Governo divulga índice de 99,69% na campanha de vacinação aftosa em MT

O Estado de Mato Grosso alcançou o índice de 99,69%, na campanha de vacinação da febre aftosa na etapa de maio deste ano. Foram vacinados 11.557.116 do seu rebanho de bovinos e bubalinos de 0 a 24 meses de idade. O anúncio foi feito pelo presidente do Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso, (Indea-MT), …

12/07/2010 17:01



O Estado de Mato Grosso alcançou o índice de 99,69%, na campanha de vacinação da febre aftosa na etapa de maio deste ano. Foram vacinados 11.557.116 do seu rebanho de bovinos e bubalinos de 0 a 24 meses de idade. O anúncio foi feito pelo presidente do Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso, (Indea-MT), Valney Corrêa em entrevista coletiva realizada hoje segunda-feira (12.07), na sala de reuniões da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Rural (Seder), em Cuiabá.  
 Do rebanho inclusos nesta faixa etária de zero a 24 meses, de 11.592.921 foram imunizados 11.557.116 animais, ou seja 42,54 % do rebanho do Estado, que é de 27.247,018 de bovídeos. “Este índice de 99,69% na etapa de maio, demonstra a responsabilidade dos produtores rurais mato-grossenses, as ações do governo federal e principalmente ao governo do Estado através dos profissionais do Instituto de Defesa Agropecuária”, afirmou Valney Corrêa ao informar que na comparação da etapa de maio/2009 com maio/2010 houve um aumento no rebanho de zero a 24 meses de 905.489, o que corresponde a 9,2 % de aumento em relação a 2009.

Nesta etapa da vacinação, a maior cobertura foi na região de Pontes de Lacerda, 99,99%, e o menor índice de cobertura voluntária foi de 99,43%, na região de Alta Floresta. Valney Corrêa destaca que o preconizado pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) para reconhecimento de área livre de febre aftosa com vacinação é um índice mínimo de imunização de 98%. Desde maio de 2005, Mato Grosso não teve qualquer cobertura inferior a 99%. Para alcançar esses números, o presidente do Indea disse que foram utilizadas estratégias para cobrir pontos de estrangulamento.

Segundo a médica veterinária Daniella Soares da Coordenadoria de Controle das Doenças dos Animais (CCDA), do Indea o prazo para a comunicação oficial foi encerrado no dia 11 de junho. Apenas 35.805, 0,31% do gado ficaram sem comunicação ou vacinação. “Vamos averiguar e estes deverão ser autuados e vacinados com vacina oficial para complementar e atingir 100% dos animais, caso seja confirmado que o rebanho não foi vacinado. Quem vacinou e não comunicou o Indea sofrerá penalização administrativa, que implica em ter a ficha sanitáriar suspensa pelo dobro de dias de atraso da comunicação. A suspensão da ficha sanitária significa que o produtor não poderá retirar a Guia de Trânsito Animal (GTA) e como consequência não poderá movimentar seu rebanho”, Se a vacinação não for confirmada dentro do prazo previsto, a multa é de R$ 82,50 (2,5 UPF – Lei 7138 de 1999). O valor da UPF/MT – é de R$ 33,00.

De acordo com o secretário de Estado de Desenvolvimento Rural, Jilson Francisco da Silva foram vacinados aproximadamente 11,6 milhões de cabeças de bubalinos e bovinos, de zero a 24 meses. Com a campanha ‘Gado vacinado, mercado garantido’ o secretário reforçou que Mato Grosso livre da aftosa com vacinação significa segurança para que o Estado continue crescendo no mercado interno e para exportação. “Essa é uma das exigências do mercado internacional e esse é um programa de Estado. Mato Grosso está livre da febre aftosa, são 14 anos sem ocorrência em seu rebanho”, disse Jilson ao destacar a grande responsabilidade dos produtores rurais em manter a sanidade animal do gado mato-grossense.

O superintendente federal do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) em Mato Grosso, Francisco Moraes Chico Costa disse que é fundamental e extremamente importante o trabalho desenvolvido pelos profissionais do Indea. O Mapa, que é responsável pelo programa nacional de vacinação está cumprindo com todos os compromissos, “desde a liberação dos recursos nos prazos estabelecidos, garantindo o estoque de vacinas necessárias no mercado e evitando qualquer alteração no seu preço. O empenho dos pecuaristas e do governo do Estado é essencial para manter os altos índices de vacinação”, concluiu.

Segundo o superintendente da Associação de Criadores de Mato Grosso (Acrimat), Luciano Vaccari, o alto índice de vacinação espontânea é o resultado do sucesso do trabalho de todos os responsáveis. “O alto índice de vacinação espontânea se deve à parceria entre governo e setor produtivo, ao enfatizar que é muito importante que o Estado mantenha o status de livre de febre aftosa com vacinação, porque o Mato Grosso é responsável pela venda da carne para mais de 180 países com muita competência no mercado exportador”.

A campanha é coordenada pelo Indea-MT, instituição vinculada à Secretaria de Estado de Desenvolvimento Rural, o Fundo Emergencial de Saúde Animal, a Superintendência Federal de Agricultura no Estado de Mato Grosso (SFA/MT) e o Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento.

Participaram da coletiva a diretora técnica Maria Auxiliadora P. R. Diniz do Instituto de Defesa Agropecuária do Estado de Mato Grosso (Indea-MT), o deputado federal Wellington Fagundes, e os médicos veterinários do Indea: Roberto Renato Pinheiro Da Silva , Isabela Thommem, Isabela Ferreira Lopes, Fernando Antonio Moretto, Silvana Marta Oliveira Silva, Antonio Ribeiro.