente, numa fonte de crise de credibilidade internacional. Mas já passou da hora de darmos um basta. Por isso, engrossamos o coro e repetimos: é preciso o combate inflexível e abrangente aos crimes e desmandos ambientais, na Amazônia e nos demais biomas brasileiros.

Nesse caminho, também devemos buscar a minimização do impacto ambiental no uso dos recursos naturais, com eficiência e produtividade nas atividades econômicas daí derivadas; a valorização e preservação da biodiversidade como parte integral das estratégias empresariais; a adoção de mecanismos de negociação de créditos de carbono; o direcionamento de financiamentos e investimentos para uma economia circular e de baixo carbono; e a oferta de pacotes de incentivos para a recuperação econômica dos efeitos da pandemia da covid-19 condicionada a uma economia circular e de baixo carbono.

Mais que reafirmar a alegria e o orgulho de abrigarmos em nosso território um tesouro verde crucial para o desenvolvimento sustentável e a preservação da vida em todo o mundo, que este dia possa despertar nossas consciências e corações para um dever de casa cotidiano de todas as brasileiras e brasileiros: cuidar da Amazônia e de seus habitantes. Por cada um de nós, por todos nós, pelo Brasil, pelo planeta Terra, hoje e amanhã.

 

 

 

 

Por Paulo Hartung, capixaba de Guaçuí, Paulo Cesar Hartung Gomes, 62 anos, é formado em economia pela Universidade Federal do Espírito Santo. Foi deputado estadual por 2 mandatos, deputado federal, prefeito de Vitória, senador e governador do Espírito Santo.

 

 

Por Marcello Brito, 56 anos, engenheiro alimentar pela UNIFEB de Barretos/SP. Especialista em Responsabilidade Social e o terceiro setor pela Fundação Instituto de Administração, MBA em Comércio Internacional pela FIA/USP e mestrado em Estratégica de Administração, Ciência e Gestão do Comércio Internacional pelo Instituto de Administração e Economia da Universidade Pierre Mendes em Grenoble – França, entre diversos outros cursos e especializações em âmbito nacional e internacional. Atua no setor de óleos vegetais há mais de 30 anos, sendo 27 anos como Diretor Executivo da Agropalma e em 2019 assumiu o cargo de Presidente do Conselho Diretor da ABAG – Associação Brasileira do Agronegócio.