Opinião – Turismo, uma alavanca para a retomada econômica

”Setor foi atingido na pandemia, mas deve ter boa recuperação”, afirma autor

16/10/2020 12:50



”Setor de turismo deve se recuperar em breve”, prevê Vinícius Lummertz. Foto: divulgação

Um dos maiores impactos da pandemia, afora o drama humano, foi sobre a economia. Como na saúde, os negócios entraram em quarentena, adoeceram ou sucumbiram. O turismo foi o primeiro segmento a entrar em crise e, segundo prognósticos dos especialistas, seria o último a sair. Felizmente, os sinais de recuperação que vemos no mercado nos mostram que o turismo é muito mais resiliente do que mostravam as projeções.

No momento em que o vírus mostra sinais de controle, respondendo a políticas públicas de enfrentamento como o Plano SP, e que os avanços da ciência em tratamento e vacinas são promissores, a agenda econômica passa a ter o mesmo nível de relevância e prioridade. Nela, o turismo é peça-chave para a retomada.

A Organização Mundial do Turismo (OMT) calculou, em seu relatório “Turismo e Covid-19”, que o setor até recentemente era responsável por 7% do comércio mundial, gerando 1 a cada dez postos de trabalho. Segundo o relatório, a pandemia atingiu violentamente esse universo, colocando em risco até 100 milhões de empregos diretos. Pequenos comércios, que apoiam 80% do turismo global, são particularmente vulneráveis. Os gastos com viagens podem cair drasticamente nos próximos 5 anos, reduzindo o PIB global em até 2,8%.

No Brasil as consequências são igualmente catastróficas. O que é de se lamentar, já que no pré-Covid o turismo vinha num crescendo significativo. No país, a contribuição para o PIB havia aumentado 3,1%. Em São Paulo, o crescimento foi de 5,4%, quase o dobro da média nacional. Nesse contexto, a Setur-SP (Secretaria de Turismo do Estado de São Paulo) vinha colecionando vitórias ao implementar estratégias para o desenvolvimento do setor, com a geração de cerca de 50 mil empregos.

Privatização de aeroportos; acordos com companhias aéreas para estabelecimento de “stopovers” (parada no meio da viagem, para que o passageiro possa passar 1 tempo em uma cidade de conexão); aumento de rotas regionais, viabilizado através de descontos de ICMS. Eventos que produziram 1 aumento significativo no fluxo de viagens, propiciando mais gastos com deslocamentos, hotelaria, alimentação, artesanatos e todos os demais componentes desse segmento econômico, além de aumentar o valor dos aeroportos a serem privatizados. A pandemia foi um golpe cruel sobre esse ecossistema, gerando um déficit de 138 mil empregos.

Como se recuperar de 1 choque dessas proporções? O sábio Arquimedes, na Grécia antiga, anunciava: “Dêem-me 1 ponto de apoio e eu levantarei o mundo”. Pois o turismo pode ser 1 dos pontos de alavancagem da economia pós-pandemia. Como explica o professor Mario Beni, 1 dos maiores especialistas no tema, o turismo impacta 52 segmentos diferentes da economia, criando postos das áreas de alta tecnologia até as de menor qualificação, tanto no emprego formal quanto no informal. E, como já anunciou em artigo recente Sergio Cimerman, coordenador científico da Sociedade Brasileira de Infectologia, “Já está na hora de retomar as viagens”, com prudência e respeito aos protocolos necessários.

No plano de recuperação que a Setur-SP desenvolveu, com apoio da FIA (Fundação Instituto de Administração), calculamos que os consumidores brasileiros possuem uma poupança de viagem que ficou congelada com a chegada das quarentenas e do fechamento de fronteiras de diversos países. Mais do que isso, muitos turistas acabaram por criar poupança adicional no período do isolamento.

Nossa avaliação é de que, com a aposta em novos destinos e viagens de proximidade, São Paulo pode recuperar os empregos perdidos com a pandemia até novembro de 2021 e criar uma movimentação de R$ 13,1 bi na economia do Estado. Esse raciocínio se aplica, em proporções distintas, a todas as outras unidades da federação, que possuem potenciais variáveis em função da poupança de suas populações e do potencial de seus destinos turísticos. Pela mesma estimativa esse volume, na soma dos outros estados, chegaria à casa dos R$ 42 bilhões.

Tal movimento deve ser catalisado por campanhas de divulgação, que voltarão com a retomada da normalidade. Com mais segurança, à medida em que as vacinas a serem produzidas pelo Instituto Butantan permitirão o retorno da mobilidade. O ambiente seguro viabilizará a retomada de campanhas como a que realizamos no ano passado, a maior do turismo na história do Estado, com recursos oriundos da iniciativa privada. Privilegiando o turismo de proximidade, com períodos de viagem mais curtos e prevenção contra o risco epidemiológico. Estimulando novos roteiros, que privilegiem  atividades ao ar livre e atrativos de natureza, e incentivando rotas turísticas, o que em São Paulo inclui as novas rotas cênicas, com mirantes e paradouros, além de destinos de praia e de natureza, valorizando nossa biodiversidade.

Sabemos que o turismo de massa (overtourism) já estava com seus dias contados. A crise acelerou esse processo em benefício de todos e do planeta. Os destinos mais favorecidos agora serão aqueles em distâncias de até 200 Km do viajante. Esse esforço de estímulo e mudança de paradigmas irá desembocar em 1 novo modelo de turismo. Há grandes desafios a serem superados –entre eles, fazer evoluir 1 ambiente de negócios mais favorável ao setor. Mas a crise é justamente uma oportunidade para que, alavancando a retomada da economia e dos empregos, o turismo mostre o seu real potencial de contribuição para o país.

 

 

 

 

Por Vinicius Lummertz Silva, 60 anos, é formado em Ciências Políticas pela Universidade Americana de Paris, fez pós-graduação na Kennedy School, da Harvard University. É secretário de Turismo do Estado de São Paulo desde janeiro de 2019. Foi ministro do Turismo de abril de 2018 a dezembro de 2019, presidente da Embratur de junho de 2015 a abril de 2018 e secretário nacional de Políticas de Turismo de setembro de 2012 a maio de 2015.