Criança britânica tem doença rara e se alimenta por tubo

Tabitha Stuttard é uma criança normal de apenas dois aninhos de idade. Normal até a hora de comer, aliás, ela nunca comeu. Tabitha sofre de agenesia do corpo caloso, doença que faz com que ela tenha seu desenvolvimento psicomotor afetado. Com isso ela precisa ser alimentada por um tubo que vai até o seu estômago, …

16/06/2010 11:06



Tabitha Stuttard é uma criança normal de apenas dois aninhos de idade. Normal até a hora de comer, aliás, ela nunca comeu. Tabitha sofre de agenesia do corpo caloso, doença que faz com que ela tenha seu desenvolvimento psicomotor afetado.

Com isso ela precisa ser alimentada por um tubo que vai até o seu estômago, desde quando tinha apenas seis meses de idade. Na ocasião, a decisão foi tomada depois que os médicos descobriram que ela tinha uma aversão a tudo que punha na boca.

Seus pais estão desesperados com um tratamento que custa cerca de 15 mil libras. Segundo eles é a chance que a menina tem de começar a comer “de verdade”. Vicky Pitt, mãe de Tabitha, disse que a menina se recusa a comer desde que nasceu. Então os médicos decidiram usar um tubo que iria mantê-la alimentada.

“Ela se alimenta com um leite de alto teor calórico através de um tubo que vai até seu estômago. Se eu chegar com uma colher de comida, ela sai correndo”, contou Vicky.

Aos poucos a menina tem aceitado tentar comer alguns pedacinhos de alimentos, apresentando certa dificuldade. As vezes até vomita. Mesmo assim seus pais não desistem. “Ela é uma menina linda, feliz e sorridente. Já passou por muita coisa e vamos com ela até o dia que ela possa comer sozinha”, disse Mike, pai de Tabitha.

O casal descobriu uma clínica austríaca especializada em fazer com que crianças que necessitem do tubo para se alimentar, largue-os, tornando-se ‘independentes’ para comer. Segundo o site da instituição, cerca de 800 crianças foram curadas em 20 anos.

Mike e Vicky querem que sua filha comece logo o tratamento. De acordo com médicos consultados, quanto mais cedo iniciado, as chances de cura são maiores. O que ainda os impede é o alto custo do procedimento que faz com que o casal não tenha condições de bancar o tratamento.

Agora, segundo o jornal Daily Mail, eles estão recorrendo a ajuda de vizinhos e voluntários, chegando inclusive a criar uma página no site de relacionamentos Facebook intitulada de “Help Tabitha Eat” (Ajude a Tabitha a comer, em tradução livre).

A agenesia é uma rara doença, caracterizada pela ausência do corpo caloso. Este deveria se desenvolver entre a décima segunda e vigésima semana de gestação. É ele quem faz a ligação e a comunicação entre os dois hemisférios cerebrais. A sua ausência pode apresentar sintomas como epilepsia e atraso no desenvolvimento psicomotor, como no caso de Tabitha. A doença afeta cerca de duas crianças a cada mil nascimentos.