hoje é dia de vacinação contra a Poliomielite

Este sábado (14.08) é o Dia D da vacinação contra a Poliomielite. A campanha é para as crianças tomarem a segunda dose da vacina e teve início na segunda-feira (09.08). Com o slogan “Não vai esquecer a segunda dose, hein?”, a secretaria de Estado de Saúde (SES) colocou à disposição 1.600 postos abertos distribuídos nos 141 …

14/08/2010 08:11



Este sábado (14.08) é o Dia D da vacinação contra a Poliomielite. A campanha é para as crianças tomarem a segunda dose da vacina e teve início na segunda-feira (09.08). Com o slogan “Não vai esquecer a segunda dose, hein?”, a secretaria de Estado de Saúde (SES) colocou à disposição 1.600 postos abertos distribuídos nos 141 municípios, com objetivo de imunizar 262.931 crianças menores de cinco anos. Desse total, 49.285 crianças estão abaixo de 01 ano e 213.646 crianças têm de 01 a 04 anos e 11 meses. “Recomendamos que os pais não esqueçam de levar o cartão de vacinação, para que se possa fazer o acompanhamento das outras vacinas a serem ministradas”, disse o superintendente de Vigilância em Saúde da Secretaria de Estado de Saúde, Oberdan Ferreira Coutinho Lira.

Durante a primeira etapa o Estado vacinou 231.142 mil crianças menores de 5 anos, de uma meta de 262.931, o que estabelece um percentual de 87.91 % de cobertura vacinal. “Faz-se importante ressaltar que os dados ainda não estão fechados, pois os municípios ainda estão alimentando o sistema. Com o fechamento teremos a certeza de que Mato Grosso continuará superando a meta mínima de 95% preconizada pelo Ministério da Saúde”, declarou.

Para esta etapa foram disponibilizadas pelo Ministério da Saúde 350 mil doses da vacina para Mato Grosso. Esta etapa da Campanha de Vacinação contra a Pólio se encerra no dia 15 de setembro.

A DOENÇA

A Poliomielite (Pólio) é uma doença altamente contagiosa provocada por um vírus que invade o sistema nervoso através da boca e multiplica-se no intestino, provocando paralisia numa questão de horas. Os sintomas iniciais são: febre, fadiga, dores de cabeça, vômitos e rigidez no pescoço e dores nos membros. Uma em cada 200 infecções conduz a uma paralisia irreversível (geralmente nas pernas). Entre os que ficam paralisados, 5 a 10% morrem quando os músculos que permitem a respiração ficam imobilizados.