Música transforma a vida de reeducandos em Cuiabá

Há um ano o som de guitarra, baixo, violão, meia lua e bateria percorrem os corredores do Centro de Ressocialização de Cuiabá (CRC). A música ouvida pelos reeducandos e servidores é o som da Banda Cazuluz, nome inspirado na transformação que a larva sofre para se tornar uma borboleta. A banda é formada por reeducandos …

18/09/2010 16:29



Há um ano o som de guitarra, baixo, violão, meia lua e bateria percorrem os corredores do Centro de Ressocialização de Cuiabá (CRC). A música ouvida pelos reeducandos e servidores é o som da Banda Cazuluz, nome inspirado na transformação que a larva sofre para se tornar uma borboleta.

A banda é formada por reeducandos do regime fechado da unidade. O grupo foi criado com o objetivo de aproveitar o talento musical dos reeducandos e utilizar a música como forma de ressocialização. “Acreditamos na música, no teatro e em outras atividades artísticas que transformam o comportamento das pessoas. Percebemos que a banda nos trouxe alegria e modificou o clima na unidade”, disse a coordenadora de educação do CRC, Alvair Maria Ferreira.

Depois dos ensaios começaram a surgir as apresentações que, no início, aconteciam dentro do CRC. Foi então que surgiu o primeiro convite para tocar fora da unidade. A primeira apresentação foi no lançamento do Projeto Plantar, na Penitenciária Feminia Ana Maria do Couto May, em Cuiabá.

Depois da primeira apresentação o grupo passou a ser procurado para diversos eventos realizados pela Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp).

A união de esforços entre a direção e os reeducandos permitiu que fosse produzido dentro da unidade o CD da Banda Cazuluz. Entre as canções, músicas de artistas nacionais como Legião Urbana, Zé Ramalho e Paralamas do Sucesso, além de quatro músicas de autoria dos integrantes da Banda.

“A mudança começou a acontecer. Todos da banda já entederam a proposta do trabalho. As portas que estão se abrindo para o grupo está sendo fundamental para a ressocialização”, disse o reeducando Joseliano.

Para a coordenadora de educação, Alvair Maria Ferreira, o projeto com a banda permitiu que os reeducandos saissem da depressão e que a unidade mudasse o comportamento. “Dizem que quem canta o seus males espanta. É isso que o projeto tem feito”, observou Alvair.

Diariamente, durante três horas, a Banda Cazuluz ensaia músicas de diversos gêneros como Sertanejo, Música Popular Brasileira (MPB), Pop Rock e Rock. Os instrumentos utilizados pelo grupo para o ensaio e apresentações são dos próprios reeducandos da banda ou emprestado por outro reeducando da unidade.