Opinião – Emissão de dióxido de carbono volta a subir

”Dióxido de carbono é apontado como 1 dos principais responsáveis pelo aumento da temperatura no planeta”, diz autora

08/03/2021 12:04



Emergentes têm níveis mais altos
Renováveis mostram resultado

O consenso científico é claro: as emissões de dióxido de carbono devem diminuir pela metade até 2030 para que possamos evitar os piores desastres associados à mudança climática. Graças às medidas de confinamento que começaram na China e se espalharam pelo mundo em resposta à pandemia, 2020 foi o primeiro ano a registrar uma queda de 5,8% nos níveis de emissão de CO2 de março à setembro.

O relatório da agência internacional de energia (IEA), divulgado em fevereiro de 2021, porém, mostra uma recuperação nos níveis de CO2 a partir de dezembro de 2020, enfraquecendo a ideia de que a baixa das emissões era parte de uma tendência a longo prazo. Segundo especialistas, a volta das emissões é reflexo da estrutura da economia mundial, que ainda se encontra dependente de atividades movidas a combustíveis fósseis. Fatih Birol, diretora0-executiva da IEA, afirma que a rápida retomada nos níveis de gases poluidores mostra que medidas para acelerar a transição energética mundial não estão sendo suficientes, principalmente em países emergentes.

Vale ressaltar que o Brasil, a Índia e a China demonstraram uma recuperação maior e mais rápida dos níveis de emissões do que os Estados Unidos e a União Europeia. As potências mundiais conseguiram manter os baixos níveis de CO2 por mais tempo. A retomada da economia emergente após o período de confinamento foi mais expressiva nos setores de indústrias e transportes, característicos pela dependência do petróleo e carvão.

Já em países desenvolvidos com economias fortes nos setores de comércio e serviços, a boa infraestrutura para acomodar home offices e uma reserva fiscal para arcar com os custos sociais e auxílios emergência atenuaram as emissões, mantendo níveis mais estáveis e abaixo da média de 2019. Embora as emissões dos Estados Unidos e da União Europeia tenham subido no final do ano passado, com a retomada da economia, ainda se encontram abaixo dos níveis da média, o que é um bom sinal.

Mesmo que singelo, o aumento da parcela de energia renovável mundial de 27% para 29% deve ser comemorado. Segundo a IEA, os níveis de emissão do setor elétrico em países desenvolvidos foi o que mais se manteve estável, mostrando que a distribuição das renováveis está apresentando resultados. Fruto dos incentivos fiscais e da legislação que promovem o investimento em energia limpa, a maior parcela de energia renovável no setor elétrico mostra que é possível utilizá-la para suprir a demanda essencial de hospitais, indústrias e residências.

Em antecipação da Conferência das Partes (COP26) em Glasgow, neste ano, a comunidade internacional planeja se encontrar para renovar seus compromissos climáticos e buscar avançar as metas do acordo de Paris. A interseção dos setores da saúde e energia limpa deve ocupar uma parcela importante nas discussões dos eventos, assim como o crescimento econômico limpo.

Com Joe Biden na Casa Branca e o avanço do Green New Deal Europeu, países emergentes vão ser cobrados a assumir compromissos sérios e planos a longo prazo para recuperar suas economias de maneira sustentável e verde. Na reunião da semana passada com John Kerry, representante dos assuntos do clima norte-americano, o pedido do ministro Ricardo Salles para criação de um novo fundo Amazônia é uma estratégia ultrapassada e será condicionado a outros compromissos ambientais. Cada vez mais isolado da economia mundial, o governo brasileiro patina ao insistir no negacionismo e na falta de planejamento ambiental e sustentável.

 

 

 

 

Por Julia Fonteles, 24 anos, é formada em Economia e Relações Internacionais pela George Washington University e é mestranda em Energia e Meio Ambiente pela School of Advanced International Studies, Johns Hopkins University. Criou e mantém o blog “Desenvolvimento Passo a Passo”, uma plataforma voltada para simplificar ideias na área de desenvolvimento econômico.