Opinião – O canalhômetro

“Dada a oportunidade para cometer alguma infração ou comportamento indesejável, um percentual significativo de indivíduos vai cruzar fronteiras éticas sem pestanejar muito, especialmente quando isso significa apenas colocar um pezinho do lado de lá”, diz Hamilton Carvalho

05/11/2020 15:24



Moralidade é dinâmica e maleável

Alguém sai na rua e bate no peito berrando: eu sou um canalha”, escreveu Nelson Rodrigues, que captou muito bem várias nuances importantes da psicologia humana. Pelo contrário: “O maior dos pulhas se acha um santo de vitral”

Existe um fenômeno que a literatura chama de moral licensing (algo como uma licença para transgredir), pelo qual estamos sempre compensando transgressões morais com comportamentos éticos. É mais ou menos como se fosse uma conta bancária, em que a transgressão funciona como um débito e o bom comportamento, como crédito.

Também gosto de comparar, pela facilidade de compreensão, com um sensor ou um termostato, daqueles que medem a temperatura dentro das casas de países frios. O sensor fica lá quietinho. Se esfria muito, ele dá um comando para esquentar a casa. Se a temperatura sobe, ele desliga o aquecedor até que ela volte à faixa desejável.

Em homenagem ao Nelson Rodrigues, eu prefiro chamar esse sensor interno de canalhômetro. Ele é especificado para ficar em uma faixa que não é neutra –gostamos de projetar uma autoimagem de pessoas morais ou, na analogia bancária, de deixar uns trocados nessa conta.

O que o conhecimento comum ignora, porém, é justamente o fato de que o crédito moral com frequência leva a algum débito. E vice-versa. Isto é, o sensor está sempre oscilando.

De fato, as evidências científicas apontam, de forma muito convincente, que nossa moralidade é dinâmica e maleável. Dada a oportunidade para cometer alguma infração ou comportamento indesejável, um percentual significativo de indivíduos vai cruzar fronteiras éticas sem pestanejar muito, especialmente quando isso significa apenas colocar um pezinho do lado de lá.

As pesquisas apontam, por exemplo, que fazer reciclagem aumenta as chances de comprar produtos nada ecológicos, que, depois de ir à academia ou perder algum peso, temos uma maior probabilidade de comer porcarias alimentícias e que uma doação a uma entidade de caridade pode estimular comportamentos antiéticos na sequência.

Mas isso são transgressões leves, que não ativam o alarme do nosso canalhômetro, pois costumam passar despercebidas ou ganhar o carimbo da tolerância social.

Grandes transgressões, por outro lado, escancaram a contradição com a autoimagem que queremos projetar e podem fazer o sensor interno berrar. Aqui a coisa fica mais interessante.

CANALHICE ESTRUTURAL

Entender a psicologia humana é essencial para lidar com os problemas sociais complexos que tanto nos afligem, como corrupção e crime.

Para começar, sistemas onde esses problemas procriam, como o político, atraem pessoas amorais, aquelas com os chamados traços sombrios de personalidade –narcisismo, psicopatia e maquiavelismo.

São pessoas com pouco apreço real pelos outros e cujo sucesso, inclusive financeiro, termina por criar mecanismos de autosseleção nesses sistemas. Em linguagem clara: safados que se dão bem na política ou nas chamadas sociedades secretas de corrupção deixam as organizações atrativas para gente parecida com eles. Uma espécie de canalhice estrutural.

Porém os efeitos não param por aí. Ao criarem um campo gravitacional que distorce as instituições em que atuam, esses indivíduos também criam condições para que pessoas com um canalhômetro mais normal progressivamente alarguem seus limites internos. Muita gente entra nesses sistemas sociais com boas intenções e acaba, aos poucos, cedendo às gordas possibilidades de ganhos.

Mas para que isso não dispare o alarme da contradição interna, é preciso ter boa fonte de créditos para deixar a conta moral no positivo. Uma dessas fontes é a religião, que serve também aos amorais como escudo e plataforma, como atesta a quantidade de líderes e ativistas religiosos envolvidos em abusos, escândalos e esquemas de enriquecimento.

Outra fonte de créditos é a ideologia. Como vimos aqui ao tratar de violência policial, todo comportamento desviante precisa de uma ideologia que o justifique. Geralmente um sistema frouxo mas coerente de crenças, manifestadas em frases como “o mundo funciona assim” e “eu não sou nenhuma freira”.

Também é comum que o indivíduo tenha um portfólio de boas ações para exibir e declamar. Lembremo-nos de Nelson Rodrigues. O importante é que a autojustificativa seja forte o suficiente para emudecer aquele desconforto que vem de dentro.

Por fim, acabou de ser publicada uma boa pesquisa científica sugerindo que líderes que entendem ter seguidores morais tendem a cometer mais infrações éticas. É como um canalhômetro coletivo em ação.

O estudo foi feito com pessoas do mundo dos negócios, mas não é difícil especular que o mesmo mecanismo ajude a explicar muito do que sempre aconteceu na esfera política brasileira, com sua multidão de “cidadãos de bem” dando lastro para comportamentos verdadeiramente infernais.

 

 

 

 

Por Hamilton Carvalho, 48 anos, estuda problemas sociais complexos. É auditor tributário no estado de São Paulo, doutor e mestre em Administração pela FEA-USP, ex-diretor da Associação Internacional de Marketing Social, membro da System Dynamics Society e da Behavioral Science & Policy Association. É filiado à Rede Sustentabilidade