dispositivo de segurança será obrigatório a partir de 4ª

A partir desta quarta-feira, quem for flagrado transportando crianças de até sete anos e meio fora da cadeirinha específica ou bebê-conforto nos carros de passeio será multado em R$ 191,54 e terá o veículo retido até regularizar a situação. A determinação consta na Resolução 277/2008 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran). A infração é considerada …

06/06/2010 10:19



A partir desta quarta-feira, quem for flagrado transportando crianças de até sete anos e meio fora da cadeirinha específica ou bebê-conforto nos carros de passeio será multado em R$ 191,54 e terá o veículo retido até regularizar a situação. A determinação consta na Resolução 277/2008 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran).

A infração é considerada gravíssima e prevê o acréscimo de sete pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH). Em Cuiabá, a Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes Urbanos (SMTU) afirma que já faz blitze educativas para orientar os pais e promete rigor na fiscalização.

“Nós já estamos orientando. Ano passado fizemos blitze informando sobre a resolução, que entraria em vigor. Em maio, no mês das mães, realizamos campanhas com foco nas cadeirinhas e a segurança no transportes dos filhos”, garantiu o diretor de Trânsito da SMTU, Dativo Rodrigues. “Instalamos outdoors pela cidade alertando sobre a importância das cadeirinhas e das faixas de pedestres”, acrescentou.

Os infratores também já estão sendo multados. “Só em 2009, foram lavrados mais de 500 autos de infração com criança sentada no banco da frente e sem o cinto de segurança”, informou. Neste ano, conforme Rodrigues, já são pelo menos 150 autos.

Este, porém é um risco que mães prevenidas como a bancária Cristiane César Taques, 34 anos, e a secretária Priscila Cristina Vitório Ramires, 22, não correm. “Desde quando a minha filha nasceu, ela é colocada no bebê-conforto. Hoje, ela já se acostumou e não reclama”, afirmou Priscila Ramires, mãe de Júlia, de dois anos.

O mesmo acontece com o pequeno Cristian, de 3 anos. “No trânsito de Cuiabá, direto a gente passa por situações em que é preciso frear rapidamente, mas o Cristian está sempre na cadeirinha e bem seguro”, contou Cristiane Taques. “Ele usa a cadeirinha desde quando nasceu e hoje ele já senta sozinho, é o primeiro a querer sentar nela. É uma questão de cultura, de costume”, acrescentou.

De acordo com a ONG Criança Segura (www.criancasegura.org.br), estudos americanos mostram que as cadeiras, quando instaladas e usadas corretamente, diminuem os riscos de óbito em até 71% em caso de acidente.

Ocorre que quando a criança está dentro de um carro em movimento e há uma parada brusca, ela é lançada para frente atingindo o pára-brisa, além de poder ser lançada para fora do carro por uma janela ou porta aberta. Se isso acontecer, a probabilidade de morte aumenta significativamente. O que os assentos de segurança fazem é conter a criança em tais situações.

Também não é seguro carregar a criança no colo, mesmo no banco traseiro. Isso porque, em caso de acidente, a força que a criança exerce não é suportável para nenhum ser humano.

Ainda segundo a ONG, os acidentes de trânsito representam a principal causa de morte de crianças de 1 a 14 anos no Brasil. Em 2007, dados mais atuais do Ministério da Saúde apontam que 2.134 crianças morreram e 15.194 foram hospitalizadas vítimas desses acidentes.

Do total de mortes de crianças até 14 anos por acidentes de trânsito (2.134), 28% ocorreram com elas na condição de passageira de veículo. A SMTU não tem dados sobre o número de crianças envolvidas em acidentes de trânsito na Capital.