Azul começa a operar em Cuiabá na próxima semana

Primeira empresa do mundo a atingir mais rapidamente a marca de 3 milhões de passageiros transportados, a Azul Linhas Aéreas Brasileiras prepara-se para chegar a Cuiabá no próximo dia 7, operando com voos diários para Campinas (SP) em dois horários distintos e tarifas mais baixas em relação às aéreas em operação no mercado. “Viemos para …

01/06/2010 13:46



Primeira empresa do mundo a atingir mais rapidamente a marca de 3 milhões de passageiros transportados, a Azul Linhas Aéreas Brasileiras prepara-se para chegar a Cuiabá no próximo dia 7, operando com voos diários para Campinas (SP) em dois horários distintos e tarifas mais baixas em relação às aéreas em operação no mercado.

“Viemos para suprir uma necessidade da região. O potencial não está plenamente explorado e vamos ser a melhor opção para os passageiros nos voos para Campinas”, explicou Gianfranco Panda Beting, diretor de Marketing da Azul.

Segundo ele, os voos a partir de Cuiabá serão diretos, com preços promocionais. “Além de ser uma viagem mais rápida, o custo das passagens por trecho será bem menor, R$ 169 por trecho, afirma”.

Panda acredita que tarifas mais baratas permitem maior acesso ao transporte aéreo e possibilita às pessoas conhecer mais o país em que vivem.

A Azul opera com jatos 190 e 195, da Embraer (Empresa Brasileira de Aeronáutica), com capacidade para 106 e 118 passageiros, respectivamente. A companhia conta com uma frota de 15 aviões, operando em 21 cidades e empregando cerca de duas mil pessoas diretamente.

Cuiabá será a 22ª cidade brasileira a contar com a presença da Azul, que deverá gerar de imediato cerca de 10 empregos diretos e tem previsão de transportar 180 passageiros diariamente – 5,4 mil por mês – a partir de Cuiabá. A média de ocupação esperada no trecho Cuiabá-Campinas é de 80% a 85% dos 106 lugares disponíveis a cada voo.

Em todo o país a Azul transportou no ano passado 2,2 milhões de passageiros, com meta de chegar a 4 milhões em 2010.

A vinda para Mato Grosso faz parte do plano de expansão da Azul, que quer atender este nicho de mercado com tarifas acessíveis e qualidade nos serviços. A empresa é a única no mundo a equipar 100% de sua frota com HUDs e EFBs duplos, que aumentam significativamente a segurança nas operações.

“Trabalhamos para ser a melhor companhia aérea do mundo”, afirma o executivo. Para alcançar este objetivo, a Azul criou um conjunto de diferenciais. Inovou operando várias linhas de ônibus executivos gratuitos ligando diariamente o aeroporto de Campinas com a Capital paulista (Barra Funda e shoppings Eldorado e Tamboré) e ainda às cidades de Piracicaba, Jundiaí, Sorocaba e Santa Bárbara D’Oeste.

A Azul é também a única empresa aérea brasileira que possui seu próprio simulador. Esse avançado equipamento é empregado para treinar também os pilotos de outras empresas aéreas e até mesmo pelos pilotos da Força Aérea Brasileira (FAB).

PONTUALIDADE – Segundo dados da Agência Nacional de Aviação Civil, a Azul foi a empresa mais pontual em 2009 dentre todas as companhias aéreas domésticas, com média mensal de voos no horário de 91,9%. “Isso mostra que decisões estratégicas como a de ter sempre uma aeronave de reserva, em prontidão para cobrir algum atraso ou cancelamento na malha, geram dividendos para quem é mais impactado por um eventual atraso”. Em 2010, o índice de pontualidade avançou para 93%.

Panda explicou que as aeronaves da Azul são mais confortáveis e não possuem a poltrona do meio. Ele informou que a partir de novembro a companhia estará com 36 canais de TV operando ao vivo em cada poltrona. “Este é mais um diferencial para nossos clientes, que também vão contar com serviço de bordo diferenciado e mais eficiente”, afirma.

Transporte aéreo de passageiros deve triplicar no Brasil em 20 anos, diz Ipea

O transporte de passageiros no mercado brasileiro deve mais do que triplicar nos próximos 20 anos, segundo projeção do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) divulgada nesta segunda-feira (31). O instituto alerta, entretanto, que o desenvolvimento do setor está condicionado à modernização da infraestrutura dos aeroportos, sobretudo os do Estado de São Paulo.

Para chegar à estimativa, o levantamento considera a hipótese conservadora de a economia brasileira crescer 3,5% ao ano. O Ipea afirma que “a taxa de crescimento pode ser ainda maior se as restrições de capacidade no Terminal São Paulo – Congonhas, Guarulhos e Viracopos – forem resolvidas”. O instituto faz um alerta para a capacidade dos aeroportos brasileiros.

A deficiência aeroportuária prejudica consideravelmente as operações aéreas, na medida em que aeroportos como Congonhas, Guarulhos e Brasília já atingem ou estão próximos da sua capacidade operacional máxima. Estes gargalos se tornarão ainda mais graves a partir de 2013.

Transporte de cargas

O estudo do Ipea prevê ainda que o transporte aéreo de cargas deve crescer cerca de 150% até 2025. Apesar do salto, o setor representará apenas 1% dos transportes daqui a 15 anos. Dados de 2005 mostram que o transporte rodoviário representava 58% do total, o ferroviário era 25% e o aéreo apenas 0,4%.

Os fatores que contribuiriam para esse aumento do transporte aéreo são a dimensão continental do território, a alta mobilidade geográfica e social da população, o acelerado deslocamento das fronteiras econômicas, vasta gama de bens e serviços e estabilidade monetária no longo prazo, além do aumento persistente do poder aquisitivo dos consumidores.