Embrapa Pantanal lança indicadores para medir sustentabilidade em fazendas

O lançamento aconteceu durante o 5º Simpan (Simpósio sobre Recursos Naturais e Socioeconômicos do Pantanal). A pesquisadora Sandra Santos, que coordenou o projeto, disse que a ferramenta está pronta e agora passará por uma fase da validação antes de ser disponibilizada ao público. “Ainda estamos definindo como o público terá acesso, mas já podemos adiantar …

15/11/2010 09:45



O lançamento aconteceu durante o 5º Simpan (Simpósio sobre Recursos Naturais e Socioeconômicos do Pantanal).

A pesquisadora Sandra Santos, que coordenou o projeto, disse que a ferramenta está pronta e agora passará por uma fase da validação antes de ser disponibilizada ao público.

“Ainda estamos definindo como o público terá acesso, mas já podemos adiantar que, apesar de os indicadores serem bastante simples, será necessário passar por um treinamento para poder utilizá-los”, afirmou.

A primeira apresentação sobre o software aconteceu durante a tarde, pelo analista Helano Povoas de Lima, da Embrapa Informática Agropecuária, de Campinas (SP). Esta Unidade da Embrapa é responsável pelo desenvolvimento da ferramenta.

Helano explicou que a Embrapa optou por utilizar indicadores simples, mas representativos. “A técnica computacional adotada deve agregar de maneira inteligente os conjuntos de indicadores.”

O usuário deverá digitar dados coletados na fazenda, que serão processados pela ferramenta por inferência. No final, o programa fornece uma nota de zero a dez, que é transformada em um conceito.

O analista explicou porque optou pela lógica Fuzzy (também conhecida como difusa ou nebulosa). “Essa lógica permite tratar as incertezas e a sustentabilidade é um conceito incerto. É baseada em uma linguagem natural e permite modelar problemas complexos.”

Segundo Helano, o grande diferencial deste software é que ele agrega o conhecimento de especialistas em pesquisas no Pantanal. O software contempla indicadores econômicos, ambientais e sociais. Outra característica é que ele será atualizado frequentemente, pois os indicadores evoluem.

USOS

Sandra Santos disse que um dos usos da ferramenta será para diagnóstico produtivo das fazendas. “Conhecendo seus pontos fracos, em alguns casos o produtor poderá melhorá-los para tornar a propriedade mais sustentável”, afirmou.

Mas ela lembra que nem todos os indicadores dependem do fazendeiro. Especialmente nos indicadores sociais, há casos em que a melhoria depende do Estado, como as condições de acesso às fazendas, a existência de escolas e de energia elétrica, por exemplo. O programa permite avaliar ainda a aptidão da fazenda para a pecuária.

Outro uso para a FPS será uma possível certificação. A ideia é que a carne originária do Pantanal seja valorizada pelo mercado, já que ela tem um grande diferencial: é produzida em um sistema tradicional, que contribui para a conservação do meio ambiente.

O presidente da ABPO (Associação Brasileira de Pecuária Orgânica), Leonardo de Barros, acompanhou o lançamento e ficou entusiasmado com a ferramenta. “Ela será fundamental para valorizarmos o trabalho do pecuarista pantaneiro.” Ele colocou as fazendas orgânicas à disposição da Embrapa para a fase de validação.

O Simpan é uma realização da Embrapa Pantanal (Corumbá-MS), Unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – Embrapa, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, ICS do Brasil (Instituto de Comunicação Social) e da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul).  Tem correalização da Prefeitura Municipal de Corumbá e patrocínio da Petrobrás. Apóiam a iniciativa o Centro de Tecnologia Mineral, Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Ministério da Ciência e Tecnologia, Prefeitura Municipal de Ladário, Universidade Uniderp, Hotel Gold Fish, Seher Turismo, Centro de Convenções do Pantanal de Corumbá “Miguel Gomez” e Universidad Pública René Moreno do Governo Departamental de Santa Cruz/Bolívia.