Brasil deve crescer mais que China no 1º trimestre

O dado oficial só será divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na terça-feira da semana que vem, mas, levando-se em conta as projeções do mercado financeiro, já é possível prever que o País será um dos líderes no período. O Itaú Unibanco, por exemplo, estima uma alta do Produto Interno Bruto (PIB) …

31/05/2010 18:36



O dado oficial só será divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na terça-feira da semana que vem, mas, levando-se em conta as projeções do mercado financeiro, já é possível prever que o País será um dos líderes no período.

O Itaú Unibanco, por exemplo, estima uma alta do Produto Interno Bruto (PIB) de 3% nos três primeiros meses do ano, na comparação com o quarto trimestre do ano passado. É uma das projeções mais elevadas de todo o mercado. Em um cálculo anualizado – ou seja, assumindo que o ritmo se manteria pelo resto do ano -, seria o equivalente a crescer 12,6% em 2010. A China, por exemplo, expandiu-se a um ritmo anual de 11,2% entre janeiro e março.

O líder do ranking deve ser a Índia, que avançou a uma taxa anual de 13,4%. O economista-chefe do Itaú Unibanco, Ilan Goldfajn, observa que há risco de a expansão brasileira no trimestre ser ainda mais forte. O departamento econômico da instituição calcula a alta do PIB mensalmente.

Considerando os resultados de janeiro, fevereiro e março nesse levantamento, o crescimento no trimestre seria de 3,6%. Ele admite que os próprios analistas se surpreenderam com o número. Por isso, preferiram optar por uma estimativa mais conservadora. Independentemente da posição do Brasil nesse hipotético ranking global, o fato é que a expansão no trimestre foi bastante superior ao que praticamente todos os analistas esperavam. Por isso, sem uma única exceção, eles projetam uma desaceleração daqui para a frente.

O próprio Itaú acredita que o ritmo de crescimento do PIB vai cair da faixa de 12% para algo como 4% ou 5% no último trimestre do ano. É essa freada que explica a projeção de alta para 2010 inteiro, hoje em 7,5%.

Os especialistas argumentam que, nesse cenário, a expressiva desaceleração é bem-vinda. O Brasil, dizem, não consegue crescer a uma taxa superior a 4% ou 5% de forma sustentável – ou seja, sem uma alta da inflação para um nível acima da meta estabelecida pelo governo ou sem abrir um rombo nas contas externas.

“O risco de acelerar demais é sair da estrada e ser obrigado a voltar para trás para retomar a rota”, diz o economista-chefe da Sul América Investimentos, Newton Rosa. Por isso, avalia, o Banco Central (BC) acertou ao iniciar no mês passado o ciclo de elevações da taxa básica de juros (a chamada taxa Selic subiu de 8,75% para 9,50% ao ano). Se o BC demorasse para agir, diz Rosa, seria obrigado a retrair a economia de uma forma mais intensa, o que poderia causar até mesmo retração do PIB em algum trimestre.

Economistas explicam que, apesar da freada substancial, o brasileiro não sentirá efeitos ruins no dia a dia. “Essa acomodação é positiva, porque levará o País a crescer mais devagar e de forma mais sustentável”, afirma a economista-chefe do banco ING, Zeina Latif. “A economia continuará indo para a frente, mas em ritmo mais lento. É um crescimento mais equilibrado”, diz o economista-chefe da Sul América Investimentos, Newton Rosa.

Para André Loes, economista-chefe do HSBC, o maior problema para o País sustentar um crescimento mais elevado é a falta de investimentos. “O País não adiciona capacidade produtiva em uma velocidade suficiente para evitar um descompasso entre a oferta e a demanda”, explica.