Copa 2010 é aberta com música e campaha por educação

Os sul-africanos, com toda a sua alegria, adoram festa. Os sul-africanos, por si só, já são uma festa. E nada melhor que uma grande celebração para marcar o início da 19ª Copa do Mundo de futebol, a primeira realizada na África. Nesta quinta-feira, um dia antes de a bola rolar nos gramados, o Orlando Stadium, …

10/06/2010 21:47



Os sul-africanos, com toda a sua alegria, adoram festa. Os sul-africanos, por si só, já são uma festa. E nada melhor que uma grande celebração para marcar o início da 19ª Copa do Mundo de futebol, a primeira realizada na África.

Nesta quinta-feira, um dia antes de a bola rolar nos gramados, o Orlando Stadium, em Soweto, viu o que o planeta vai ver nos próximos 31 dias: muita alegria! Num show com três horas de duração, repleto de astros da música internacional, a Copa começou prometendo deixar como maior legado a educação e exaltando o líder Nelson Mandela.

Um continente que passou séculos convivendo com os olhares desconfiados do resto do mundo estava em êxtase ao saber que de 11 de junho a 11 de julho o mundo estará com os olhos voltados para ele.

Diante de um público estimado em 36 mil pessoas, o presidente sul-africano, Jacob Zuma, e o presidente da Fifa, Joseph Blatter, abriram as cortinas do espetáculo.

– Estou muito feliz em estar aqui. O futebol conecta os povos. A meta de toda essa festa é a educação para todos – disse Blatter, dando o primeiro aviso sobre “educação”.

Zuma agradeceu à Fifa por ter escolhido a África do Sul, seis anos atrás, como sede da Copa do Mundo de 2010 e poder dar a quase 50 milhões de pessoas a oportunidade de viver um sonho que talvez fosse impensado para a esmagadora maioria delas.

– Hoje conseguimos provar que a África tem capacidade de organizar um evento de proporção mundial. E peço que todos vocês mostrem esse calor aos visitantes até o dia em que eles forem embora daqui. A África é a sede. A África é o palco. A África é “cool” !!! (legal!).

Seguindo o protocolo, os telões do Orlando Stadium exibiram um filme com diversas personalidades do futebol. Entre tantos craques da bola, foi o brasileiro Pelé, tricampeão do mundo, quem encerrou o clipe “Um Gol. Educação Para Todos!” (sendo que, em inglês, a palavra goal também significa “objetivo”). Hora da festa!

Perguntando “onde está o amor?”, com versos do hit “Where Is The Love?”, o Black Eyed Peas entrou no palco para abrir o show. Na voz de Fergie, a banda norte-americana animou o público com quatro dos seus maiores sucessos: “Pump It Up”, “Meet Me Halfway”, “Ba Bump” e “I Gotta Feeling”.

Depois, foi a vez de Amadou & Mariam, uma dupla de cegos do Mali, com duas músicas. Novamente, uma pausa para outro filme. Novamente, sobre educação. Com a tela dividida em duas, o curta mostrou a caminhada de Mary e Susan do nascimento até os 24 anos. A primeira, sem nenhum acesso aos estudos. A segunda, criada num mundo de livros, apostilas e escolas. O fim das duas não seria difícil de prever e o filme acaba com ambas num hospital: Mary, miserável, acaba de perder o seu bebê; Susan era a médica de plantão. Para fechar, o lema: “Um Gol. Educação Para Todos!”.

Quando chega a vez de Desmond Tutu. Todo paramentado de Bafana Bafana, o prêmio Nobel da Paz de 1984 roubou a cena. Dançando, cantando, rindo e fazendo rir, o arcebispo parecia não acreditar no que estava acontecendo. Por mais de uma vez ele disse “estou sonhando, alguém pode me acordar?”. E não poupou elogios àquele que é o grande responsável pelo país estar respirando alegria depois de tanto tempo de sofrimento.

Estamos em Soweto e ele está em Joanesburgo (separados por poucos quilômetros). Mas se a gente gritar ele escuta: “Mandeeeeeela!!!”, “Viva, Madibaaaaaaa!” – ordenou Tutu, obviamente atendido por todos.

Sem dúvida nenhuma que Mandela, morador do bairro de Houghton, escutou. Escutou e com certeza se emocionou. Aos 91 anos, o ex-presidente sul-africano e grande ícone pelo fim do apartheid, não foi ao show. Raramente ele faz aparições públicas, mas nesta sexta-feira ele irá ao Soccer City para a partida de abertura da Copa, entre África do Sul e México, a partir das 16h (11h pelo horário de Brasília). Antes de se despedir, Desmond Tutu gritou um dos slogans do Mundial.

– Ke Nako !!! (“Chegou a hora”) – despediu-se o arcebispo, chamando mais um clipe.

Na tela, Mandela. Um rápido vídeo mostrou momentos do grande líder: “advogado, boxeador, marido, pai, revolucionário…”. Alguns na platéia foram às lágrimas. Para quem assistia chegava a ser difícil ao menos tentar se colocar no lugar de um sul-africano e entender o que se passava naquele momento.

O show seguiu com atrações nacionais e internacionais. O colombiano Juanes levantou o público com seus ritmos latinos, a americana Alicia Keys embalou a todos com seu rhytm’n’blues, e o somali K´Naan, anunciado pelo ex-jogador brasileiro Sócrates (com um gorrinho cheio de estilo), fez a multidão explodir em bandeiras com o seu “Wavin’ Flag”, um dos hinos desta Copa do Mundo e música que você vai ouvir muito durante os próximos 30 dias.

Chega o gran finale. Cheia de curvas e rebolado, a colombiana Shakira fechou com chave de ouro a cerimônia. E todos se despediram, com fogos de artifício no frio céu de Soweto (eram 10 graus), ao som de mais um tema do Mundial: “Waka Waka (This Time For Africa)”.

Nesta quinta-feira, a África do Sul deu apenas um aperitivo do que está por vir. Na sexta, a bola rola. E até dia 11 de julho o país será de alegria. O continente será um sorriso só.

Ke Nako! Chegou a hora!