Opinião – A vacina da covid-19, os riscos e a heurística de quem sabe pouco

por Paula Schmitt

10/12/2020 16:10



A verdade sobre o vírus está mudando
Se vacina der errado, empresas sairão impunes

Bandeja de vacina Pfizer

Para Nassim Taleb (matemático, filósofo, polímata), o que não sabemos é mais importante do que o que sabemos, pois é exatamente o que não sabemos que pode nos prejudicar. O problema é que às vezes achamos que sabemos algo incorreto, e isso é ainda mais perigoso. O peru de Natal acredita que sua morte no milésimo dia de vida foi aleatória, já que ele tinha sido alimentado e bem cuidado por 999 dias. Para o açougueiro, contudo, aquela morte já estava marcada no calendário. Em outras palavras: não seja um peru.

Alguns atribuem ao filósofo Voltaire a frase “Ter dúvida não é uma situação agradável, mas ter certeza é absurdo”. Ainda assim, os incertos são frequentemente vistos como negacionistas, conspiracionistas, idiotas até. A desconfiança virou defeito. E a certeza sempre soa mais eloquente. O poeta W. B. Yeats definiu isso com perfeição: “Os melhores carecem de toda convicção, enquanto os piores estão cheios de intensidade passional”. Essa intensidade intimida interlocutores, porque a convicção frequentemente é confundida com conhecimento. Na maioria das vezes, contudo, acredito que isso não seja sintoma de má-fé, tampouco de arrogância. O filósofo Bertrand Russel disse: “O que os homens mais querem não é conhecimento, mas certeza”. E o jornalista esportivo Márvio dos Santos foi um pouco além: “As pessoas não querem informação, querem se sentir bem.”

Faço essas citações sobre as convicções porque se existe algo que deveria ter morrido de covid-19 é a certeza sobre a doença. A “verdade” sobre o coronavírus vem mudando desde o começo da pandemia, e vai se alterando de acordo com novas informações e conhecimento. Um exemplo dessa evolução foi exposto pelo biólogo Eli Vieira, que estudou genética em Cambridge. Segundo Vieira, é possível que o coronavírus tenha sido feito em laboratório Chamo isso de evolução porque Eli Vieira achava essa hipótese inicialmente implausível (e não uso a palavra “evolução” como melhoramento, necessariamente, apenas como mudança ao longo do tempo). Quantos outros cientistas podem vir a mudar de opinião? Que certezas temos agora que podem vir a ser derrubadas por um novo conhecimento na semana que vem? E com essa incerteza assumida –uma indicação de sanidade– como agir na hora de tomar uma decisão que pode significar nossa vida ou nossa morte? Tomar ou não tomar a vacina? E qual delas?

Infelizmente não vou poder responder a essas perguntas, porque meu conhecimento é paupérrimo. Mas mesmo entre quem tem conhecimento suficiente existe divergência de opiniões, uma prova de que até a ciência às vezes não é tão exata. Então vou falar hoje menos de ciência e mais da heurística que certas pessoas usam para decidir, na falta de conhecimento necessário, se algo merece ou não confiança, e se apresenta ou não riscos. Em primeiro lugar, recomendo que sigam jornalistas, pesquisadores, cientistas e curiosos em geral que não tenham uma posição fixa. Por exemplo: no caso da eficiência da cloroquina, eu não confiaria muito na minha própria opinião positiva, porque já venho defendendo a cloroquina faz tempo e, portanto, tenho uma vontade incontrolável de confirmar minha teoria e dizer “eu avisei.”

Se toda informação apresentada por uma mesma pessoa leva a uma mesma conclusão, é bastante provável que essa pessoa esteja fazendo uma seleção parcial e enviesada dos fatos para se confirmar. Por isso eu gosto de jornalista e especialista cuja opinião eu não consigo adivinhar de antemão –porque isso é uma indicação (não uma prova) de que ele tem honestidade intelectual suficiente pra discordar até mesmo do que antes achou ser verdade, como foi o caso do Eli Vieira. Hoje, felizmente, muitos jornalistas e formadores de opinião conseguiram se desvencilhar do empregador, e se libertaram da obrigação de concordar com a linha editorial do jornal. Mas muitos deles jamais vão se libertar da sua audiência. As amarras continuam, só mudou o patrão. Para alguns “influencers”, uma vez que eles criam uma torcida cativa que sempre apoia apaixonadamente a confirmação das suas ideias, esse “formador de opinião” deixa de formar qualquer coisa, e vira apenas um confirmador.

Voltando à heurística, o dicionário que eu uso, Dicio, tem uma definição excelente dessa palavra: “método educacional que busca ensinar o aluno autonomamente, para que ele descubra e aprenda tendo em conta a sua experiência, com os próprios erros e acertos”. Poucas coisas são mais empoderadoras do que aprender a se valer da própria experiência pra entender e navegar o mundo, e algumas heurísticas são tão certeiras que viraram regras universais. Cui bono, por exemplo, é uma heurística bastante eficiente. A frase significa “quem se beneficia”, e essa pergunta (e sua resposta) é um grande identificador de interesses velados. Vou dar um exemplo: Janaína Paschoal está fazendo campanha no Twitter para que o governo brasileiro permita que a agência americana de fiscalização de remédios e alimentos (FDA – Food and Drug Administration) seja a responsável pela aprovação de medicamentos para os brasileiros. Em outras palavras, essa deputada quer transferir nossa soberania para os Estados Unidos, dando à FDA o poder de favorecer seus compatriotas e amigos, sem ter nenhuma responsabilidade ou punição para o que venha a acontecer com os brasileiros. Cui bono é a primeira pergunta que se deve fazer para tentar entender essa atrocidade inexplicável. Vou deixar aqui apenas alguns links para reportagens sobre a corrupção alastrada e bastante conhecida da FDA. O Google Tradutor funciona bem para artigos traduzidos do inglês ao português. Nessa reportagem da CBS News, a FDA admite que a carta anônima que revelava a corrupção na agência é legítima. Tem coisa ali de assustar o capiroto. Aqui, a Universidade de Harvard já dá seu veredito no título: “Drogas arriscadas – porque a FDA não merece confiança”. Esta ONG de “whistleblowers” (funcionários ou associados de empresas e órgãos públicos que se arriscam para denunciar corrupção) também trata da corrupção dentro da agência reguladora do país que tem o maior número de mortes percapita por consumo de drogas comerciais do mundo (falei do lobby da indústria farmacêutica aqui. Leia de estômago vazio.)

Existem outras heurísticas que, na ausência de conhecimento sobre o fato, podem ajudar na diminuição de risco, e na tomada de decisões inteligentes. Nassim Taleb, a quem eu entrevistei há algum tempo , conseguiu colocar em palavras uma heurística que pessoas pensantes sempre entenderam, mesmo sem nenhum estudo formal. O conceito do “skin in the game”, que virou título de um dos livros da sua coleção Incerto, pode ser traduzido como “ter a própria pele em jogo”, ou “ter o seu na reta” , a frase mais aproximada que consigo encontrar. Taleb cita o exemplo de como certas obras arquitetônicas da Roma antiga existem intactas até hoje por puro “skin in the game” aplicado às contratações do governo, como a exigência de que o arquiteto que construísse uma ponte dormisse por uma semana com a família sob a obra que projetou para provar que confiava no próprio trabalho. Generais e imperadores que declaravam guerra também mostravam skin in the game quando iam para a frente de batalha, ao contrário de Reagan e Bush, que “jogavam videogames enquanto arriscavam a vida de outras pessoas”. Para Taleb, muitos problemas do mundo hoje advêm exatamente disso: da falta de skin in the game“Antigamente o privilégio vinha com obrigações”, ele diz. Governantes, empresários, pessoas com poder não podem ser dissociados das consequências de seus atos, porque se não os atos jamais serão econômicos, honestos, justos, seguros. Pois bem: adivinhem quem não tem skin in the game no caso das vacinas, e só vai colher benefícios e praticamente nenhuma consequência negativa, mesmo que haja erros fatais e mortes: os fabricantes de vacina.

Vejam só como as coisas mudaram. Em 1955, o virologista americano Jonas Salk anunciou ao mundo que tinha criado uma vacina eficaz contra a poliomielite. Perguntado sobre quem era “o dono” da vacina, Salk respondeu: “Ora, o povo é o dono. Não tem patente. Você patentearia o sol?” Esse tipo de grandeza de espírito definhou com o tempo, e praticamente não existe mais. O que se vê agora é o oposto disso. Não sou inocente pra ficar decepcionada, mas as diferenças não param por aí. Se por um lado o lucro agora é essencialmente privado, por outro os riscos são restritos ao público. No dia 14 de novembro, o Financial Times publicava uma reportagem com chamada de capa bastante simpática sobre a vacina da Pfizer, mas restringindo o artigo a um aspecto completamente irrelevante para a saúde das pessoas: o fato de que o casal que desenvolveu a vacina é turco. Sempre tem um bobo pra cair nessa inanidade fofinha, e é por causa desse entusiasmo rasteiro que a reportagem nem se preocupou em falar da ciência da vacina, restringindo-se a replicar um gráfico embaraçosamente singelo, providenciado pela própria Pfizer. (Comparem aqui o gráfico do Financial Times, que contou com várias fontes diferentes e de interesses diversos). Fiquei estatelada com a superficialidade da reportagem do FT, mas vejam só o que eu encontro algumas páginas à frente: uma notinha humilde dando a notícia que realmente interessa –que o CEO da Pfizer decidiu vender suas ações da empresa. Opa! Olha a sirene tocando na minha cabeça.

É ilegal essa venda? Não, não é. Mas é moral? O autor da nota do FT não parece achar que é. Ele explica a lei específica, e diz que ela não foi feita para permitir esse tipo de “desova” em que o CEO Albert Bourla se desfez de 62% das ações de uma só vez, pouco antes de que a vacina fosse aprovada e devidamente testada na humanidade. “Vender a maioria das suas ações, na ausência de um de divórcio ou evento inevitável, pega mal. Isso é especialmente verdadeiro quando a confiança pública na sua empresa é uma questão de vida ou morte”, escreve o jornalista ao final da nota. E eis que o CEO da Moderna, outra vacina cotada como das mais eficazes, também vendeu suas ações. Veja que peculiar — todo mundo comprando as ações e esses dois vendendo. Talvez faça sentido, e seja exatamente nessa hora que quem tem ações deveria vender. Mas e o skin in the game? E a mulher de césar mostrando que confia no marido? Tenho amigo que investe na bolsa e disse que jamais compraria ações de empresa cujo chefe está vendendo porque “Esse CEO deve estar sabendo algo que eu ainda não sei”.

Por outro lado, é razoável que esses homens ganhem um dinheiro extra pelo risco que estão correndo. Imaginem os processos civis e indenizatórios que eles vão ter que cobrir se a vacina der errado. Né? Não, não é. As farmacêuticas fabricantes de vacina estão praticamente imunizadas de qualquer perda financeira se suas vacinas falharem. Primeiro porque, como acabamos de ver, os chefes venderam suas ações. Segundo porque tantos os EUA como a União Europeia fizeram acordos silenciosos em que os respectivos governos compradores das vacinas se dispuseram a arcar com os custos de processos judiciais –“quando” e “se” eles chegarem nos tribunais.

Em 1986 foi criada nos EUA uma corte especial para julgar erros advindos de vacinação em massa. A lógica pra justificar isso era a seguinte: se as empresas tiverem que pagar milhões em indenizações por erros individuais e estatisticamente razoáveis, essas empresas vão desistir de se arriscar na fabricação dessas vacinas. Mas veja só: desde que a tal corte existe, ela já pagou bilhões em indenizações, muitas delas de forma bastante escondida, sem alarde e com sigilo “entre as partes”. Mas sabe quem paga essa indenização? O próprio contribuinte americano, que tem uma porcentagem do preço da vacina deduzido para esse fundo indenizatório. Mas as reportagens mais recentes dizem que nem essa corte vai tratar de possíveis erros – fatais ou não – advindos das vacinas contra a covid. Mesmo com um lucro imediato inédito na história da vacinação. Segundo esse artigo assinado por professores de Harvard e University of British Columbia, o Morgan Stanley estimou que a Pfizer e sua associada BioNTech vão ter um lucro aproximado de 13 bilhões de dólares no ano que vem só com a venda da vacina. A AstraZeneca também não está dando muita razão pra confiança.

Este artigo do Financial Times e esse do Israel National News mostram como o lobby dos fabricantes de vacina está negociando a isenção de responsabilidade civil e criminal junto à União Europeia. Nos EUA acontece o mesmo, e eventuais vítimas de sequelas das vacinas dificilmente serão indenizadas. Mas mesmo que fossem, isso em si não desencorajaria erros e mortes se essa indenização não ameaçar quem erra. Ao contrário – se houver um fundo indenizatório financiado pelo contribuinte, ele deixa de ser um empecilho ao erro e passa a ser um incentivador. Erros são desencorajados quando quem erra perde – não quando quem sofre ganha. Foi mais ou menos isso que tentei explicar pra uma amiga minha quando ela me telefonou de dentro de um táxi. Com teor alcoólico elevado e a criatividade mais elevada ainda, ela ficou com medo de que o motorista a levasse pro meio do mato e a esquartejasse. Então ela me passou o número da placa do taxista, porque assim “ele seria punido” se algo acontecesse com ela. Eu respondi que o melhor seria que ele ficasse sabendo disso, porque assim provavelmente não precisaríamos puni-lo por nada, já que a certeza de que seria pego serviria pra evitar o crime. Só pra não deixar a história pendurada, minha amiga está viva, e ficou amiga do taxista.

 

 

 

 

Por Paula Schmitt é jornalista, escritora e tem mestrado em ciências políticas e estudos do Oriente Médio pela Universidade Americana de Beirute. É autora do livro de ficção “Eudemonia” e do de não-ficção “Spies”. Venceu o Prêmio Bandeirantes de Radiojornalismo, foi correspondente no Oriente Médio para o SBT e Radio France e foi colunista de política dos jornais Folha de S.Paulo e Estado de S.Paulo. Publicou reportagens e artigos na Rolling Stone, Vogue Homem e 971mag, entre outros veículos.