Silval culpa gestões passadas pela insegurança em MT

O governador Silval Barbosa (PMDB), candidato à reeleição, disse que um dos principais problemas da Segurança Pública no Estado de Mato Grosso é a falta de investimentos de gestões anteriores. “Ao longo dos anos, nos outros governos, faltou investimento na Segurança. Precisamos de uma política de contratação permanente nessa área”, disse o peemedebista, em entrevista. …

23/06/2010 10:29




O governador Silval Barbosa (PMDB), candidato à reeleição, disse que um dos principais problemas da Segurança Pública no Estado de Mato Grosso é a falta de investimentos de gestões anteriores.

“Ao longo dos anos, nos outros governos, faltou investimento na Segurança. Precisamos de uma política de contratação permanente nessa área”, disse o peemedebista, em entrevista.

Silval destacou que o ideal seria ter um efetivo superior a 12 mil policiais militares, porém, atualmente, existem menos de sete mil no efetivo da PM. Ele ainda observou que esse número seria inferior, caso não houvesse a política implementada durante a gestão do ex-governador Blairo Maggi (PR).

“35% do efetivo atual foi contratado na gestão Maggi e, agora, com o concurso iremos contratar mais 1,2 mil policiais, sabemos que não resolverá, mas estamos trabalhando para isso”, declarou.

Sobre os índices de criminalidade no Estado, que estão acima do aceitável, Silval Barbosa declarou ser impossível zerar os percentuais, mas assumiu o compromisso de que a Segurança Pública atuará para solucionar o problema. “Determinamos que o Estado faça o enfrentamento à criminalidade e reduza os índices”, afirmou.

O governador voltou a ressaltar que o trabalho de intensificação no combate às “bocas-de-fumo” nas cidades do Estado tem dado resultados positivos, citando que esse trabalho já resultou na prisão de mais de 640 pessoas envolvidas com o tráfico de drogas.

“Vamos continuar intensificando o combate às bocas. Paralelamente, vamos dar amparos àqueles que se envolveram com as drogas. Para isso, estamos buscando parcerias com entidades que já cuidam da recuperação dos dependentes”, disse.

Ele ainda declarou que irá ampliar as bases comunitárias da Polícia Militar no Estado, observando que esse molde de policiamento envolve a sociedade no combate a criminalidade. Silval ainda destacou a necessidade de reestruturação das bases existentes.

“É inadmissível que um cidadão saiba onde tem um ponto de droga e a polícia não tenha conhecimento. As bases comunitárias precisam reforçar esse trabalho junto à comunidade e combater a criminalidade”, disse Silval.

Com relação ao combate de tráfico de drogas na região de fronteira do Brasil com a Bolívia, em território mato-grossense, Silval informou que já comunicou ao Governo Federal quanto à necessidade de se fazer um trabalho em conjunto para priorizar esse setor.

“Pedi para que esse policiamento seja reforçado e a Força Nacional, ao invés de estar fazendo operações às vezes equivocadas, prendendo madeireiros, deveria estar na fronteira combatendo o tráfico”, declarou.

Quanto a assalto a banco, especialmente, nas cidades do interior do Estado que possuem fragilidade no policiamento, o governador destacou que a PM vem trabalhando com o setor de inteligência para evitar esse tipo de ação.

A respeito do sistema prisional, Silval Barbosa informou que pretende implantar as cadeias industriais, onde os detentos terão oportunidade de trabalhar e, até mesmo, ter uma renda para sustentar suas famílias. “Já estamos buscando esse modelo em outros estados e vamos oportunizar uma ocupação aos presos”, afirmou.

O governador ainda se posicionou favorável à aprovação da PEC 300, que irá igualar os salários dos policiais militares, mas, para isso, será necessário que o Governo Federal compense os Estados.