Artistas e produtores culturais buscaram orientações sobre editais no gabinete da SEC/MT

A procura pelo gabinete da Secretaria de Estado de Cultura (SEC/MT) na quarta edição do Governo Itinerante em Barra do Garças (509km a Leste de Cuiabá), foi bastante satisfatória na avaliação do gestor do órgão, Oscemário Daltro. Não só prefeitos, vereadores e representantes de segmentos organizados, mas artistas e produtores culturais trouxeram suas demandas à …

30/06/2010 13:02



A procura pelo gabinete da Secretaria de Estado de Cultura (SEC/MT) na quarta edição do Governo Itinerante em Barra do Garças (509km a Leste de Cuiabá), foi bastante satisfatória na avaliação do gestor do órgão, Oscemário Daltro. Não só prefeitos, vereadores e representantes de segmentos organizados, mas artistas e produtores culturais trouxeram suas demandas à Cultura.

Além de ouvir reivindicações voltadas à ampliação dos espaços de cultura nos vários municípios da região, o secretário Oscemário Daltro ofereceu orientações sobre os editais abertos e colocou a SEC à disposição da população. “A nossa intenção é atender a todas as demandas, claro que dentro daquilo que é possível”, salientou o secretário de Cultura ao receber demandas na área de bibliotecas, intercâmbios e também orientações na busca e captação de recursos.

Parte das audiências da SEC foi referente aos editais de projetos abertos. Nesta semana mesmo está prevista a publicação do edital de resultados do Programa de Ação Cultural (Proac) que irá contemplar diversos segmentos da cultura regional. São R$ 2 milhões de suplementação para melhor atender o setor e aos projetos culturais. “A previsão é que seja publicado no diário oficial desta quarta-feira (30.06)”, informou a coordenadora de Eventos da Secretaria, Vanessa Jacarandá.

Oscemário Daltro aproveitou para informar aos artistas que passaram pelo seu gabinete, nessa tarde de terça-feira, sobre a abertura de edital para projetos de artesãos que queiram dar oficinas. Ele e toda equipe do gabinete, montado na Escola Técnica Estadual (antigo Ceprotec) deixou orientações ainda para a implantação de bibliotecas, micro-projeto da Amazônia Legal e como buscar incentivos ao patrimônio histórico e cultural.