Sema dará prioridade nas análises dos processos de licenciamento ambiental de Marcelândia

Um técnico da Superintendência de Infraestrutura, Mineração, Indústria e Serviços (Suimis), da Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema), segue nesta terça-feira (17.08) para Marcelândia (710 quilômetros ao Norte da capital), para acompanhar e orientar no trabalho de escolha de uma área para destinação dos resíduos (biomassa) como é chamado o pó de serragem, oriundo …

17/08/2010 12:22



Um técnico da Superintendência de Infraestrutura, Mineração, Indústria e Serviços (Suimis), da Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema), segue nesta terça-feira (17.08) para Marcelândia (710 quilômetros ao Norte da capital), para acompanhar e orientar no trabalho de escolha de uma área para destinação dos resíduos (biomassa) como é chamado o pó de serragem, oriundo das madeireiras locais e nos processos de licenciamento ambiental.

Desde a semana passada o secretário de Meio Ambiente, Alexander Torres Maia, após acompanhar o governador Silval Barbosa em Marcelândia, determinou a todas as superintendências da Sema que tomassem uma série de providências no sentido de resolver o problema social e ambiental causado pelo incêndio que atingiu o município e destruiu madeireiras e cerca de 100 casas.

Na segunda-feira (16.08), durante reunião semanal de trabalho com superintendentes, onde foram definidas ações em várias áreas em especial em relação ao Licenciamento Ambiental de empreendimentos e a destinação dos resíduos, o secretário voltou a pedir o empenho de toda a Secretaria nos trabalhos de reconstrução da cidade. “Mais do que tudo é uma questão humanitária”, salientou Maia.

O secretário-adjunto de Mudanças Climáticas, Julio Bachega, explicou que os técnicos da Sema e da Unidade Regional de Sinop, estão sendo orientados no sentido de que sejam priorizadas as análises dos processos de licenciamento do município. “Estaremos acompanhando a tramitação desses processos na Sema e, dentro da legalidade, liberando prioritariamente os licenciamentos, para que haja o retorno mais breve possível, das atividades econômicas no município “, disse ele. Segundo um levantamento preliminar da Sema existem aproximadamente 77 processos em tramitação no órgão referentes ao Licenciamento Ambiental Único (LAU) e, 45 de Manejo Florestal.

A parte urbana da cidade não chegou a ser afetada pelo incêndio que destruiu 80% das madeireiras e deixou famílias desabrigadas. Uma das ações prioritárias nesse momento é a retirada dos resíduos de madeira das proximidades da área urbana. Segundo cálculos iniciais cerca de 1 a 2 milhões de metros cúbicos de resíduos de madeira estão depositados nas áreas onde estavam localizadas as madeireiras, próxima ao núcleo urbano. Esses resíduos foram depositados pelas madeiras, em atividade ou não, ao longo dos anos. Os técnicos da Sema estudam a forma mais segura de destinação desses resíduos.