Opinião – Ser de direita não é só ideologia. Virou meio de vida

“A esquerda é o Face hoje. A direita é o TikTok. Tá na moda. Me lembra sabe o que? Quando era chique usar cartolas. Hoje pode parecer estranho. Mas já foi chique no último, como se dizia no interior”, diz Mario Rosa

07/01/2021 14:02



Agora, é uma profissão
Segmento é promissor

– QUAL É A SUA PROFISSÃO?
– EU?
– SIM…
– EU SOU DE DIREITA.

Eu era de direita e pobre na faculdade. Ou seja, não tinha carro, nem charme (o charme que só os “revolucionários” exalavam com suas camisas de Che Guevara nos botecos “de vanguarda”, quer dizer, baratos).

Resultado final: não pegava ninguém. E durante muito tempo foi assim. Nada mais repugnante do que ser de direita. E… ah… que inveja da aura imaculada dos “libertários”, dos “idealistas”. Até que… deu no que deu: Mensalão, Petrolão, muita raiva do povo, facada e… Mito na rampa! E a direita, quem diria, passou a ser fashion. Até aí tudo bem: nada mais justo. O que me impressiona mesmo é o surgimento de um novo ator social: o direitista profissional. Chamemos assim.

Ser de direita, agora, virou também uma profissão, um nicho de mercado para determinados empreendedores. Não vou nem falar do eminente empresário dono das lojas Havan, com seu terno verde amarelo, o primeiro empresário brasileiro a prestar as justas, devidas e a meu ver tardias homenagens ao personagem Zé Carioca, além de expressar seu nacionalismo, a ponto de vestir-se dele. E, de repente, você liga a TV e vê um direitista profissional, às vezes um comentarista, por exemplo.

E a imagem que me vem é a de uma visita a Istambul e a hora da reza e os minaretes proclamando os trechos do Alcorão. Bom, é claro, temos os direitistas de profissão na política, nas rádios, na internet. É, sem duvida nenhuma, um dos segmentos mais promissores do país neste momento. Digamos que é o “novo normal”…

Eu mesmo já estou pensando em pegar uma pontinha nesse novo mercado. Se existisse um exército da direita, haveria a arma dos combatentes, esses heróis que vão para a linha de frente espicaçar coxinhas, comunas e assemelhados. Eu seria da arma dos aduladores. Assim como já houve a esquerda caviar (a contradição dos esquerdistas preocupados com a desigualdade social, embora vivessem como nababos), eu tentaria um emprego sem duvida nenhuma na “direita confete” (seria uma direita “fofa”, sem vontade de esmurrar ninguém: só de aplaudir, de preferência o Mito). O fundamental é entender esta como uma coluna de auto ajuda. Num momento de crise econômica tão difícil, quem sabe não rola um chance de você virar um direita profissional?

Aqui e ali já despontam algumas produtoras de direita. O humor de direita, trolado a esquerda, venhamos e convenhamos, tem coisa beeeemmmmn legal. E os memes conservadores? Sinistro! No jornalismo, ser um opinador de direita se tornou quase um alvo de inveja.

– Viu fulano? Tá bombando com uma rede social de direita. Cavou um programa na rádio e participação na teve!

Não que ser de esquerda também não crie um cartoriozinho ideológico-profissional. Mas é aquela coisa: a esquerda é o Face hoje. A direita é o TikTok. Tá na moda. Me lembra sabe o que? Quando era chique usar cartolas. Hoje pode parecer estranho. Mas já foi chique no último, como se dizia no interior.

O mais curioso dessa “demanda” por direitas profissionais é que esse é um reflexo típico do chororô intelectualoide. Essas tribunas “conservadoras” se abrem em nome de um conceito chamado “diversidade”. E é aí que essa coisa toda me irrita um pouco (talvez por inveja, confesso… até eu arranjar meu espacinho aí em algum lugar). É que em algum ponto no meio de tudo isso futebolizaram o debate político. O que era pra ser “diversidade” virou “polarização”. Então, para continuar no futebol, ao invés de um campeonato de ideias, estamos assistindo apenas a um mata-mata: direita versus esquerda.

Como se o Brasil tivesse duas metades apenas. E aí o direita profissional e o esquerda profissional ficam na mesa redonda falando do jogo como se só houvesse dois times possíveis. O problema é que, além de chato, é surreal. O Brasil pode se tornar reacionário, revolucionário, mas nunca vai ser binário. Pelo simples motivo de que jamais foi. Somos uma mistura danada. A começar de raças, de credos, de costumes.

O Brasil não cabe em dois lados. Pode ser até que estejamos vivendo a primavera da direita. Eu não tenho nenhum problema com isso. Os pêndulos da História são assim mesmo. Mas a “polarização” que tentam impor no debate é tão artificial.

Bom, agora pegue aí sua cesta de tomates podres para arremessar em mim. Por isso eu não sou daqueles que desprezam o Mito. Porque ele é o sincretismo em pessoa e já sacou que o Brasil adora os santos e os orixás. Pronto. Acabei de cavar minha trincheira: sou a direita-confete-critica!

Tem um empreguinho aí pra mim?

 

 

 

 

Por Mario Rosa, 55 anos, é jornalista, escritor, autor de cinco livros e consultor de comunicação, especializado em gerenciamento de crises.