300 candidatos foram prejudicados no Exame da OAB, diz Stábile

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil em Mato Grosso, Cláudio Stábile, informou que cerca de 300 candidatos no Estado foram prejudicados com a anulação do Exame da Ordem Unificado, anunciada neste domingo (7) pelo presidente nacional da entidade, Ophir Cavalcante. O fato ocorreu por conta da constatação de uma irregularidade com a prova …

08/03/2010 13:14



Presidente da OAB-MT, Cláudio Stabile

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil em Mato Grosso, Cláudio Stábile, informou que cerca de 300 candidatos no Estado foram prejudicados com a anulação do Exame da Ordem Unificado, anunciada neste domingo (7) pelo presidente nacional da entidade, Ophir Cavalcante. O fato ocorreu por conta da constatação de uma irregularidade com a prova prático-profissional de Direito Penal, aplicada em Osasco (SP) no dia 28 de fevereiro.

Conforme Stábile, que esteve em Brasília neste fim de semana discutindo o assunto, um candidato foi pego com o gabarito totalmente respondido antes da aplicação da prova.

Diante desse fato, a OAB solicitou ajuda à Polícia Federal, que agora investiga qual o vazamento. A OAB, segundo o presidente estadual, ainda estuda se vai ressarcir os candidatos que tiveram de se deslocar para os locais de prova. A decisão será divulgada nos próximos dias. Enquanto prosseguem as investigações para verificar a veracidade dos fatos, a entidade marcou para 11 de abril a nova data de provas.

Conforme a OAB nacional, não haverá qualquer custo adicional para os candidatos que concorriam à fase anulada. “A unificação está mantida e a credibilidade do Exame de Ordem é o mais importante neste momento”, destacou Ophir, lembrando que a aplicação da prova passou a ser unificado em todos os Estados brasileiros a partir de 2009.

“Queremos assegurar à sociedade brasileira que o Exame de Ordem tem sido um instrumento balizador do ensino jurídico no Brasil e assim continuará sendo”, assegurou. A mesma opinião tem Stábile, que indica que a OAB fará o possível para que não paire nenhuma dúvida quanto ao Exame e volte a ser totalmente confiável.

De acordo com Stábile o presidente nacional quer que prossiga a sindicância aberta pelo Cespe da Universidade de Brasília, que em parceria com a OAB, é responsável pela elaboração e aplicação das provas do Exame. O Cespe garantiu à entidade nacional que “se compromete ainda a acentuar e privilegiar um sistema de segurança maior do Exame, para que as possibilidades de fraude não se repitam e para que possamos aprender com essas situações desagradáveis, mas que acabarão servindo de novo instrumento para afirmar a qualidade do Exame de Ordem”.

No que se refere à Seccional da OAB de São Paulo, ele disse que sindicância aberta “teve conclusão descartando qualquer tipo de envolvimento da entidade”. Conforme informações da OAB, os estudantes serão notificados individualmente pela entidade sobre o cancelamento e a nova data do exame e ainda por editais publicados em jornais.

(Fonte: Mídia News)