Carna-Covid – Mato Grosso já atinge índice de morte do vírus que é de 2.5% por milhão de habitante

No ritmo que está o relaxamento da população, o pós-carnaval promete agravar novamente o sistema de Saúde

15/02/2021 13:17



Há 277 internações em UTIs públicas
São 303 em enfermarias públicas
Ocupação já é de 67% para UTIs adulto
E 35% para enfermarias

Nova cepa do Covid-19 já está preocupando autoridades e profissionais da Saúde: população está completamente relaxada

Vacinas são paliativas
Não evitam disseminação
População desacreditou no potencial viral

A Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT) notificou, até a tarde deste domingo (14.02), 233.091 casos confirmados da Covid-19 em Mato Grosso, sendo registrados 5.463 óbitos em decorrência do coronavírus no Estado.

Foram notificadas 215 novas confirmações de casos de coronavírus no Estado. Dos 233.091 casos confirmados da Covid-19 em Mato Grosso, 7.509 estão em isolamento domiciliar e 219.105 estão recuperados.

Entre casos confirmados, suspeitos e descartados para a Covid-19, há 277 internações em UTIs públicas e 303 em enfermarias públicas. Isto é, a taxa de ocupação está em 67,07% para UTIs adulto e em 35% para enfermarias adulto.

Dentre os dez municípios com maior número de casos de Covid-19 estão: Cuiabá (49.462), Rondonópolis (16.777), Várzea Grande (14.943), Sinop (12.105), Sorriso (9.920), Tangará da Serra (9.649), Lucas do Rio Verde (8.958), Primavera do Leste (6.975), Cáceres (5.303) e Nova Mutum (4.853).

A lista detalhada com todas as cidades que já registraram casos da Covid-19 em Mato Grosso pode ser acessada por meio do Painel Interativo da Covid-19, disponível neste link.

O documento ainda aponta que um total de 202.879 amostras já foram avaliadas pelo Laboratório Central do Estado (Lacen-MT) e que, atualmente, restam 327 amostras em análise laboratorial.

Cenário Nacional

No último sábado (13), o Governo Federal confirmou o total de 9.809.754 casos da Covid-19 no Brasil e 238.532 óbitos oriundos da doença. No levantamento do dia anterior, o país contabilizava 9.765.455 casos da Covid-19 no Brasil e 237.489 óbitos confirmados de pessoas infectadas pelo coronavírus.

Até o fechamento deste material, o Ministério da Saúde não divulgou os dados atualizados de domingo (14).

Recomendações

Já há uma vacina para prevenir a infecção pelo novo coronavírus, mas ainda é importante adotar algumas medidas de distanciamento e biossegurança. Os sites da SES e do Ministério da Saúde dispõem de informações oficiais acerca da Covid-19. A orientação é de que não sejam divulgadas informações inverídicas, pois as notícias falsas causam pânico e atrapalham a condução dos trabalhos pelos serviços de saúde.

Lembrando que as vacinas tem percentual de ação para não agravar quadros nos portadores. O que não impede do mesmo, contaminar outras pessoas. Logo, quem foi vacinado, não está 100% imunizado. Ou seja, pode contrair o Covid, evitando possíveis quadros graves. Mas, ainda assim, contaminar outras pessoas. Logo, todas as medidas de proteção, distanciamento e demais recomendações, devem ser mantidas pela população.

O Ministério da Saúde orienta os cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o novo vírus. Entre as medidas estão:

– Lavar as mãos frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos. Se não houver água e sabão, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool;
– Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas;
– Evitar contato próximo com pessoas doentes;
– Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo;
– Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com frequência.

Apesar das medidas adotadas por gestores públicos, a população em geral parece ter desacreditado no potencial viral e letal do vírus. O descuido sanitário é nítido nas ruas, não só em Cuiabá, mas em outras capitais que abrandaram os decretos e medidas sanitárias para que não houvesse impacto na economia. Mas, a proteção que deve ser individual e consciente de cada cidadão, parece ser inexistente.

 

 

 

Da Redação com in formações da assessoria por Fernanda Nazário – SES-MT