Projeto Teles Pires Mata Viva será debatido em Colíder

A Assembleia Legislativa promove no próximo dia 30 (sexta-feira), uma audiência pública no município de Colíder, para debater o “Projeto Teles Pires Mata Viva”. Na oportunidade, será oficializado o reconhecimento do projeto como de interesse público e modelo de sustentabilidade socioambiental e econômico para 13 municípios – Sinop, Cláudia, Colíder, Nova Canaã do Norte, Terra …

23/04/2010 11:00



O evento acontecerá ás 13 horas, no CTG “Porteira Aberta”, e contará com as participações de autoridades políticas, representantes sindicais, ONG’s, empresários e população

A Assembleia Legislativa promove no próximo dia 30 (sexta-feira), uma audiência pública no município de Colíder, para debater o “Projeto Teles Pires Mata Viva”. Na oportunidade, será oficializado o reconhecimento do projeto como de interesse público e modelo de sustentabilidade socioambiental e econômico para 13 municípios – Sinop, Cláudia, Colíder, Nova Canaã do Norte, Terra Nova do Norte, Nova Guarita, Nova Santa Helena, Itaúba, Marcelândia, Peixoto de Azevedo, Matupá, Guarantã do Norte e Novo Mundo.
O Projeto Teles Pires Mata Viva defende a preservação e conservação do meio ambiente, promovendo o desenvolvimento sustentável, com atuação abrangente. O debate é uma iniciativa dos deputados José Riva (PP) e Mauro Savi (PR). “Esse projeto engloba a visão de sustentabilidade para a grande, média e pequena propriedade rural”, avaliou Savi. Entre os pequenos proprietários de terras, estão incluídos também os assentados da Política Nacional de Reforma Agrária, assistidos pelo Programa Nacional de Agricultura Familiar (Pronaf), direcionados à gestão ambiental, desenvolvimento econômico e responsabilidade social.

O Projeto Teles Pires Mata Viva, a exemplo dos projetos Xingu Mata Viva e São Lourenço Mata Viva, se baseia na metodologia “Brasil Mata Viva”, desenvolvida pelo IDESA que teve seu modelo socioambiental e econômico reconhecido como de utilidade pública pelo Estado de Mato Grosso, por meio das Leis nº. 8.981, de 26 de setembro de 2008.

“Assim sendo, da mesma maneira que o Xingu e o São Lourenço foram reconhecidos, entendemos que o Teles Pires Mata Viva deva receber o mesmo tratamento”, explicou Riva.

Por meses, uma equipe técnica desenvolveu um trabalho de base estabelecendo mecanismos e metodologias que reconheceram a importância do Rio Teles Pires, que ao unir-se ao Juruena, forma o Tapajós – um dos maiores e mais importantes afluentes do Rio Amazonas.

Conforme a coordenadora de núcleos do Projeto Teles Pires Mata Viva, Berenice Liberali Weissheimer, a mobilização e a aceitação local em torno do projeto, nos 13 municípios, ganhou repercussão e ressonância extra-regional, fato que despertou a atenção da Assembleia Legislativa para a realização da audiência pública.
“O objetivo da audiência é a discussão do Plano de Desenvolvimento Sustentável do Modelo Brasil Mata Viva, que busca a compensação financeira para a preservação do meio ambiente, através de Pagamento por Serviços Ambientais (PSA) e a sistematização dos setores produtivos que existem na região, valorizando as iniciativas locais, em conjunto com os agricultores patronais, familiares e os empresários”, lembrou Berenice.

A coordenadora afirmou ainda que a definição dos municípios para o núcleo teve como base os de maior relevância para a Unidade de Planejamento e Gerenciamento (UPG) das divisas hidrográficas definidas pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema). Nesse caso, destaca-se a UPG do Médio Teles Pires (UPG A5), que faz parte da região hidrográfica nacional Amazônica.

A iniciativa visa também implementar o reflorestamento e o turismo, aproveitando os recursos naturais, principalmente água mineral, além de estimular as demais cadeias produtivas locais. “É a busca de uma alternativa econômica, social e ecologicamente correta, que através deste projeto, será implantada na região”, disse Riva.

O evento acontecerá ás 13 horas, no CTG “Porteira Aberta”, e contará com as participações de deputados estaduais e federais, senadores, representantes sindicais, ONG’s, vereadores, prefeitos, empresários e população.