Pesquisa vai indicar se é viável aliança entre Mendes e Silval

Pesquisas qualitativas vão indicar se é viável ou não uma adesão do PSB ao projeto político do grupo formado por PR, PMDB e PT, visando à disputa majoritárias nas eleições de outubro de 2010. Na reunião de quarta-feira (3) à noite, no apartamento do governador Blairo Maggi (PR), no bairro Goiabeiras, em Cuiabá, e que …

05/03/2010 12:42



Blairo Maggi e Mauro Mendes

Pesquisas qualitativas vão indicar se é viável ou não uma adesão do PSB ao projeto político do grupo formado por PR, PMDB e PT, visando à disputa majoritárias nas eleições de outubro de 2010.

Na reunião de quarta-feira (3) à noite, no apartamento do governador Blairo Maggi (PR), no bairro Goiabeiras, em Cuiabá, e que contou também com a presença do vice-governador Silval Barbosa (PMDB), os líderes da base aliada do Governo tentaram convencer o empresário Mauro Mendes (PSB) a compor com o bloco governista. A informação é do jornal Diário de Cuiabá, que revelou, com exclusividade, o encontro.

A chapa majoritária, liderada pelo peemedebista e composta também pelo empresário, teria, em tese, mais chances de vencer a oposição – que traz nomes como o do prefeito Wilson Santos (PSDB) e do senador Jaime Campos (DEM) para a disputa ao Governo, observa a jornalista Sônia Fiori.

No encontro, diz o jornal, o governador revelou que é favorável à aproximação do PSB à base aliada da situação. Ele expôs sua preocupação com o possível enfraquecimento do projeto do PMDB e do PSB, caso lancem dois candidatos ao Governo – num enfrentamento com o candidato tucano.

Blairo Maggi, disse, ainda que da parte dele haveria um grande esforço para colaborar com essa aproximação, e destacou que, se tiver que abrir mão de algo para esse projeto, assim o fará. Nesse caso, ele até poderia renunciar à candidatura ao Senado.

De acordo com o Diário, as análises passaram pelas suposições do lançamento de Silval e de Mauro na corrida pelo comando do Estado, chegando à avaliação de uma participação do empresário na majoritária – até então, encabeçada por Silval.

Como o nome de Mauro é posto como via para pleitear o Executivo Estadual, foi sugerida, na reunião, a realização de pesquisas qualitativas. O objetivo é conferir o desempenho dos dois candidatos virtuais e possível escolha do nome que se sobressair nas pesquisas. PSDB e DEM utilizam esse expediente para escolher entre o tucano Wilson Santos e o democrata Jaime Campos o candidato a governador pela oposição.

Informações apontam que, ainda ontem, foi iniciadas as providências no sentido de contratar institutos de pesquisa para medir a força política de Silval e de Mauro Mendes. Na tarde de ontem, Mauro Mendes disse que nenhuma decisão havia sido tomada e que o assunto será levado para discussão com o bloco formado por PSB, PDT, PPS e o PV.

Possibilidades

Mendes disse, em entrevista, que, durante a reunião com Maggi e Silval, foram avaliadas algumas possibilidades, mas evitou dar maiores detalhes.

Segundo o presidente da Fiemt, o encontro serviu apenas para discutir “possibilidades” e foi claro ao ressaltar que “nenhuma decisão foi ou será tomada sem a participação do PSB e das legendas que estão no mesmo projeto político”. “Não houve acordo nenhum”, afirmou.

Na reunião, Mauro foi enfático ao destacar que não está interessado em nenhum cargo no Legislativo. “Meu perfil não se encaixa no Legislativo, e acho que se tiver que contribuir para a sociedade seria no Executivo”, enfatizou.

Caso o PSB sele aliança com o grupo liderado por Maggi, poderá ser formado um “chapão” para as proporcionais. Nesse caso, o projeto de reeleição do presidente estadual do PSB, deputado federal Valtenir Pereira, poderá ficar comprometido.

A densidade eleitoral de candidatos à Câmara Federal, como dos deputados federais Wellington Fagundes e Homero Pereira, do PR, além de outros, pode, teoricamente, reduziria as chances de reeleição do presidente do PSB em Mato Grosso.

(Fonte: Mídia News)