Cuiabá terá R$ 3 bi para todas as obras

Cuiabá deve dispor de R$ 3 bilhões em verbas públicas para execução de obras visando à Copa de 2014. Essa é a previsão da Agência da Copa do Pantanal (Agecopa), de acordo com o diretor de Planejamento Yênes Magalhães. Esses recursos estão sendo previstos para os próximos três anos. Yênes explicou que além do primeiro …

30/07/2010 10:52



Cuiabá deve dispor de R$ 3 bilhões em verbas públicas para execução de obras visando à Copa de 2014. Essa é a previsão da Agência da Copa do Pantanal (Agecopa), de acordo com o diretor de Planejamento Yênes Magalhães.

Esses recursos estão sendo previstos para os próximos três anos. Yênes explicou que além do primeiro R$ 1 bilhão anunciado pelo ex-governador Blairo Maggi pouco antes de deixar o governo, o Estado recuperou a capacidade de endividamento e fez uma segunda previsão de aporte financeiro, de mais R$ 1,4 bilhão.

Os outros recursos virão de órgãos como Departamento Nacional de Infraestrutura Terrestre (Dnit), emendas parlamentares e das prefeituras de Cuiabá e de Várzea Grande.

Entretanto, as únicas intervenções previstas para este ano são chamadas “obras de desbloqueio”, feitas com a intenção de desviar o trânsito durante as intervenções maiores e de longa duração.

Nesse pacote estão inclusas duas pontes sobre o rio Coxipó, uma ligando a avenida Beira-Rio ao bairro Coophema, e a outra, saindo do Jardim das Palmeiras (perto do Patronato Santo Antônio) para o bairro Boa Esperança.

Essas seriam as alternativas para criar novas travessias e liberar a ponte da avenida Fernando Corrêa da Costa para as grandes obras de duplicação e adequação ao novo sistema de transporte coletivo, o BRT (Bus Rapid Transit).

De acordo com Yênes Magalhães, praticamente todos os projetos da Copa estão prontos. Os últimos devem ser finalizados nos próximos dias, enquanto outros já estão sendo licitados.

Para o diretor de Planejamento da Agecopa não se pode falar em atrasos de obras quando se condiciona investimentos de R$ 3 bilhões em apenas três anos, recursos que talvez levassem duas ou três décadas para chegar aqui.

Ontem Yenes participou em Cuiabá do seminário “Oportunidades, Desafios e Ameaças em Tempo de Copa do Mundo”, promovido pelo Projeto 2014, uma empresa que vem discutindo questões relacionadas ao mundial de futebol em todas as cidades-sedes.

O superintendente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL), Nelson Soares Júnior, que também participou desse evento, disse achar que não se pode dizer que Cuiabá está à frente das outras cidades-sedes porque começou a construir o estádio. “Podemos dizer que estamos menos atrasados”, observou.

Nelson disse que se a partir de janeiro de 2011 a cidade não virar um canteiro de obras será a hora de se preocupar. Por enquanto, ele prefere ver essa demora como cuidado e respeito da Agecopa com as exigências da lei no processo licitatório.