Opinião – A teoria da conspiração ambiental não colou

Queimadas no Pantanal ameaçam o bioma em 2020: ”Bolsonaro tenta repetir discurso, mas os fatos continuam teimosos”, aponta Traumann

29/09/2020 10:58



O presidente Jair Bolsonaro venceu a guerra das narrativas da covid-19 com a estratégia de negar as evidências científicas, mostrar empatia com os problemas econômicos e se fazer de vítima de uma campanha de opositores.

Quando as queimadas avançaram sobre o Pantanal, depois de satélites apontarem o 2º ano consecutivo de desmatamento recorde na Amazônia, o governo Bolsonaro repetiu a dose. Negou as evidências colhidas pelo Inpe e pela Nasa, defendeu os interesses de garimpeiros e grileiros, acusou índios e militantes de ONGs de atearem fogo na mata e, por último, denunciou uma conspiração internacional contra o presidente.

Alardeiam publicamente que nada foi feito pelo governo federal, esse é um dos pontos focais desse problema, não podemos admitir e incentivar que nações, entidades e personalidades estrangeiras, sem passado que lhes dê autoridade moral para nos criticar, tenham sucesso em seu objetivo principal, obviamente oculto mas evidente, que é prejudicar o Brasil e derrubar o governo Bolsonaro”, disse o general Augusto Heleno, chefe do serviço secreto brasileiro.

Só que dessa vez não está funcionando. As imagens de animais mortos queimados, os vídeos de agricultores ateando fogo às gargalhadas, a fumaça que quase impediu o avião presidencial de pousar no Mato Grosso são fortes demais para serem apagadas por uma teoria de conspiração.

Não adianta Bolsonaro discursar na abertura da Assembleia da ONU se colocando como um líder preocupado com a preservação ou culpando a Europa pela imagem negativa do Brasil. Foi Angela Merkel quem nomeou o pior ministro do meio ambiente da história? Foi Emmanuel Macron que incentivou garimpeiros e grileiros a invadirem terras indígenas e florestas nacionais? Foi a adolescente Greta Thunberg  que desmantelou os órgãos de fiscalização ambiental?

Fatos são teimosos. Um presidente pode negar, negar e negar de novo, mas nenhuma xenofobia de print de WhatsApp faz crescer um mísero pé de angelim vermelho. Os brasileiros em 2022 podem ir às urnas e decidir que não se importam, mas isso não apaga as consequências das queimadas e do desmatamento incentivadas por Bolsonaro. O descaso deste governo ao meio ambiente será pago por todos, não só os brasileiros. Não tem narrativa que mude isso.

 

 

 

 

Por Thomas Traumann, 53 anos, é jornalista, consultor de comunicação e autor do livro “O Pior Emprego do Mundo”, sobre ministros da Fazenda e crises econômicas. Trabalhou nas redações da Folha de S. Paulo, Veja e Época, foi diretor das empresas de comunicação corporativa Llorente&Cuenca e FSB, porta-voz e ministro de Comunicação Social do governo Dilma Rousseff e pesquisador de políticas públicas da Fundação Getúlio Vargas (FGV-Dapp).