Sistema viário da Grande Cuiabá vai mudar para a Copa

Dentro do perímetro urbano de Cuiabá e Várzea Grande, ao longo de 21 quilômetros das rodovias BRs 163, 364 e 070, do trevo Tijucal – início da Avenida Fernando Corrêa – até o aeroporto Marechal Rondon, está prevista a execução de um pacote de obras orçado em R$ 364 milhões em intervenções viárias visando à …

19/06/2010 10:37



Dentro do perímetro urbano de Cuiabá e Várzea Grande, ao longo de 21 quilômetros das rodovias BRs 163, 364 e 070, do trevo Tijucal – início da Avenida Fernando Corrêa – até o aeroporto Marechal Rondon, está prevista a execução de um pacote de obras orçado em R$ 364 milhões em intervenções viárias visando à Copa de 2014. Por enquanto, apenas R$ 32 milhões estão assegurados.

São duas pontes, 10 viadutos, diversas trincheiras, além de adequações e melhorias em algumas rotatórias. Algumas das obras devem começar no primeiro semestre de 2011, após o fim da temporada de chuvas.

 O Departamento Nacional de Infra-Estrutura Terrestre (DNIT) realizou audiência pública na Assembleia Legislativa para apresentar e debater os projetos.

Conforme explanação feita pelo engenheiro Nívio Melhorança, da Exímia Construções e Serviços, empresa que pesquisou e elaborou a maioria dos projetos, no Trevo do Tijucal será construído um viaduto conjugado com trincheira (passagem subterrânea). O viaduto dará acesso à Fernando Corrêa e a trincheira ligará a avenida a Archimedes Pereira de Lima (estrada do Moinho).

Na entrada do bairro Parque Cuiabá também será edificado um viaduto ligando a região ao Centro e rotatórias com passagens inferiores para os bairros. Sobre o rio Cuiabá serão construídas duas pontes para substituir atuais e o viaduto. No Trevo da UFMT também está previsto um viaduto e, logo à frente, uma rotatória para atender quem entra e sai do Jardim das Américas.

Na avenida Miguel Sutil (Perimetral), o primeiro viaduto está programado para o Trevo do Leblon, um dos pontos de congestionamentos. Logo à frente, para melhorar a fluidez do trânsito, será construída uma única trincheira, de 900 metros de extensão, para dois trevos, das avenidas dos Trabalhadores e Jurumirim.

Essa trincheira, explicou Melhorança, será semelhante a uma existente na avenida Paulista, em São Paulo, ou seja, com abertura para ventilação e iluminação. Esse projeto quem acompanha o planejamento urbanístico lembrará que já estava previsto desde a década de 1997, nos mesmos moldes, na lei que criou o Plano Diretor de Desenvolvimento Estratégico (PDDE).

No trevo do Despraiado, próximo ao Parque Mãe Bonifácia, o plano também é construir um viaduto. Já para os trevos do Santa Rosa e Verdão estão programação passagens subterrâneas, ou seja, trincheiras. No Trevo do Cidade Alta o Dnit quer construir um viaduto. Nos dois cruzamentos seguintes, do bairro Coophamil e da rua Barão de Melgaço, serão feitas somente adequações viárias.

Chegando em Várzea Grande, as obras começam com um viaduto conjugado com trincheira na avenida da FEB, pouco depois do trevo do Cristo Rei. Nesse ponto, haverá uma passagem direta para a avenida Orlando Chaves, a principal do Cristo Rei. Para a avenida 31 de Março, quase chegando no aeroporto, está prevista uma trincheira assim como na chegada ao aeroporto.

O diretor-geral do órgão, Luiz Antônio Pagot, informou que além dos R$ 32 milhões assegurados para este pacote de obras, existe a possibilidade de liberação de mais R$ 80 milhões. De acordo com Pagot, o Dnit está conversando com a bancada mato-grossense e pedindo para que cada um dos parlamentares apresente indicação de R$ 140 milhões no orçamento da União. A audiência pública foi presidida pelo novo superintendente do DNIT em Mato Grosso, Nilton de Brito.