Opinião: Melhorando o modelo de desenvolvimento econômico de um país

Em resposta a Xico Graziano, Luis Piemonte defende participação do Estado

05/10/2020 13:19



APlantação de soja em Goiás: ”agropecuária tecnológica dinamiza e multiplica a renda de vários setores econômicos”, diz Piemonte

Em complemento ao artigo que publiquei, sobre as possibilidades de ajustar o modelo de desenvolvimento econômico local a realidade competitiva do mundo, gostaria de compartilhar uma sugestão de como planejar e executar uma mudança deste tipo. A forma que descrevo se baseia nos conhecimentos que adquiri ao participar de programas de transferência de tecnologia entre Alemanha e Japão durante as décadas de 1960 e 1970, que me permitiram aprender como um país deve se planejar para ser exitoso na economia internacional.

Antes de me aprofundar no conceito, tomando conhecimento de que houve contestação de algumas afirmações que fiz pelo articulista Xico Graziano, preciso reafirmar que, se por um lado o agronegócio faz parte do ramo das commodities –com todas as suas vantagens e desvantagens conhecidas no mundo–,  por outro considero o segmento extremamente importante e estratégico para a economia de um país. É importante ainda destacar que o setor é vital em situações especiais, incluindo guerras, conflitos, crises internacionais, pandemias, etc.

Desta forma, relembro as colocações feitas: “O problema não é ter como objetivo desenvolver o negócio agropecuário, mas ter apenas o propósito de desenvolver o negócio agropecuário. Não significa que a atividade agropecuária tenha de ser diminuída ou desprezada. Pelo contrário, ela deve ser expandida e modernizada tanto quanto possível”.

Entendo que o articulista defende interesses pessoais e mostra desconhecimento dos problemas derivados do alto índice de desigualdade social existente. Porém, qualquer pessoa deve compreender que na relação internacional de trocas, que é o que traz divisas para o país, o valor agregado de um produto para o comprador também aumenta o preço do mesmo. E um grão de soja foi e sempre será um grão de soja. Ele não consegue aumentar seu valor agregado para o comprador. Totalmente diferente do que ocorre com uma nova vacina, um telefone celular, um robô ou um programa de software, por exemplo. Por conta disso, nas relações de troca se terá de entregar mais soja a cada ano para trocar por produtos que evoluem.

Além do mais, os preços da maioria dos produtos commodities não são decididos pelos produtores. Eles são formados internacionalmente sem a participação deles, o que torna o negócio dependente. Atualmente, existe uma forte demanda por produtos agrícolas originadas pelos países superpovoados do planeta, principalmente da China. No entanto, informações emitidas pelo próprio país informam a existência de um programa em curso para reduzir suas importações de commodities. Além disso, a nação asiática teve que aumentar suas compras desses itens dos Estados Unidos por questões políticas. Do ponto de vista da continuidade da demanda, ninguém pode assegurar que a China continuará a comprar produtos agrícolas a vida toda como ocorre atualmente.

Mas o meu grande objetivo é mudar o país para melhor –uma transformação que requer planejamento de médio e longo prazo–, não o de desprezar o agronegócio. Portanto, tenho certeza que é impossível desenvolver uma nação sem uma preparação organizada para o futuro.

Para ilustrar como estamos defasados, o Brasil é o único país listado entre as dez maiores economias do mundo que não conta com uma marca própria de automóveis. E se alguém pergunta por produtos aqui fabricados e respeitados no mundo (fora as commodities), é difícil encontrar mais de uma ou duas respostas.

COMO CONSTRUIR UM MODELO MAIS COMPETITIVO INTERNACIONALMENTE?

Para contribuir com a evolução positiva da nossa sociedade, compartilho aqui os princípios básicos que compõem uma sugestão de modificação do modelo de desenvolvimento atual brasileiro. O objetivo principal é expandir o modelo econômico em prática atualmente, incorporando outros itens de maior valor agregado e melhorando o perfil produtivo do país. Esta tarefa deveria ser iniciada pelo governo de turno, mas também continuada numa visão de projeto de estado e não de governo. Na figura seguinte mostro exemplos desta proposta:

As setas mostram, na coluna da direita, uma sugestão de participação dos diferentes perfis de negócio para um modelo futuro mais diversificado e de maior valor agregado. Não significa que os negócios atuais tradicionais, de baixo valor agregado, diminuam. Pelo contrário, eles devem continuamente aumentar, dentro das possibilidades dos mercados internacionais. No entanto, o que precisa acontecer é que, no total, os outros dois segmentos cresçam em sua participação percentual para se alcançar os objetivos acima mencionados.

Entendo que a melhoria do modelo de desenvolvimento econômico deve ser realizada em forma de um projeto que envolva toda a sociedade, dentro de um processo conduzido por uma entidade mista, que inclua governo, empresariado nacional e comunidade universitária. Contudo, em nossa região os “lobbies” são extremamente fortes e, naturalmente, iniciativas como a sugerida aqui não serão do agrado das indústrias multinacionais estabelecidas.

No entanto, o único caminho que leva ao sucesso é aquele em que, pelo menos num período de tempo inicial, concentra seus esforços no desenvolvimento de industrias e conhecimentos nacionais. Nenhum dos países chamados desenvolvidos apresenta um cenário onde praticamente a totalidade dos produtos e serviços de médio e alto valor agregado estão em mãos de empresas estrangeiras, como é o que acontece na parte do mundo menos desenvolvida.

Para quem possa ter dúvidas sobre este caminho e tenha ouvido “conselhos”, recomendando a participação do capital internacional neste tipo de empreendimento, é bom estudar como o Japão, a Coreia do Sul e, atualmente a China, conseguiram desenvolver competências próprias em importantes setores industriais. Foi utilizando prioritariamente seus recursos humanos internos no desenvolvimento, e não derivando a tarefa para outros.

Pode se observar que falamos em recursos humanos. Para a obtenção de recursos materiais, existem sempre alternativas suficientes. Já o conhecimento somente se consegue por meio da preparação e aperfeiçoamento de pessoas. Para qualquer país que busque o seu desenvolvimento, não existe outro caminho. Por conta disso, a necessidade de educação é um requisito básico.

Para exemplificar melhor, na estrutura do modelo que proponho, entendemos necessária a participação de dois atores principais. Primeiro um órgão gestor, de preferência uma organização mista com representação do governo, indústria nacional, universidade e comunidade científica.

O segundo ator seria as unidades de desenvolvimento, uma indústria nacional responsável por um projeto, com o suporte de uma universidade específica. Cada unidade seria responsável pelo desenvolvimento de um negócio/produto específico selecionado conforme os interesses do país. Os recursos humanos seriam compartilhados entre a empresa e a universidade. E a participação da equipe universitária selecionada (professores e alunos) poderia ser um componente prático incorporado ao programa oficial de ensino para profissionais e alunos distinguidos.

Já os custos para alocação dos colaboradores e da infraestrutura necessária para o desenvolvimento fariam parte dos investimentos da empresa. O estado participaria na implantação do negócio, através de concessões tributárias durante um período de tempo pré-fixado, no desenvolvimento e após a implementação do negócio.

Todas estas questões precisam ser discutidas e aperfeiçoadas abertamente, incluindo a seleção da empresa interessada em desenvolver certo negócio. Na prática, a implementação de um modelo de desenvolvimento mais favorável para o país pode ser dividida em três fases:

  1. Identificar e definir
    A primeira etapa é debater e identificar quais as melhores alternativas de investimento em negócios de médio e alto valor agregado, perante o ponto de vista do crescimento econômico e social para o país, capazes de serem implementadas com diferenciais competitivos permanentemente em um futuro de curto e médio prazo. Nesta etapa devem participar os melhores especialistas nacionais, assim como internacionais, tal como aconteceu no Japão com a ajuda de Joseph Juran (especialista romeno radicado nos Estados Unidos) no assunto qualidade; ou recentemente com a contribuição que o Prêmio Nobel de Economia (2001), Joseph Stiglitz, prestou a Argentina no refinanciamento de sua dívida.
  2. Planejar
    O planejamento precisa definir os objetos dos projetos, identificar e selecionar as empresas interessadas e as universidades mais qualificadas para participar. Todas as etapas necessárias até a implantação efetiva devem ser arquitetadas, assim como os mecanismos financeiros que serão aplicados e os sistemas de controle dos projetos.
  3. Implementar
    O objetivo aqui é iniciar os projetos por cada uma das empresas selecionadas. Os prazos de execução serão diferentes em função da complexidade do produto ou serviço escolhido, dependendo de acordo entre a organização gestora e a unidade de desenvolvimento.

CONCLUSÃO

Os benefícios de um país desenvolver de forma continuam o planejamento das suas atividades são a melhoria de sua participação nos negócios globais, a geração de melhores empregos e o aprimoramento do nível educacional. Como consequência, teríamos melhor qualidade de vida e a diminuição das desigualdades sociais.

 

 

 

 

Por Luis Piemonte, 78 anos, teve carreira de quase 50 anos como executivo de multinacionais nas áreas de melhorias de desempenho e produtividade, além de 20 anos como professor da FGV (Fundação Getúlio Vargas). É autor do livro “É possível construir uma sociedade mais justa”.