Opinião – Não adianta chorar

Por Marcelo Tognozzi

11/02/2021 13:29



Autor analisa eleições no Congresso
Vê esquerda parada no tempo
E Kassab como discreto vencedor

Na abertura do ano do Legislativo, Bolsonaro deu recado à oposição: “Nos vemos em 2022”

Mário Vianna (com 2 ênes, como ele gostava de frisar) foi um dos mais polêmicos juízes de futebol e comentarista esportivo ferino. Forjado na temida Polícia Especial de Getúlio Vargas, cuja especialidade era prender e torturar comunistas, começou a vida como engraxate. Mas o destino acabou levando Mário para dentro da cabine da Rádio Globo, a qual dividia com velho comunista João Saldanha.

Cada um do seu jeito, Mário e João tinham traço comum: com eles era papo reto, preto no branco, pão, pão, queijo, queijo e ponto final. Mário Vianna encerrou sua carreira de juiz de futebol depois de denunciar corrupção na Fifa. Saldanha encerrou a sua de técnico, ao recusar “sugestões” do presidente-general Emílio Garrastazu Médici sobre a escalação da Seleção que disputaria o mundial de 1970.

Passei boa parte da infância e adolescência ouvindo as transmissões dos jogos do Flamengo e da Seleção num radinho de pilha com capa de couro que ganhei do meu pai. Gostava do Mário Vianna estridente, curto e grosso nos comentários. Se o jogador estava impedido, como decretou o Supremo no caso da reeleição de Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre, ele gritava: “Banheira!” Se o time fazia o gol que virava o jogo, o locutor Celso Garcia, companheiro de Mário decretava: “Não adianta chorar! A nega tá lá dentro”. Nega, esclareço por pura prevenção, era a bola. E só a bola.

Quando Arthur Lira arrancou 302 votos para a presidência da Câmara e Rodrigo Maia chorou, lembrei-me do Mário e do Celso Garcia. A vitória representou muito mais, porque os deputados alinhados com a centro-direita formam um time mais numeroso. Reparem: se somados os 21 votos do deputado Fábio Ramalho, do MDB mineiro, os 13 dados ao líder do Novo, Marcel van Hattem, e mais os 4 de André Janones, do Avante, e General Peternelli, do PSL, teremos 339 votos.

Entretanto, a conta não para por aí. Dos 145 votos recebidos por Baleia Rossi, pelo menos uns 20 vieram de deputados com perfil conservador e sem a menor simpatia pelas pautas da esquerda. Ou seja: os conservadores têm hoje algo como 359 votos. Eles venceram mais uma vez e esta é a realidade nua e crua. O resto é perfumaria. Só quem não conhece política e como ela é feita acredita que Bolsonaro foi derrotado. O que vale é o placar. Como dizia o velho Mário, “Gol Leeeegal”.

Por que isso é importante? Porque a oposição continua com o mesmo tamanho da época do impeachment de Dilma. Façamos as contas: descontados os 20 votos conservadores dados a Baleia Rossi, sobrariam 125. Somados aos 16 de Luiza Erundina do Psol, temos um total de 141. Este é o tamanho real da oposição na Câmara hoje. Em 2016, quando os deputados autorizaram a abertura do processo de impeachment de Dilma, 137 deputados votaram com a “presidenta”. Nada mudou, como mostram o placar e a matemática.

Como política não é ciência exata, no Senado as contas são um pouco diferentes, porque o PT votou com o DEM ajudando a eleger o mineiro Rodrigo Pacheco. Ele recebeu 57 votos contra os 21 dados à senadora Simone Tebet, que não é nem nunca foi de esquerda. Eleita pelo Mato Grosso do Sul, Estado eminentemente agrícola, Simone tem perfil conservador. A oposição no Senado vai acabar girando em torno de 30 a 35 senadores, o que ainda garante aos aliados do governo maioria para aprovação de matérias importantes, mas isso não virá por gravidade. Será preciso negociar caso a caso.

A pedra no sapato será o senador Renan Calheiros, escolhido líder da Maioria. Poucos senadores têm a astúcia e a experiência de Renan, que resolveu sair da toca depois de 2 anos hibernando. Sabe tudo. É mestre na arte de atazanar a vida dos adversários. Vai voltar em grande estilo.

O que aconteceu de importante nestas duas eleições, além da vitória do Planalto, foi a exposição de uma oposição fragmentada, tanto a esquerda quanto o tucanato. O PT votou em Baleia Rossi, candidato de Rodrigo Maia, ambos da ala conservadora da política. Junto foram o PC do B e a Rede. Morreram todos abraçados, em vez de marcar posição apoiando Luiza Erundina, candidata do Psol, uma deputada com mais de meio século de militância e nenhuma mancha na reputação. O Psol, em protagonismo ascendente desde a eleição do ano passado, agora tem todos os argumentos, motivos e estímulos para ocupar um quinhão maior na oposição, empurrando o PT para o corner e colhendo mais votos na classe média urbana.

Rodrigo Maia e João Doria apostaram alto e perderam. O que poderia ser o começo da construção de uma candidatura de centro, com uma frente capaz de abrigar opostos, como a cabine da Rádio Globo dividida por Mário Vianna e João Saldanha, acabou indo por água abaixo. Foi levada pela enxurrada conservadora e o cenário para 2022 voltou a ficar aberto. Ainda não surgiu candidato capaz de confrontar Bolsonaro de igual para igual. Aqueles que sonhavam com Moro desistiram. O ex-juiz enfrentará um calvário duríssimo nos próximos meses, diante das chances concretas de o Supremo anular suas decisões do tempo em que comandava a Lava Jato desde a sua cadeira na 13ª Vara Federal de Curitiba. Moro não deve voltar dos Estados Unidos tão cedo.

Nos bastidores deste turbilhão, Gilberto Kassab, comandante do PSD, sai consolidado como um dos mais hábeis e eficientes políticos da sua geração. Seu senso de oportunidade fez com que colocasse o PSD na cara do gol na sucessão do Senado, ao mesmo tempo em que foi fundamental nas articulações na Câmara. Entrou e saiu com discrição total e discreto permanecerá.

Foi ele quem ajudou a viabilizar a candidatura de Rodrigo Pacheco à presidência do Senado, modelando um acordo pelo qual o prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil, disputará o governo de mineiro em 2022. Ao mesmo tempo em que resolveu a vida de Kalil, ajudou Pacheco a resgatar o protagonismo político de Minas Gerais. Quando o atual presidente do Senado nasceu, em novembro de 1976, quem presidia a Casa era Magalhães Pinto e Minas teve de esperar 44 anos para voltar ao comando Congresso.

O 2º tempo do jogo está rolando. Na sessão de reabertura do Congresso, Bolsonaro, no melhor estilo Mário Vianna, deu um recado aos deputados que protestavam contra ele: “Nos encontramos em 2022”. Quando era juiz, Mário apitou uma partida e a torcida do time perdedor o esperava na porta do estádio. Dois policiais entraram no vestiário dizendo que estavam ali para protegê-lo, porque o clima era tenso. Sua resposta foi curta e grossa: “Pois então saiam lá fora e protejam a multidão, porque Mário Vianna vai sair”.

 

 

 

 

Por Marcelo Tognozzi é jornalista e consultor independente há 20 anos. Fez MBA em gerenciamento de campanha políticas na Graduate School Of Political Management – The George Washington University e pós-graduação em Inteligência Econômica na Universidad de Comillas, em Madrid.