Silval-Mendes: fácil ganhar a eleição, difícil governar, diz Muniz

Um dos líderes do movimento “Mato Grosso Muito Mais”, que tem o empresário Mauro Mendes (PSB) como pré-candidato ao Governo de Mato Grosso – condição que ele ainda não assumiu publicamente -, o deputado Percival Muniz (PPS) é contra uma aliança do grupo com o a ala que defende a pré-candidatura do vice-governador Silval Barbosa …

06/03/2010 10:56



Percival Muniz avaliou positivamente a repercussão dessa reaproximação política de Mendes e Maggi

Um dos líderes do movimento “Mato Grosso Muito Mais”, que tem o empresário Mauro Mendes (PSB) como pré-candidato ao Governo de Mato Grosso – condição que ele ainda não assumiu publicamente -, o deputado Percival Muniz (PPS) é contra uma aliança do grupo com o a ala que defende a pré-candidatura do vice-governador Silval Barbosa (PMDB).

Presidente regional do PPS, Muniz disse seria mais fácil ganhar a eleição com essa composição, maso seria mais difícil governar. “É muito gato no balaio. Essa cesta ia ficar pesada demais”, disse o deputado, em entrevista a Ana Rosa Fagundes, do Diário de Cuiabá. Para ele, um Governo eleito com um “grupão” tem sempre uma difícil administração. “Logo surgiriam cobranças e uma crise interna”, observou.

Como o Diário antecipou, o governador Blairo Maggi (PR) e o vice Silval estiveram reunidos com Mendes na quarta-feira (3), e tentaram demovê-lo do plano de ser candidato, usando como argumento a proposta de aliança.

Segundo Percival Muniz, uma pesquisa qualitativa mostrando qual é o perfil que o eleitorado quer definiria qual dos dois pré-candidatos comandaria o grupão. “Tenho certeza de que Mendes ganharia esse páreo. Mas, e depois? E para governar com tanta gente assim?”, questionou.

“Se o Mato Grosso Muito Mais estiver preocupado só com a eleição, a proposta é boa. Mas, se estiver preocupado com o Estado de verdade, não vai aceitar isso”, completou o deputado.

O PMDB trabalha com PR e PT. Já o grupo intitulado Mato Grosso Muito Mais tem PSB, PPS e PDT no comando do projeto, que ainda tem outros seis partidos menores: como PV, PCdoB, PMN, PRB, PRTB e PSC. Do outro lado, na oposição, estão o PSDB, DEM e PTB , que terão como pré-candidatos o prefeito de Cuiabá, Wilson Santos, e o senador Jaime Campos

Terceira via

Adotando a posição estratégica de “terceira via” e não de oposição, Percival Muniz avaliou, positivamente, a repercussão dessa reaproximação política de Mendes e Maggi.

“É bom para verem que não somos inimigos. Afinal, a maioria dos partidos é da base que ajudou a eleger e a reeleger [2002 e 2006] Maggi. O figurino de oposição é o PSDB quem veste”, disse o presidente do PPS.

Com o apoio de Maggi, Mauro Mendes, presidente da Federação das Indústrias de Mato Grosso (Fiemt), foi candidato à Prefeitura de Cuiabá em 2008 e chegou ao segundo turno contra o prefeito reeleito Wilson Santos (PSDB).

Em outubro de 2009, quando o nome de Silval já era praticamente certo para a majoritária, Mendes trocou o PR pelo PSB. Apesar de não confirmar, até hoje, sua candidatura, os esforços são claros e evidentes para isso.

Na entrevista do Diário, Percival observou que não esperava esse tipo de composição [a possibilidade de Mauro Mendes compor com Silval Barbosa], neste momento, mas sim, num possível segundo turno.

“Os partidos, com muita sabedoria, vão ter que analisar o quadro político e as consequências dessa possível junção”, disse.

Ele também elogiou a conduta de Mendes, que, após receber proposta logo comunicou ao grupo de Maggi e Silval, afirmou que trabalha sua candidatura ao Governo, deixando claro que qualquer decisão será tomada em conjunto.

(Mídia News)