Maggi entrega licença ambiental para duplicação da BR 163/364

A licença ambiental para a duplicação da BR163/364 foi entregue pelo governador Blairo Maggi, nesta terça-feira (23), ao diretor geral do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), Luiz Antônio Pagot, e ao diretor de Licenciamento Ambiental do Ibama, Pedro Bignelli. A rodovia é considerada uma das mais importantes rotas para o escoamento da produção …

24/03/2010 16:04



A licença ambiental para a duplicação da BR163/364 foi entregue pelo governador Blairo Maggi, nesta terça-feira (23), ao diretor geral do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), Luiz Antônio Pagot, e ao diretor de Licenciamento Ambiental do Ibama, Pedro Bignelli. A rodovia é considerada uma das mais importantes rotas para o escoamento da produção mato-grossense.

A obra, que tem uma extensão de 45,40 km, ligando a cidade de Rosário Oeste e a localidade de Posto Gil, no município de Diamantino, é o primeiro de 5 outros pontos a serem duplicados e recuperados no Estado. O investimento total, que chega a aproximadamente R$ 1 milhão, está inserido Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), do governo federal.

Ao todo, o projeto prevê a duplicação de cerca de 300 quilômetros da rodovia com previsão de conclusão total em 2 anos. Na ocasião o governador agradeceu os órgãos envolvidos. De acordo com o diretor geral do Dnit, a parceria mantida com o Ibama e com a Sema, deve agilizar todo o processo burocrático da obra.

Pagot ressaltou que as audiências públicas para debater a obra na BR 163/364 estão previstas para começarem no dia 10 de abril. “A partir das discussões, que deve ocorrer no final do próximo mês, terão inícios os processos licitatórios”.

O diretor de Licenciamento Ambiental do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Pedro Bignelli, disse que essa união deverá ser mantida também nos investimentos previstos. Para o setor agropecuário, a duplicação da BR 163/364 deve incentivar a queda no custo de produção das safras mato-grossenses. O setor agropecuário de Mato Grosso acredita que a conclusão da obra, irá facilitar o escoamento da produção.

“É um dos modais de transporte mais importantes para a agricultura. Pela rodovia, praticamente 100% da produção é escoada”, avaliou o deputado federal Homero Pereira (PR), que é integrante titular da Comissão e vice-presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA).

O presidente da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja), Glauber Silveira, enfatizou que, mesmo que a ferrovia seja concluída, a BR163/364 não vai perder a sua importância para o setor produtivo. Segundo ele, a maior parte da produção transita pelo corredor rodoviário. Ele destaca que as regiões Oeste e Leste mato-grossenses estão entre as beneficiados com o investimento.

O vice-presidente do Sindicato Rural de Rondonópolis, Ricardo Tomczyk, também aponta para a importância da rodovia. “A duplicação e reforma do trecho irá beneficiar toda a população, não só a pecuária ou a agricultura”.

(Fonte: A Gazeta)