Opinião – Educação no Brasil precisa respeitar o agro

Autor defende que há doutrinação e cita apostilas de escola paulista. Instituição rebate acusações em nota

16/10/2020 12:39



”É inquestionável o crescimento Agronegócio nas últimas décadas”, diz autor

Finalmente conseguimos colocar em xeque 1 terrível problema do nosso ensino fundamental: o viés contra o agro. Chega de doutrinar nossas crianças com ideologia antiga. O agricultor brasileiro merece respeito na escola.

Tudo começou com 1 envelope grande, contendo 2 apostilas do Colégio Anglo, uma da 3ª série, outra da 5ª série. Dentro, 1 bilhete, manuscrito, de uma produtora rural, solicitando-me uma “análise do conteúdo de história e geografia que estão ensinando para minhas crianças, uma de 7, outra de 9 anos”. O pedido me soou como uma missão.

Há tempos, todos nós que defendemos a imagem da agricultura falamos sobre a necessidade de se rever os conteúdos curriculares do ensino fundamental. Acontece que, quase sempre, os autores das matérias de geografia e história são formados no paradigma ideológico da esquerda clássica, cujos patronos descreveram o Brasil rural segundo a análise marxista.

De 1 lado, os opressores: o latifundiário, o coronel do sertão, o fazendeiro; de outro lado, os explorados: o camponês, o negro, o índio, o trabalhador rural. A dicotomia seguia os moldes da luta de classes.

Grandes historiadores, como Caio Prado Junior, Alberto Passos Guimarães e Nelson W. Sodré, e ótimos romancistas, como Jorge Amado e Graciliano Ramos, escreveram belos livros, sob a ótica do pensamento comunista. Era a utopia dos intelectuais naquela época.

Atrasada, improdutiva, injusta: assim se descrevia a agricultura brasileira de outrora. Com certa razão. Nossos índices de produtividade eram baixos, a pobreza rural elevada. Até meados do século passado o Brasil era importador de alimentos.

Desafiado pelo fortíssimo êxodo rural, que exigia comida na mesa das cidades, há 50 anos tudo começou a mudar no campo. Começava a modernização que realizaria a transformação capitalista da produção agropecuária. Formaram-se os complexos agroindustriais, que abastecem a população e vendem para todo o mundo. O Brasil se tornou uma potência agroalimentar.

Os estudos comprovam essa revolução tecnológica. Entre 1976 e 2016, o índice do produto agropecuário (PIB) subiu acima de 4 vezes, passando de 100 para 437,6. A produtividade total dos fatores cresceu à taxa anual de 3,08% no período, sendo que o esforço tecnológico respondeu por 80,6% do crescimento do produto agropecuário. É incrível.

“Novo Mundo Rural” (Ed. Unesp, 2015) é o título do livro que publiquei, junto com Zander Navarro, mostrando essa mudança, da antiga agricultura latifundiária para a moderna produção tecnológica do agro brasileiro. Inúmeros outros autores detalham esse virtuoso processo que conquistou o cerrado do Centro-Oeste e interiorizou o desenvolvimento nacional.

Tudo isso me passava na cabeça ao cumprir a tarefa de ler aquelas apostilas do Colégio Anglo. Era angustiante perceber que, nelas, somente se destacava o passado da agricultura. Pior, suas tintas estavam carregadas do ranço ideológico típico dos velhos historiadores marxistas. Só mazelas. Zero virtudes.

Prestem atenção na foto abaixo. Ela foi tirada em 1890, retratando a família de Martinho Prado Jr, 1 grande fazendeiro paulista da economia cafeeira. Político, intelectual, abolicionista, colonizador, marcou sua época. Um dos construtores da nação brasileira.

Sabem qual é a legenda que a foto recebeu na apostila do Anglo?

Essa aqui: “Nas fazendas de café do Brasil, os proprietários e sua família viviam de maneira luxuosa”.

Li a frase como uma ofensa à história. Recordei-me das fotos, semelhantes à essa, que mostravam a esperança das famílias, como a minha, que deixaram a pobreza na Itália para arriscar ganhar a vida no novo mundo. O Anglo deu 1 tapa na cara dos nossos antepassados.

Essa e outras barbaridades me motivaram a gravar 1 vídeo que publiquei na internet com o título de “Agromitos na escola”. Viralizou. O Anglo não gostou. Divulgou uma nota rebatendo os pontos criticados por mim. Piorou. Sustentou a visão anti-agro de suas apostilas.

O assunto esquentou. Comecei a receber dezenas de materiais didáticos de outras redes de ensino. É chocante. Todos os bons colégios que lecionam no ensino fundamental promovem verdadeira doutrinação esquerdista contra o agro na sala de aula. Apavoram nossas crianças com histórias de escravidão, violência indígena, afronta à natureza, agrotóxicos. Tratam o produtor rural brasileiro como BANDIDO.

Eu não tenho nada contra o Anglo, nem seus professores. Mas essa deformação do ensino no Brasil é inaceitável. Os colégios, particulares ou públicos, todos eles, precisam se livrar dessa maledicência que contamina suas apostilas e despreza a importância da agropecuária na construção da pátria e no futuro sustentável do Brasil.

É necessário garantir que nas escolas prevaleça o conhecimento correto, isento. Nem mais, nem menos, simplesmente a boa informação, histórica e atual. Fatos contra mitos.

Educação, sim. Doutrinação, não.

 

 

 

 

Por Xico Graziano, 67, é engenheiro agrônomo e doutor em Administração. Foi deputado federal pelo PSDB e integrou o governo de São Paulo. É professor de MBA da FGV e sócio-diretor da e-PoliticsGraziano.