Mostra de filmes sobre a cultura negra começa amanhã em Cuiabá

A abordagem étnica e racial volta a ser destaque neste durante todo o mês de novembro no Museu da Imagem e do Som de Cuiabá “Lázaro Papazian – Cháu” – o MISC. As atividades, em comemoração ao Dia Nacional da Consciência Negra, começam hoje quinta-feira(11-10)  e seguem até o dia 26. Toda a programação é …

11/11/2010 08:14



A abordagem étnica e racial volta a ser destaque neste durante todo o mês de novembro no Museu da Imagem e do Som de Cuiabá “Lázaro Papazian – Cháu” – o MISC. As atividades, em comemoração ao Dia Nacional da Consciência Negra, começam hoje quinta-feira(11-10)  e seguem até o dia 26. Toda a programação é gratuita.

Iniciando a programação, vai ser aberta às 19h30 horas, a exposição ‘A mitologia afrocubana”. A mostra faz uma homenagem a Geraldo Costa, pioneiro do movimento negro em Mato Grosso, cuja curadoria é da Profª Therezinha Arruda. Falecido em 1990, Geraldo Henrique Costa foi cuiabano, contabilista, radicado no bairro Araés. Fundou o Grupo de União e Consciência Negra em nosso Estado.

Está programada também para esse dia a exibição do vídeo “Wemilere – Festa das deidades cubanas”, do diretor Johannes García Fernández, com duração de 27 min. Este documentário é uma representação artística das festividades aos orixás e retrata a “Santería”, como é chamada em Cuba a religião afro-cubana, uma das tradições mais praticadas no país. É celebrada com cantos, danças e toques de tambor dedicados às deidades: do amor, da justiça, da paz, da guerra; e também aos elementos da natureza como: o campo, o rio, o vento, o raio, o mar, o sol, a terra; esse culto é oferecido também à vida e à morte.

Na sexta-feira (12), às 19h30, acontecerá um colóquio com a Profª Therezinha de Jesus Arruda, intitulado: “A negritude afrocubana na ótica de Fernando Ortiz”. Antropólogo, etnólogo, sociólogo, jurista e linguista, Ortiz é cubano, considerado um dos maiores intelectuais da América Latina e uma das maiores autoridades em estudos da cultura africana. A palestrante e curadora, Profª Therezinha Arruda é historiadora, especialista em História da América. É professora titular fundadora da UFMT, onde também foi co-autora dos projetos de implantação do Museu de Arte e Cultura Popular, do Departamento de História, do Núcleo de Documentação e Informação Histórica Regional e do Cineclube da UFMT. Atualmente é tradutora espanhol/português do jornal Granma Internacional – Cuba, e colaboradora da Fundação Fernando Ortiz.

Confira a programação completa.

Quinta-feira (18), às 14:00 h.

“No País dos Orixás”. O país dos Orixás está do outro lado do lugar onde os astros vão dormir durante o dia; do outro lado do infinito, muito além da Terra, muito além do céu; nem na terra nem no céu, ou na terra e no céu, ao mesmo tempo.

Terça- feira (23), às 14:00 h

“Aña, a Magia do Tambor”. Os “Batá” são os mais conhecidos dos tambores africanos de origem ioruba que se conservam em Cuba. Este documentário trata da construção e da liturgia destes tambores sagrados nos quais palpita o espírito de Osain – o Deus ioruba da Natureza; fala da linguagem mágica de suas vibrações sonoras provocadas pelo contato com os deuses e da euforia da possessão – “Subida do Santo” – e dos “omá añá olú batá”, os percussionistas que dominam a arte de sua complexa execução e constituem uma categoria sacerdotal reservada exclusivamente aos homens, de acordo com as tradições de seus antepassados.

Sexta-feira (26), às 14:00 h

“Omo o Oricha – Os Filhos do Santo”. À “Santeria” cubana – como a qualquer outra religião – pode-se chegar por diferentes caminhos: tradição familiar, problemas sociais e individuais, dúvidas filosóficas, dificuldades de saúde. O certo é que praticantes do culto cubano aos orixás são encontrados hoje na Venezuela, em Porto Rico, na Colômbia, no Panamá e em outros países do Caribe, nos EUA e na Europa, já que esta crença popular baseia-se em autênticos atos de fé concretizados numa religião que possui seu culto e suas tradições.

O MISC está situado à Rua Voluntários da Pátria, centro histórico de Cuiabá.