Setor varejista de materiais de construção terá ICMS reduzido

Nos próximos dias, o setor varejista de materiais de construção deverá ser beneficiado com redução no percentual do ICMS. A garantia foi dada pelo governador Silval Barbosa, que juntamente com o presidente da Assembleia Legislativa, José Riva, e o deputado estadual Dentinho (ambos do PP), esteve reunido com representantes do segmento. A redução do imposto …

29/06/2010 16:38



Nos próximos dias, o setor varejista de materiais de construção deverá ser beneficiado com redução no percentual do ICMS. A garantia foi dada pelo governador Silval Barbosa, que juntamente com o presidente da Assembleia Legislativa, José Riva, e o deputado estadual Dentinho (ambos do PP), esteve reunido com representantes do segmento. A redução do imposto deverá ser em torno de 6%. Com isso, o percentual da carga tributária, de 15,95%, deverá diminuir para 9,5%.
Conforme informações do empresário Juliano Bortolotto, o ICMS de saída passa a ser unificado por uma substituição tributária com uma alíquota de 7%. “Deixaremos de ter o crédito e devemos ter uma redução de algo em torno de 6% na carga tributária em relação à substituição tributária de Mato Grosso. E essa redução o consumidor vai ver na ponta”, explicou Bortolotto.

De acordo com presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Material de Construção, Louças, Tintas, Vidraçaria, Ferragens, Elétrica e Hidraúlica (Sidcomac) de Mato Grosso, Antônio Guerino Zompero, essa é uma luta antiga do segmento, que há 12 anos dialoga com o governo em busca da redução da carga tributária. “Hoje com grande auxílio dos deputados Riva e Dentinho obtivemos essa conquista. Só temos a agradecer. Acho que dará um incentivo maior a todo o empresário de materiais de construção do estado. Trata-se de uma grande conquista para nós”, comemorou o presidente.

Para o deputado Riva, que intermediou as negociações, o resultado da reunião foi positivo.

A redução do imposto será significativo para o setor, que está “sufocado”, e também para o consumidor. “Em breve será assinado um decreto que vai permitir a redução do ICMS, linearmente, só com a implantação da substituição tributária, o que dá uma segurança para o estado e, ao mesmo tempo, segurança para o empresário sério que sempre quis pagar o ICMS. Além de beneficiar o consumidor, que vai pagar menos”, afirmou o parlamentar.

Atualmente, o setor gera em torno de 40 mil empregos diretos e 50 mil indiretos. São mais de 2, 6 mil empresas em todo estado.